Linha 5-Lilás volta à operação normal após quase 20 minutos de problemas

Publicado em: 2 de novembro de 2019

Linha 5-Lilás, foto meramente ilustrativa

Trecho teve operação parcial por causa de pessoa nos trilhos

ADAMO BAZANI

Por volta das 17h45, a operação da Linha 5- Lilás começou a voltar ao normal depois de quase 20 minutos de problemas devido a presença de pessoa nos trilhos.

O problema começou pouco antes das 17h30.

A operação foi parcial entre Santo Amaro e Chácara Kalbin e em via singela (um trilho sendo alternado em dois sentidos) entre Capão Redondo e Vila das Belezas.

Comentários

  1. Paulo Gil disse:

    Amigos, bom dia.

    Eu tenho minhas dúvidas com relação a esta altíssima incidência que vem ocorrendo todo dia nos metros (exceto a 4 Amarela) de pessoas nos trilhos ou na via.

    Mas…

    Uma questão é patente.

    Na atualidade, é inadmissível metro sem porta de plataforma.

    Então o que estão esperando?

    Nem precisa de licitação, a justificativa humana operacional de segurança e eficiência operacional e imperiosa necessidade, já está pronta e comprovada na prática diária.

    Karamba!

    O que estão esperando?

    Mandem fazer essas portas em qualquer serralheria e vidraçaria e a parte eletrônica e mecânica a engenharia e as oficinas do metro têm plena capacitação técnica e de pessoal para executar.

    Ou se houver alguma restrição comprem dos fornecedores internacionais ou sei lá da onde.

    O metrô fatura todo santo dia e ainda de forma antecipada quando carregamos nossos BU´s.

    Vamos trabalhar metro, coloquem logo as portas em todas estações.

    Metro, os tempos mudaram, se virem nos 29, pois nos 30 todo mundo se vira no Domingão do Faustão.

    MUDA BARSILei, RESSUSCITA SAMPA.

    Att,

    Paulo Gil

    1. Ivo disse:

      Paulo Gil, você realmente acredita no que escreve ou está fazendo troça com os assuntos e com todos aqui? Aqui mesmo no Diário do Transporte já apareceram várias e várias matérias sobre o assunto, não precisa fazer afirmações absurdas, é só pesquisar no site.

      O metrô contratou a empresa Bombardier para instalar as portas de plataforma, Por problemas técnicos, a instalação está muito atrasada e o metrô já multou a empresa em vários milhões de reais. A Bombardier, por contrato, é responsável pelas portas de plataforma, sinalização de trens e equipamentos elétricos. Como vê, não há como se romper o contrato sem esbarrar em dificuldades. E isso não é só em São Paulo. Em Paris, a empresa de metrô local e fornecedores alemães levaram treze meses para implantar as portas e testá-las em apenas uma estação.

      Quanto aos equipamentos, acha mesmo que um equipamento de milhões de dólares e dezenas de toneladas pode ser feito em um “serralheiro da esquina”? Acha mesmo que as portas são simples como portões de residência e que não precisam de plataformas de concreto reforçadas para sustentá-las? Os funcionários do metrô não tem recursos ou capacidade técnica para projetar a parte eletrônica, pois não é essa função deles nem da empresa. Se tudo fosse tão simples assim, teríamos milhares de empresas de serralheiros fabricando esse equipamento pelo mundo mas esse não é o caso, né?

Deixe uma resposta