Prefeito de Belo Horizonte determina a contratação imediata de 500 cobradores de ônibus

Publicado em: 27 de agosto de 2019

As empresas entendem que a possibilidade de não ter cobrador deve envolver todo o sistema Move. Foto: Divulgação.

Alexandre Kalil informou que determinou a representantes de empresas que não deve haver desvio de função

JESSICA MARQUES

Colaborou Adamo Bazani

O prefeito de Belo Horizonte, em Minas Gerais, Alexandre Kalil, determinou às viações a contratação imediata de 500 cobradores de ônibus.

De acordo com o comunicado, todos os cobradores devem ser contratados até o final de setembro, sem desvio de função e de forma definitiva.

A exigência foi feita durante uma reunião realizada entre membros do poder público, incluindo a BHTrans, gerenciadora dos transportes locais. e com representantes de empresas de ônibus.

Outra determinação é que aas listas dos contratados sejam enviadas semanalmente para acompanhamento e fiscalização da Comissão de Transporte da Câmara Municipal e da BHTrans.

De acordo com o mais recente dado da gerenciadora pública da cidade, a BHTrans, no primeiro semestre de 2019 foram aplicadas 5.098 multas às empresas de ônibus por circularem sem cobradores mesmo tendo de manter estes profissionais. Em todo o ano de 2018, foram 3.473 multas.

Uma lei municipal obriga a presença de agentes de bordo de segunda a sábado das 06h00 às 20h30. No horário noturno, domingos e feriados, os ônibus podem circular apenas com o motorista.

Também estão dispensados da presença dos agentes de bordo os ônibus executivos, de City Tour, os micro-ônibus e os do BRT.

Conforme já noticiado pelo Diário do Transporte, é justamente  na questão do BRT que as empresas de ônibus querem encontrar uma brecha para se livrarem das multas e da obrigatoriedade de manter os cobradores.

As empresas entendem que a possibilidade de não ter cobrador deve envolver todo o sistema Move, não apenas os ônibus que trafegam nos corredores, mas também os que operam em linhas alimentadoras que servem os terminais do sistema.

Com esse entendimento das empresas, não só as atuais 25 linhas dos corredores estariam dispensadas de cobradores como também as 72 linhas alimentadoras, passando para 97 linhas sem a necessidade dos profissionais.

Veja a nota oficial da prefeitura na íntegra:

Em reunião convocada na terça-feira, dia 27 de agosto, na sede da Prefeitura, o prefeito Alexandre Kalil determinou aos representantes das empresas de ônibus a contratação imediata de 500 cobradores, sem desvio de função e de maneira definitiva. Todos os cobradores terão que ser contratados até o final de setembro. Foi acordado ainda que as listas dos contratados sejam enviadas semanalmente para acompanhamento e fiscalização da Comissão de Transporte da Câmara Municipal e da BHTrans.

Além do prefeito, participaram da reunião o secretário municipal de Fazenda, Fuad Noman, o secretário municipal de Obras e Infraestrutura, Josué Valadão, o diretor-presidente da BHTrans, Célio Bouzada, o diretor de Transporte Público, Daniel Couto, os representantes do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (Setra/BH): Joel Pasqualin, Robson Lessa, Renaldo Moura e Márcio Massaud.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Comentários

  1. Paulo Gil disse:

    Amigos, boa noite.

    Isto que é involução.

    Só falta a PMBH recomeçar a utilizar máquinas de escrever.

    QR Code e deixa o buzão rodar em paz e com agilidade.

    Barsillllllllllllllllllllllllllllllll

    Att,

    Paulo Gil

  2. Alfredo disse:

    Parabéns ao prefeito de Belo Horizonte, diminuindo o desemprego e impedindo a exploração, o governo de São Paulo e a prefeitura paulistana deveriam fazer o mesmo, as linhas intermunicipais e as antigas lotações acabaram com a função e nem um centavo da economia com a mão de obra foi dada aos motoristas/cobradores, explorando o profissional que deveria ter sua atenção apenas para conduzir, alo prefeitos do ABCD, isto serve para Vocês também

  3. Renato Vieira dos Santos disse:

    E quando vier o aumento de passagem vai ser aquela ladainha de sempre. Se querem cobradores nos onibus que pagem por isso.

  4. Rodrigo Zika! disse:

    E voltamos ao período jurássico…

  5. DENIS BALZANA AZEVEDO disse:

    Acredito que precisamos estar atentos em relação ao apoio à operação, pois, os cobradores, além da cobrança da tarifa (no caso de passageiros pagantes em dinheiro, a tarefa tem acentuada importância para a fulidez das viagens), também ajudam nas manobras, auxiliam os condutores nos embarques e desembarques dos usuários (orientando o fechamento das portas), prestam informações aos passageiros (para os condutores essa tarefa é dificil e até mesmo incompatível com a direção do veículo), operam os elevadores destinados às pessoas com restrição de locomoção. Neste caso, na ausência de cobradores, imaginem, os condutores teriam que sair do assento, deixar o volante exposto a qualquer um e ir operar os elevadores – será que isso representa algum risco? Detalhe: tem alguns, ou melhor, a maioria dos elevadores somente funcionam com os veículos ligados.

    Acredito que com a ajuda da tecnologia, todos os pontos acima podem ser contornados, porém, precisamos considera-los com bastante atenção antes de tomar uma decisão.

    1. Rodrigo Zika! disse:

      Europa, EUA e ate países vizinhos não possuem mais cobradores há tempos, o que precisa são tecnologias pra formas variadas de pagamento de passagem e cobram de NU, além de eliminar pagamento com dinheiro dentro do coletivo, algo simples que parece que os políticos possuem dificuldade de fazer, por mais absurdo que pareça.

Deixe uma resposta