Ônibus de São Paulo ganham indicador de “ponto-cego”

Publicado em: 20 de novembro de 2019

Ciclistas devem estar atentos à sinalização.

Objetivo é mostrar áreas onde a visão do motorista é mais restrita, principalmente para ciclistas, motociclistas e pedestres

ADAMO BAZANI

Quem reparar nos ônibus da cidade de São Paulo com o novo padrão visual vai perceber que, além das cores que indicam a região servida, o prefixo, os logotipos da gerenciadora SPTrans – São Paulo Transporte e da prefeitura, além do nome da empresa, a lataria ostenta um círculo amarelo.

A figura é uma indicação do chamado ponto-cego do ônibus.

Pontos-cegos são comuns em veículos grandes como ônibus e caminhões e são áreas onde a lataria não é muito bem visualizada pelo motorista.

Nesta terça-feira, 19 de novembro de 2019, o Diário do Transporte acompanhou a apresentação de 15 ônibus 100% elétricos da empresa Transwolff, da zona Sul da cidade.

Os veículos já estavam com novo padrão de pintura e tinham o adesivo que traz a frase: “Atenção, o motorista pode não estar vendo você”. Há ainda a imagem de um olho ‘cotado’.

O objetivo é alertar principalmente ciclistas, motociclistas e pedestres, que acabam sendo vítimas de atropelamentos, mas também motoristas de outros veículos para que mantenham distância destes pontos dos ônibus, em especial em curvas e manobras.

A medida é de baixo custo e serve como referencial em ruas e terminais.

Articulados possuem mais áreas de ponto cego

 

Veja mais sobre as novas pinturas:

SPTrans atualiza manual de identidade dos ônibus da capital já com as novas pinturas

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Comentários

  1. devia ser olho com risco transversal

  2. Rodrigo Zika! disse:

    Bem interessante.

  3. Paulo Gil disse:

    Amigos, bom dia.

    Decepcionante.

    Em pleno 2020 o buzão de Sampa ganha um “adesivo indicador de ponto cego”.

    Por que não colocam duas câmeras e um monitor no painel para que o piloto ENXERGUE se há algum obstáculo (veículo, pedestre, moto etc) ?

    Considerando-se o monte de articuladinho trucadinho que bate lata em Sampa; o custo destes equipamento / frota de buzão X a diminuição de acidentes, vítimas, funilaria e pintura com certeza é “dinheiro de pinga”.

    Depois não sabem porque o BarsiLei não vai pra frente.

    Já existe câmeras e monitores, a a fiscalizadora usa ADESIVO.

    Antes fosse só o ponto cego.

    No BarsiLei tem muitos mais “cegos” do que se imagina; ou melhor espertos né; pois se o buzão da lucro com articuladinho batendo lata …´

    De nada adianta criar programas de inovação; se ninguém inova.

    Melhor o COLETIVO reavaliar este adesivo inovador…

    MUDA BARSILei !

    Muda buzão de Sampa !

    Muda Fiscalizadora !

    Att,

    Paulo Gil

  4. G. M. disse:

    Absurdo a culpa de ser atropelado por um ônibus ser colocada somente na vítima! Já existem diversos tipos de auxílio eletrônico para motoristas nesse tipo de situacao, mas claro, mais fácil colocar um adesivo aleatório na lateria e depois, em caso de acidente, colocar a culpa em quem foi atropelado. Parece que ninguém se lembra que no CTB é a explícita a responsabilidade de motoristas zelarem pela seguranca dos mais vulneráveis no trânsito.

Deixe uma resposta