Transunião paralisada no início da manhã na zona Leste de São Paulo

Publicado em: 16 de setembro de 2019

Funcionários se concentraram em frente à garagem. Foto: Redes Sociais

Trabalhadores reclamam de atrasos em benefícios

ADAMO BAZANI

Motoristas e demais trabalhadores da Garagem 2 da Transunião, que atende a parte da zona Leste de São Paulo, cruzaram os braços no início da manhã desta segunda-feira, 16 de setembro de 2019.

Os motivos, segundos os funcionários, são atrasos nos pagamentos de benefícios, como Vale-Refeição e em depósitos de horas extras e parte dos salários.

Entre as linhas atingidas estão:

3161

476G

476G/41

573A

574C

574R

575ª

O protesto na garagem na região da Mooca começou por volta das 3h30.

Em torno de 80 coletivos foram impedidos de sair para os serviços.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Comentários

  1. Claudio disse:

    Nesse tipo de situação se fosse os funcionários cobraria a passagem em 1 ou 2 ou 3 reais só em dinheiro dos passageiros em momento dos dias juntar essa grana até ser pago os atrasados dos todos motoristas , mecânicos, fiscais e outros nesse acordo só assim se adianta cedo com juros o pagamento improvisado dos empregados da transunião. Tem gente desde época da extinta viação imperial que assumiu a greve ,parou os ônibus e não recebeu os atrasados até hoje.

  2. Marco disse:

    Essa linha já faz 10 anos que está agindo desta maneira e a prefeitura não a exclui. Usuários sofrem com a qualidade dos ônibus, sujeira, atrasos. A preocupação da SPTrans é receber a parte dela e dane-se o usuário.
    Nem sempre a privatização resolve. Enquanto a mentalidade e a educação não mudar, teremos esses lixos!!!!

  3. Alfredo disse:

    Se houvesse a CMTC, bastava intervir, tomava as linhas e os ônibus e pagava todo mundo, como fez Janio Quadros, que interviu na Viação Brasília, mas esse prefeito fraco, que não tira sequer a multidão de ambulântes que ocupam o Terminal Santo Amaro, não se importa em resolver essas questões, e quem paga o pato é os trabalhadores e a população.

Deixe uma resposta