Novo trem chinês da série 2500 para a linha 13 do Aeroporto tem ao menos 34 defeitos

Publicado em: 20 de novembro de 2019

Problemas vão desde inscrições erradas até falta de isolamento elétrico.

CPTM diz que não haverá atraso no cronograma de início de operação e que é “normal a constatação de pendências”

ADAMO BAZANI

Um documento interno da CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos mostra que a primeira composição da série 2500, fabricada na China, que vai atuar na a linha do 13-Jade, que liga a capital paulista ao Aeroporto de Guarulhos, na Grande São Paulo, possui ao menos 34 defeitos, entre falhas e problemas em acabamento, estruturais e eletromecânicos.

O lote de oito trens, fabricados pelo consórcio Temoinsa-Sifang, custou aos cofres públicos R$ 316,7 milhões.  Três composições já estão com a CPTM.

A informação e os documentos foram publicados pelo site Diário dos Trilhos e pelo perfil no Facebook Paparazzi Ferroviário.

O Diário do Transporte entrou em contato com a CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos.

A resposta ao pedido de posicionamento veio pela STM – Secretaria dos Transportes Metropolitanos que, por meio de nota, não negou a veracidade dos relatórios divulgados, mas afirmou que é “normal a constatação de pendências não impeditivas e que não impactam em segurança do trem no processo de fabricação durante os testes de performance.”

Entre os problemas apontados nos testes, estão falta de extintores de incêndio, ausência de isolamento elétrico em várias partes, cabos e peças ainda com identificação em chinês, sancas de portas batendo em armário de equipamentos, cabos de freios posicionados de forma inadequada, teto com afundamento e possibilidade de infiltração por falha na calha externa na área do maquinista.

A pasta da gestão João Doria informou ainda que os problemas serão resolvidos e está mantida a previsão do início de operação dentro do cronograma inicialmente estipulado pela empresa, que é em dezembro.

Apesar de uma das empresas que fabricaram as composições da CPTM, a CRCC, ter surgido de uma fusão da CNR, que produziu os 40 trens da Supervia que foram recolhidos nesta semana por defeitos, a STM disse que não há relação entre os casos.

A nota não esclarece se os custos dos consertos serão bancados pela fabricante ou pelo estado.

Veja a nota na íntegra:

Os trens da série 2500 fabricados na China pelo Consórcio Temoinsa -Syfang foram inspecionados e testados na fábrica em Qindgao/China, acompanhados por fiscalizadora especializada contratada.

É considerado normal a constatação de pendências não impeditivas e que não impactam em segurança do trem no processo de fabricação durante os testes de performance.

A CPTM ressalta a importância da seriedade e responsabilidade na apuração de dados noticiados ao cidadão, essas pendências não têm relação com o caso do Rio de Janeiro, pois a fábrica e os componentes são diferentes.

Após os testes, a retirada das pendências e o atendimento aos parâmetros específicos, o trem será liberado para operação comercial. A entrada em operação do primeiro trem 2500 está dentro do cronograma previsto.

O primeiro trem da série 2500 chegou ao Brasil em 05 de setembro. Outras duas composições desembarcaram em 09 de novembro de 2019.

LOTE

O consórcio Temoinsa-Sifang venceu a licitação internacional com a apresentação da melhor proposta no valor de R$ 316,7 milhões para a fabricação dos oito trens. A aquisição dessa frota está sendo financiada com recursos do Banco Europeu de Investimento (BEI), que disponibilizou € 85 milhões para o Governo do Estado de São Paulo.

A exemplo das frotas das outras seis linhas da CPTM, os trens chineses têm 170 metros de comprimento, salão contínuo de passageiros (passagem livre entre os carros), monitoramento com câmeras na parte externa e interna, além de acessibilidade para pessoas com mobilidade reduzida ou deficiência.

As composições também dispõem de monitores digitais internos com informações sobre a prestação de serviços e reconhecimento eletrônico automático do maquinista por meio de biometria.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Comentários

  1. Eu bem que disse, compra-se lá fora, e justamente da China, longínquo, acham que mandarão alguém de lá, assim na boa para corrigir? Doria é um embuste,,com o dinheiro emprestado dava muito bem para sanar os problemas da estação, questão de acessibilidade, na sua maioria faltante, como em Santo André, SCS, por exemplo….e pior que isso é poucos dos 3 milhões de usuários da companhia saberão destes erros e falhas…fora que a segurança do passageiro fica comprometida…….agora no Rio ja recolheram 40 trens da China….Mais uma prova da incompetencia do “governadorzinho”

  2. Gerson Carvalho disse:

    Boa noite amigos, como vão?

    Reparem no item 3, onde o correto seria a placa estar escrita ARMAR e colocaram ALMAR… Não está errado, uma vez que aportuguesaram o chinês… Escreveram como eles pronunciam! Kkkkkkk

    Brincadeiras a parte, é uma vergonha o fato do Consórcio Chinês entregar uma composição com tantas falhas. Ok, elas podem não comprometer a segurança ou estrutura num geral, mas foi pago para entregarem o produto impecável. É a mesma coisa de comprarmos um Honda Fit e ele vir sem o logo da marca, faltando o botão do vidro elétrico do lado esquerdo, ter um para-choque com um lado maior que o outro…

    Peça reembolso, CPTM!

    Abraços,

    Gerson Carvalho

    1. willian santana gonçalves disse:

      Eu já pensei justamente isso kkkkkk almar foi muito engraçado kkkk tava na cara que ia virar piada

  3. JOSE LUIZ VILLAR COEDO disse:

    Com defeitos ou nao nesses novos Trens … os asiáticos e os germanicos – alemaes e escandinavos – estão dominando o Mundo! Estao com a bola toda em muitos quesitos! As vezes nem.parece quea China ainda é um país Comunista …!

    1. Rodrigo Zika! disse:

      E comunista quantos as leis para cidadãos e os direitos que são minimo, com um governo autoritário, agora na questão comercial com o mundo e capitalista.

  4. Rodrigo Zika! disse:

    Se ele mesmo disse que e normal vir com alguns problemas, faz parte .

  5. Pedro disse:

    Que sirva como exemplo “tlem” chines nunca mais, esses 8 trens vão dar tanta manutenção que vão acabar saindo mais caro do que os das outras propostas, mais um tiro no pé do ilustre governador, chines so pastel de flango e olha lá, ninguem esquece o seu primeiro produto chines!, porque quebra logo e você não consegue passar pra frente.

  6. Paulo Gil disse:

    Amigos, bom dia.

    Há um zilhão de anos atrás quando eu trabalhava na indústria, foi criado a “QUALIDADE ASSEGURADA”, ou seja a compra com qualidade assegurada garantia que a matéria prima ou o produto final fossem entregues em perfeitas condições.

    Considerando-se que um trem ( +/- de 6 a 8 carros) não é um simples produto fabricado em qualquer fabrica de fundo de quintal, bem como não é um produto simples; por que a CPTM não especificou no edital de licitação que o produto tem de ter qualidade assegurada?

    Bom, existem um zilhão de respostas; porém sabemos que só tem uma combinação de duas respostas que justifica realizar uma compra desse porte sem qualidade assegurada.

    Talvez hoje a expressão “qualidade assegurada” deve até ter mudado ou ter sido substituído por algo mais moderno e aperfeiçoado (se alguém quiser me atualizar eu agradeço).

    Mas é isso.

    Por essas e outras que o BarsiLeii não vai pra frente (nem com o esforço do Ministro Paulo Guedes); lembrando que mais uma vez o desperdício do dinheiro do contribuinte continua FIRME E FORTE.

    Já pensou quanto tempo vai atrasar o início da operação desse trenzinho chinês ??

    Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh; acabei de pensar o porque não terá problema.

    A linha 13 JADE é natimorta mesmo, então nem precisa de mais composições; não tem demanda mesmo.

    BarsiLei…

    É Ministro Paulo Guedes num vai mesmo; está patente que não querem lhe ajudar e muito menos ajudar o BarsiLei.

    E como diz meu tio “Jácó” aqui no BarsiLei é assim:

    “NÓIS VAI, NÓIS FUMO E NÓIS FICA”

    Não sai dessa “batidinha”

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    ACORDA BARSILei

    ACELERA CPTM ou doa logo tudo para a iniciativa privada; se é que vão querer um trem com 34 defeitos e uma linha NATIMORTA.

    Att,

    Paulo Gil

    1. Gerson Carvalho disse:

      Bom dia, amigo Paulo Gil, como vai? Espero que esteja bem!

      Um adendo ao seu comentário, as composições da série 8000, custaram R$ 29.000.000,00 e as da série 8500, em torno de R$ 32.000.000,00… Agora pagarem R$ 39.000.000,00 nestes trens de “origem duvidosa”, foi um completo desperdício e desserviço à população.

      Sabemos que os custos de produção aumentaram com o passar dos anos, mas será que não dava para “chorar um desconto” com as fabricantes brasileiras? Ou mesmo que pagassem o mesmo valor, não teríamos uma garantia melhor?

      “Previsíveeeelllll” – By Paulo Gil

      Abraços, nobre amigo!

      Att,

      Gerson Carvalho.

      1. Ivo disse:

        Os trens da Série 8500 levaram mais tempo para serem fabricados no Brasil (foram entregues com 34 meses de atraso em relação ao prazo original!) e vieram com inúmeros defeitos de fabricação que levaram meses para serem sanados (alguns persistem até hoje). Sua fabricante foi multada em R$ 8,37 milhões por atrasos.

        O metrô de Porto Alegre comprou 15 trens fabricados no Brasil. Em 5 anos, a frota sofreu tantos defeitos de fabricação que só agora estão conseguindo colocar os trens em circulação regular. A fabrica brasileira não conseguiu resolveu os problemas e prejudicou o metrô porto-alegrense por 5 anos.

        Tem certeza que as empresas nacionais podem oferecer um produto melhor? Os chineses atrasam menos e entregam um produto superior.

Deixe uma resposta