CPTM relança licitação para supervisão de obras de reconstrução da Estação Francisco Morato

Foto: ilustrativa

Entrega de propostas está marcada para 13 de novembro. Edital tinha sido suspenso pelo TCE

ADAMO BAZANI

A CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos relançou a licitação para a supervisão das obras de reconstrução da estação Francisco Morato, incluindo a troca de trilhos (via permanente).

A licitação engloba também a supervisão de obras de acessibilidade nas Estações Lapa, Piqueri, Pirituba, Vila Clarice, Botujuru e Campo Limpo Paulista.

A data de entrega de propostas está marcada para 13 de novembro e o edita será disponibilizado no site da companhia a partir desta sexta-feira, 06 de setembro de 2019.

A licitação estava barrada pelo TCE – Tribunal de Contas do Estado de São Paulo desde o ano passado após duas representações reclamando de “tratamento desigual dos licitantes”, “exigência de qualificação técnica em desacordo com a legislação” e “subjetividade dos critérios” para o “julgamento das propostas”.

Na ocasião os contratos estavam avaliados em R$ 22,7 milhões.

O edital chegou a ser republicado, com alterações, no dia 15 de agosto de 2018, mas desde então constava no site da CPTM como “adiado sem data“.

HISTÓRICO

(Alexandre Pelegi)

No dia 16 de novembro de 2017 o governador Geraldo Alckmin assinou o contrato para a construção da futura estação da Linha 7-Rubi no município de Francisco Morato.  A Linha 7-Rubi é a mais extensa da CPTM.

O consórcio Spavias-Telar foi  vencedor da licitação das obras. O consórcio, que será o responsável pela operacionalização da linha, prometeu entregar as obras em até 36 meses.

O investimento total para a obra é de R$ 114 milhões. A nova estação terá 6 mil m² de área construída, com três plataformas de embarque e desembarque, cinco escadas rolantes, três elevadores e todos os itens de acessibilidade para pessoas com deficiência e dificuldade de mobilidade, idosos e gestantes.

Em março deste ano as obras da estação foram suspensas temporariamente, supostamente por falta de recursos.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta