IBGE aponta que gastos com transporte superam os de alimentação no orçamento familiar

Publicado em: 4 de outubro de 2019

Foto: Alexandre Pelegi

Com dados de 2018, pesquisa indica que gastos com alimentação comprometeram 17,5% do orçamento familiar, enquanto as despesas com transportes representaram 18,1%

ALEXANDRE PELEGI

As famílias estão gastando menos com alimentação do que com transporte. É o que mostram os dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados nesta sexta-feira, 04 de outubro de 2019.

Com dados de 2018, a POF indica que os gastos com alimentação comprometeram 17,5% do orçamento familiar, enquanto as despesas com transportes ocuparam 18,1%.

Apesar dos dados, o peso do transporte é mais alto para as famílias de alta renda, ao contrário da alimentação. Segundo a Pesquisa, enquanto em 2018 os mais pobres comprometeram 9,4% de suas despesas com transporte, este percentual foi bem mais alto (15,3%) no orçamento das famílias com renda mais alta.

O que fica claro pelos resultados, é que os gastos dos mais pobres estão concentrados em transporte público, ao passo que os mais ricos concentram suas despesas em transporte individual.

Pelo quadro da pesquisa, enquanto uma família de baixa renda (até R$ 1908) consumiu em média R$ 140 com despesas em transportes, uma família na faixa de R$ 14.310 a R$ 23.850 gastou R$ 2.294,00.

Pelo aspecto geográfico, o maior consumo das famílias com transportes foi nas regiões Centro-Oeste (21%) e Sul (20,6%), vindo a seguir as regiões Sudeste (17,5%), Norte (16,6%) e Nordeste (16,2%).

Os moradores da área rural do Brasil têm gasto maior com transportes que os da área urbana, 20% contra 17,9%.

Outra informação da pesquisa IBGE é que os gastos com habitação, alimentação e transporte abocanharam 72% da despesa de consumo médio das famílias brasileiras em 2018. Enquanto os mais pobres comprometeram em média 70,6% da renda familiar, os mais ricos tiveram percentual bem menor, de 45,5%.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta