Achados e Perdidos da CPTM contabiliza 37 mil documentos esquecidos

Publicado em: 8 de setembro de 2019
CPTM

Linha 9-Esmeralda é campeã de itens esquecidos. Foto: Divulgação.

Levantamento considera período de janeiro a julho de 2019

JESSICA MARQUES

A seção de Achados e Perdidos da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) contabilizou cerca de 37 mil documentos esquecidos de janeiro a julho de 2019.

Os documentos pessoais figuram entre os itens que os passageiros mais perdem. Nos primeiros sete meses desse ano, dos 52.425 objetos recebidos na central, 36.956 eram documentos de passageiros.

A Linha 9-Esmeralda foi a campeã com 9.983 documentos esquecidos. A vice-liderança é ocupada pela Linha 8-Diamante com 7.461 documentos. Na sequência vem as linhas 12-Safira com 6.163 documentos, 11-Coral com 5.169, 10-Turquesa com 3.836, 7-Rubi com 3.669 e a jovem 13-Jade com 675 documentos.

Segundo a CPTM, todos os itens que chegam à central de Achados e Perdidos passam por uma triagem, onde são separados objetos, valores e documentos que possam indicar alguma forma de contato com o proprietário, seja por telefone, carta ou e-mail. Após isso, eles são cadastrados e guardados.

As estações onde os passageiros mais perderam documentos, nos primeiros sete meses deste ano, foram: Palmeiras-Barra Funda, Brás, Luz, Guaianases, Osasco, Tatuapé e Santo André.

Os objetos de passageiros são esquecidos no sistema com menos frequência. Nos sete primeiros meses, a CPTM somou 15.469 itens.

“Entretanto, o trabalho é muito mais difícil. A tarefa investigativa envolve cruzamento de informações, por meio de sites e bancos de dados diversos, visando à identificação de um possível contato do proprietário. A equipe que trabalha na Central realiza uma pesquisa minuciosa a partir de indícios nem sempre evidentes”, informou a Companhia, em nota.

“O cruzamento de dados com sites de pesquisa, redes sociais, cadastro de usuário da CPTM e outros sistemas de transporte são algumas das etapas do processo de busca da identificação. Consultas ao Diário Oficial, contato com organizações, instituições e pessoas que podem servir de intermediários também fazem parte desse processo de rastreamento”, completou.

Após 60 dias, segundo a CPTM, os objetos que não foram retirados por seus donos são encaminhados para o Fundo Social de Solidariedade de São Paulo (FUSSESP). Os documentos pessoais, como RG, são devolvidos aos órgãos expedidores. Por sua vez, os cartões bancários são destruídos.

RANKING

Confira o ranking de objetos e documentos esquecidos no sistema: 

Ranking de Itens recebidos / Linhas de 01/01/2019 a 31/07/2019

Classificação

2019

Objetos

Documentos

TOTAL

1º. Lugar

Linha 9-Esmeralda

4.167

9.983

14.150

2º. Lugar

Linha 8-Diamante

2.422

7.461

9.883

3º. Lugar

Linha 12-Safira

3.144

6.163

9.307

4º. Lugar

Linha 11-Coral

2.855

5.169

8.024

5º. Lugar

Linha 10-Turquesa

1.228

3.836

5.064

6º. Lugar

Linha 7-Rubi

1.071

3.669

4.740

7º. Lugar

Linha 13-Jade

582

675

1.257

 Total

15.469

36.956

52.425

Ranking de Itens recebidos / Estações de 01/01/2019 a 31/07/2019

Classificação

Nome da Estação

Objetos

Documentos

TOTAL

1º. Lugar

Palmeiras-Barra Funda

1.123

2.822

3.945

2º. Lugar

Brás

1.290

2.480

3.770

3º. Lugar

Luz

1.376

2.182

3.558

4º. Lugar

Guaianases

1.275

1.540

2.815

5º. Lugar

Osasco

272

1.188

1.460

6º. Lugar

Tatuapé

431

784

1.215

7º. Lugar

Santo André

184

902

1.086

 Total

 

5.951

11.898

17.849

CONTATO

A Central de Achados e Perdidos da CPTM fica na Estação Palmeiras-Barra Funda e funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, exceto feriados. O contato também pode ser feito pelo telefone 0800-055-0121. Assim o passageiro pode ligar e registrar a perda. Se os documentos ou objetos forem encontrados, a CPTM contatará o passageiro.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Comentários

  1. Hoje nas cidades grandes, a aglomeração de pessoas contribui muito para saques, furtos de larápios, “larápias”, já que muitas delas agindo principalmente no Brás, onde mulheres sacoleiras são mais constantes, preocupadas com olhar preços, escolhas, acabam esquecendo à sua volta. Homens não ficam de fora, aposentados, pro exemplo, idosos que são, quando furtados não tem força pra correr atrás dos meliantes, jovens que, covardemente ainda batem na vítima. Daí eles descartarem carteiras com documentos, em lixeiras, bancos, estações,,,,

  2. Paulo Gil disse:

    Amigos, boa noite.

    Impressionante o tempo que a CPTM gastou para fazer esse relatório.

    CPTM demonstre que vocês trabalhem de outra forma, liberando o funcionamento normal dos trens aos finais de semana, por exemplo.

    De dados, siglas, estatísticas e contingências o cidadão já está “porrrrrrrrrrrrrrr aquiiiiiiiiiiii”.

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta