VVR, exposição de ônibus históricos, está confirmada para 15 de dezembro no Viaduto do Chá em São Paulo, diz organizador

Publicado em: 8 de dezembro de 2019

Antônio Kaio Castro em entrevista ao jornalista Adamo Bazani na edição da VVR em 2013 – Reprodução

Serão expostos em torno de 20 veículos, entre urbanos e rodoviários, que marcaram diferentes épocas no avanço da mobilidade

ADAMO BAZANI

Ouça a entrevista:

A tradicional exposição de ônibus históricos de São Paulo, a VVR (Viver, Ver e Rever) volta em 2019, depois de quatro anos sem ser realizada.

O formato, no entanto, será diferente das edições que ocorriam no Memorial da América Latina.

Segundo presidente e fundador do Primeiro Clube do Ônibus Antigo Brasileiro, Antônio Kaio Castro, o novo local está confirmado: o viaduto do Chá, na região central, em frente à prefeitura de São Paulo. O horário será das 8h00 às 16h30.

Serão em torno de 20 veículos entre urbanos e rodoviários, desde jardineiras dos anos da década de 1940, quando os transportes eram um desafio e a pouca infraestrutura viária exigia veículos mais rústicos, até modelos dos anos 1990, época em que as tecnologias voltadas ao conforto e segurança entraram em nova fase.

Kaio explicou que a realização do evento é a convite da prefeitura e que todos os trâmites burocráticos já estão resolvidos.

“Como nós somos uma das atrações de Fim de Ano da cidade, nós fomos convidados. Todas estas necessidades burocráticas, não no sentido pejorativo, mas que são os cuidados legais necessários para a realização do evento, a própria secretaria municipal de Turismo cuidou disso. Então, a Guarda Civil Metropolitana, a CET [Companhia de Engenharia de Tráfego], SPTrans [São Paulo Transporte], DSV [Departamento de Operação do Sistema Viário] e Corpo de Bombeiros estão devidamente informados e com as autorizações necessárias” – explicou Kaio.

Os ônibus devem ser dispostos em 45 graus na via, que vai estar fechada para trânsito, e ficarão estacionados no lado oposto do prédio da prefeitura.

A disposição deve facilitar que sejam retiradas fotografias de diversos ângulos dos veículos.

Será possível matar saudades de clássicos que já tinham sido apresentados na VVR, como o Nielson Diplomata Volvo B 58 da Graciosa, veículos da Turismo Santa Rita, da Viação ABC de São Bernardo do Campo, os lendários CMAs Scania que operaram pela Viação Cometa, Monoblocos Mercedes-Benz e alguns pouco vistos em eventos, como um Scania BR 116 Diplomata Leito, da Serrana de 23 lugares, que foi sinônimo de conforto que circulou nas estradas até os anos 1980.

Kaio diz que será uma oportunidade para quem viu estes ônibus clássicos poder ter mais um contato e ressalta que muita gente ainda não teve chance de estar próxima destes veículos que contam como os deslocamentos de pessoas evoluíram ao longo do tempo.

“O público se amplia ano a ano. Para alguns, muitos dos ônibus não serão novidade, mas para muitos outros, será uma situação nova. As exposições, cada dia mais frequentes, são necessárias porque novos apaixonados vão surgindo Para os que viram, uma oportunidade de sentir a emoção de novo.” – disse.

Kaio ainda contou que alguns ônibus expostos tiveram aparições em cinemas, séries televisivas e comerciais.

“Será a chance de ver estes veículos ao vivo e em cores” – brinca.

Diplomata Volvo deve ser um dos destaques

Também serão expostos ônibus de outros estados e há até mesmo clássicos importados, como GM 4104, modelo que ficou famoso no Brasil quando a empresa Cometa importou algumas unidades em 1954 para a ligação Rio-São Paulo.

A ideia da VVR surgiu em 2003 pela paixão por veículos antigos que Kaio sempre cultivou. Na época, o profissional gerenciava a filial na cidade de São Paulo da empresa de fretamento Expresso Redenção, que tem sede em Taubaté, no interior paulista.

Kaio havia percebido que existiam eventos de carros antigos, mas não de ônibus. Como tinha contato com outras empresas, foi “garimpando” verdadeiros tesouros nas garagens. Muitos empresários guardavam e restauravam modelos antigos que, ao contarem as memórias dos seus negócios, retratavam também a história das regiões onde prestavam serviços.

Em maio 2004, ocorreu a primeira exposição na garagem da Expresso Redenção. O evento foi crescendo até que em 2007 começou a ser realizado no Memorial da América Latina, na zona Oeste de São Paulo. A VVR faz parte do Calendário Turístico Oficial desde 04 de maio de 2011, quando o então governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, aprovou projeto de lei 1295, de 2009, à época do deputado Bruno Covas, hoje prefeito de São Paulo.

Kaio conta que a VVR começou a dar frutos e hoje são realizados diversos eventos semelhantes em todo o País, como no interior de Minas Gerais e, em Nova Hamburgo, no Rio Grande do Sul.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Esse Diplomata parece que saiu de fábrica, de tão Clean,,,,,nessa pode apostar que vou ! E um Clássico da MBB dos anos 60/70..lindão

  2. vagligeiro disse:

    Vou ser sincero: no Memorial acho mais interessante devido ao espaço. Posso estar errado, mas a região do Viaduto do Chá / Anhangabaú não está 100% por causa das obras no Vale.

Deixe uma resposta