Tradicional fabricante de ônibus do Reino Unido entra em falência e demite 1300 trabalhadores na Irlanda do Norte

Publicado em: 28 de setembro de 2019

Novos modelos voltaram às ruas londrinas em 2012

Wrightbus, criada em 1946, ficou conhecida por trazer de volta às ruas de Londres o tradicional modelo Routemaster

ALEXANDRE PELEGI

A Wrightbus, tradicional empresa britânica fabricante de ônibus double decker (dois andares) anunciou falência nesta quarta-feira, 25 de setembro de 2019. Cerca de 1.300 funcionários foram despedidos, e apenas 50 empregos serão mantidos na empresa.

A empresa, com sede em Ballymena, na Irlanda do Norte, foi pioneira dos ônibus de piso baixo. Fundada em 1946 por Robert Wright, era administrada atualmente por seu filho William Wright.

Como último fabricante de ônibus de propriedade do Reino Unido, a Wrightbus vinha sofrendo problemas de fluxo de caixa, enquanto buscava alternativas de investimento ou um novo proprietário.

Após a falência, a Deloitte UK assumiu a administração da empresa, e informou que a falta de um comprador para a Wrightbus causou as demissões em massa.

A família Wright, que fundou a Wrightbus em 1946, disse que “as mudanças globais do diesel para o elétrico na tecnologia de ônibus causaram um declínio acentuado na demanda por ônibus no Reino Unido“.

Em um comunicado à imprensa, a família contou que transferiu a produção de suas instalações na Malásia para Ballymena numa tentativa de garantir empregos locais.

Esses fatores resultaram em perdas significativas na Wrightbus que nossa família cobre há mais de um ano“, afirma o comunicado.

Em uma entrevista coletiva nesta quarta-feira, 25, funcionários do sindicato pediram a intervenção imediata do governo britânico. Eles disseram que estavam tentando agendar reuniões com o primeiro-ministro Boris Johnson para dizer que ele deveria defender a indústria britânica.

Jackie Pollock, secretária regional da Unite, central sindical do Reino Unido, acrescentou que “o governo deve intervir para salvar empregos e competências“.

ROUTEMASTER: HOMENAGEM AO ENTÃO PREFEITO E HOJE PRIMEIRO MINISTRO

A empresa ficou conhecida por lançar o New Routemaster, apelidado de “Boris Bus”, em homenagem ao então prefeito de Londres, Boris Johnson. Boris, que dirigiu a capital do Reino Unido de maio de 2008 a maio de 2016, se apaixonou pelo tradicional Routemaster e encomendou 600 unidades do veículo. No final dos anos 2000 a Wrightbus começou a produzir uma versão atualizada do tradicional Routemaster, inspirada no design tradicional do veículo.

O New Routemaster, um híbrido diesel-elétrico de dois andares foi projetado pelo Heatherwick Studio, entrou em serviço em fevereiro de 2012.

Como relata o jornal inglês The Guardian, a empresa teve alguns sucessos recentes na venda de seus produtos, incluindo um pedido da Transport for London (TfL), em maio deste ano, para 20 novos ônibus movidos a hidrogênio. Cada veículo custa cerca de 500.000 libras cada (cerca de R$ 2,6 milhões) e só emite água como exaustão.

No entanto, o que agravou a situação da empresa foi a decisão do sucessor de Johnson como prefeito, Sadiq Khan, de cancelar novas compras do New Routemasters em 2016. Com o cancelamento, as finanças da empresa ficaram cada vez mais sob pressão à medida que o mercado de ônibus do Reino Unido desacelerava.

aec_routemaster.jpg

O Routemaster tradicional (foto acima) marcou a história do transporte coletivo de Londres, tornando-se um ícone cultural da capital inglesa.

Com dois andares e motor dianteiro, ele foi projetado pela London Transport e construído pela Associated Equipment Company (AEC) e pela Park Royal Vehicles.

O primeiro protótipo foi concluído em setembro de 1954 e o último entregue em 1968. O primeiro Routemaster a entrar em serviço foi em fevereiro de 1956 e o ​​último a rodar pelas ruas de Londres foi em dezembro de 2005.

BREXIT

boris_new.jpg

Da mesma forma que Boris Johnson como prefeito foi o grande incentivador da Wrightbus (foto acima), hoje ele é visto por muitos como uma ameaça para várias empresas britânicas.

Boris é o defensor radical do “Brexit duro”, movimento para desligar todos os laços do Reino Unido com a União Europeia mesmo que não haja qualquer acordo. Muitos temem que a medida trará graves problemas para a economia inglesa no curto prazo.

Curiosamente, em março de 2016 o fundador da Wrightbus, Sir William Wright, foi a primeira grande figura empresarial na Irlanda do Norte a expressar seu apoio incondicional ao Brexit. Em uma declaração ao jornal da cidade irlandesa sede da fábrica, Ballymena Guardian, ele afirmou: “Sou totalmente a favor de sair (da União Europeia)“.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Deixe uma resposta