De conceito à realidade: veículos elétricos mostram a que vieram em feira em São Paulo

Publicado em: 1 de outubro de 2019

Veículos de diferentes portes e aplicações marcam evento de mobilidade elétrica em São Paulo. Foto Adamo Bazani (Diário do Transporte)

Evento reúne modelos de diversos portes e aplicações. Ônibus da BYD é destaque para o transporte coletivo na feira

ADAMO BAZANI

Colaborou Alexandre Pelegi

O que se vê em um dos pavilhões do Transamerica Expo Center, na Zona Sul de São Paulo, e o que é visto nas ruas das principais cidades brasileiras são duas realidades bem distintas.

Enquanto que nas ruas o cenário ainda é de poluição e muito barulho, no Salão do Veículo Elétrico, que ocorre entre hoje, 1º de outubro de 2019 e quinta-feira, 03, o ar é de modernidade: desde patinetes e bicicletas, passando por carros até chegar aos ônibus, o ar é de modernidade, tecnologia e, acima de tudo, limpo.

Mas quais os obstáculos para o que está no evento não seja cena comum nas ruas?

Preço de aquisição (normalmente os elétricos e os híbridos são mais caros que os modelos à combustão), autonomia das baterias e ausência de pontos de recarga estão entre estes limitadores.

Em rápida conversa da reportagem com expositores, a garantia é de que este quadro está mudando no Brasil, mesmo que aos poucos.

Baterias mais duradouras, veículos mais baratos e mais infraestrutura estão entre os anseios.

A tecnologia está respondendo à altura, mas a grande lacuna tem sido a falta de incentivo governamental, diferente do que ocorre em outros países, onde o poder público já calculou as externalidades e viu que, além de desumana, a poluição nas cidades custa caro.

Uma das apostas é que ainda as grandes frotas, como os ônibus e caminhões, sejam as indutoras da mudança do perfil dos veículos brasileiros, mas o caminho ainda é longo.

Entretanto, a indústria aposta também nos chamados “pequenos”, com carros, motos e bicicletas elétricas.

No evento, o veículo de transporte coletivo de grande porte é o ônibus BYD D9, com carroceria Caio, que opera experimentalmente pela empresa Transwolff, na zona Sul da capital paulista.

abev_02abev_03abev_04abev_05abev_06abev_07abev_08abev_09abev_10abev_11abev_12abev_13

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Colaborou Alexandre Pelegi

Comentários

  1. Rodrigo Zika! disse:

    A ideia em si não e ruim, só que o Brasil tem um problema muito grave que não acontece na Europa por ex, aqui um cidadão comum paga um valor absurdo só pra ter um carro mesmo a gasolina ou flex, que nunca foi compatível com o salário do mais pobre, o custo Brasil faz um carro que e fabricado aqui ser exportado pro México e ainda sair mais barato pra eles, uma verdadeira aberração, mais que o brasileiro para porque quer status infelizmente, e os carros elétricos no Brasil os preços são estratosféricos, impossível se ter um, diferente da Europa e EUA que o preço e tão comum que ate um pedreiro consegue comprar, então mesmo que a frota de ônibus seja elétrica ou algum outro tipo de combustível não fóssil, os carros que são maioria em SP nas ruas continuarão poluindo, fora os caminhões que continuam poluindo também, então se não for feito um incentivo do governo e das empresas desde carros, ônibus e caminhões isso não mudará tanto quanto precisa, e fora ônibus não estou tão entusiasmado não, o lobby de carros a gasolina caros que ainda são 1.0 que e uma aberração só no Brasil vai continuar infelizmente.

  2. Paulo Gil disse:

    Amigos, bom dia.

    Bom, dessa feira ai só me interessa a vanzinha elétrica da BYD.

    E a BYD, quando essa vanzinha, (versão de passageiros é claro) vai começar a vender no Barsil.

    BYD já disse a vocês, essa vanzinha na versão de passageiros é o carro que o Barsil precisa.

    Vai por mim, vou deixar escrito aqui; amanhã minha teoria será comprovada.

    Acelera BYD,coloquem essa vanzinha a venda no Barsil, ou montem a fábrica em outro estado; porque Sampa tá desacelerado faz teeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeempo.

    Vão pra Goiás, garanto que lá a fábrica começa a rodar em tempo record.

    Precisamos dessa vanzinha elétrica na versão passageiros, com duas portas laterais de correr; uma em cada lado.

    BYD; gostaria que vocês dessem uma posição quanto essa vanzinha elétrica de passageiros.

    Assessoria de imprensa da BYD, se posicionem aqui no Diário.

    Lembrem-se o país está envelhecendo; precisamos dessa vanzinha.

    OU TEM UM MONTE DE JURÁSSICO ATRAPALHANDO, ATRASANDO E BLOQUEANDO O SINAL VERDE DESSA VANZINHA AI?

    IMPORTEM, FAÇAM QUALQUER NEGÓCIO, MAS TRAGAM ELA PARA O BARSIL.

    SERÁ UM NEGÓCIO DA CHINA.

    Afinal, as montadoras do Barsil estão deitadas em berço esplendido também.

    ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta