Passageiros podem pagar tarifa de Metrô e CPTM com QR Code a partir desta terça, 03

Publicado em: 3 de setembro de 2019
Passageiros podem pagar tarifa de Metrô e CPTM com QR Code a partir desta terça, 03

Projeto piloto dura 45 dias em sete estações da CPTM e do Metrô.  Código será gerado pelo Aplicativo VouD, da Autopass 

ADAMO BAZANI

A Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos  – STM iniciou nesta terça-feira, 03 de agosto de 2019, um projeto piloto de pagamento de tarifas na CPTM e no Metrô por meio de QR COde – Código Bidimensional

Segundo a pasta, trata-se de um projeto piloto com duração de 45 dias em sete estações da CPTM e do Metrô.

A secretaria diz que o teste é feito em parceria com o Consórcio Metropolitano de Transportes (CMT) e não tem custo para o Governo do Estado.

“Na CPTM, haverá leitores de QR Code em catracas das estações Autódromo (Linha 9-Esmeralda), Tamanduateí (Linha 10-Turquesa), Dom Bosco (Linha 11-Coral) e Aeroporto-Guarulhos (Linha 13-Jade). No Metrô, o teste estará disponível nas estações São Judas (Linha 1-Azul), Paraíso (linha 1-Azul e 2-Verde) e Pedro II (Linha 3-Vermelha). São dois bloqueios por cada estação com o validador.” – diz nota da STM.

Segundo o comunicado, serão vendidos bilhetes unitários com validade de uma semana e para uso apenas no Metrô e na CPTM (não valerá para integração com outros modais). A compra pode ser feita com cartão de crédito pelo celular, por meio do aplicativo VouD, que pode ser baixado em lojas virtuais de Android e iOS. Depois, é só abrir o QR Code na tela do celular e passar nos bloqueios com validador nas estações que participam do projeto-piloto.

Também é possível fazer a compra do código com cartão de débito nas máquinas de autoatendimento disponíveis nas estações mencionadas. Após adquirir o QR Code, basta passar o código impresso nos bloqueios com leitores instalados.

Os QR Codes podem ser adquiridos ainda nas bilheterias das estações que participam do teste com pagamento em dinheiro. Nos primeiros 15 dias as vendas ocorrerão das 9h às 16h e posteriormente durante todo o horário de operação. Com o código em mãos, basta passar o bilhete impresso nos bloqueios específicos em uma das sete estações citadas.

Os bilhetes com QR Code serão válidos até 18 de outubro, durante o período de testes da tecnologia, mas a recomendação é que sejam utilizados preferencialmente em 72 horas após a compra para evitar que a impressão do código sofra danos.

A ideia da STM é que o número de pagamento com QR Code, futuramente, substitua a a maior parte dos pagamentos com o bilhete magnético unitário, o chamado Edmonson. Na CPTM, em média, 25% dos passageiros pagantes utilizam esse tipo de bilhete. No Metrô, o percentual é de 15%.

Na nota, o Secretário dos Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, diz que novas formas de pagamento podem deixar as viagens mais cômodas e reduzir custos operacionais.

“Inovações tecnológicas são imprescindíveis hoje para termos mais eficiência na gestão pública e melhores soluções de mobilidade. A tecnologia pode e deve ser nossa aliada para racionalizar custos, tornar o sistema de pagamento mais seguro e oferecer mais qualidade e agilidade aos passageiros”

Adamo Bazanii, jornalista especializado em transportes

Comentários

  1. Rodrigo Zika! disse:

    E isso que precisa acontecer, modernizar, falta o Metrô caso ainda não tenha e SPTrans, chega de ser jurássico.

  2. Paulo Gil disse:

    Amigos, boa noite.

    Que os anjos digam amém e esse QR CODE desencante.

    Pelo menos teremos certeza de que compraremos 20 ticktes e faremos 20 viagens.

    Coisa que no BU eu tenho minhas dúvidas, afinal sem ter acesso a extrato do cartão nem Marciano consegue provar.

    O bilhete múltiplo de 10 do metro era muito interessante, outro dia fui comprar e a atendente disse que não existe mais.

    NO BARSIL TUDO QUE O CONTRIBUINTE CONTROLA FÁCIL ACABA.

    POR QUE SERÁ NÉ?????

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta