Em meio à polêmica sobre cobradores, consórcio de viações de Belo Horizonte lança recarga de passagens por celular com uso de cartão de crédito

Viações querem que alimentares dos troncais do Move BH circulem também sem cobradores. Foto: Eloísio Saraiva Silva Júnior/Clique para ampliar

Com pagamento pela ferramenta, passageiros poderão fazer uso dos créditos comprados em duas horas. Companhias de ônibus querem que suba de 25 para 97 o total de linhas sem os cobradores

ADAMO BAZANI

Enquanto a situação da manutenção de cobradores de ônibus não é definida em Belo Horizonte, o Consórcio Transfácil, que reúne as viações responsáveis pela operação na capital mineira apesentou nesta sexta-feira, 23 de agosto de 2019, um aplicativo de celulares e tablets reformulado, chamado BHBUS+.

O usuário agora pode comprar viagens usando o cartão de crédito. As passagens estarão disponíveis duas horas depois da confirmação do pagamento.

Pela antiga plataforma tecnológica, só era possível pagar por meio de boleto bancário e os créditos de passagens só eram disponibilizados depois de 72 horas do pagamento.

A modalidade de boleto bancário continua, mas para compras superiores a R$ 67,50.

Outra função apresentada como nova em relação ao aplicativo anterior, é que será possível traçar rotas, verificando os caminhos mais rápidos e com menor custo, usando o transporte coletivo.

Previsão de passagem dos ônibus pelos pontos e informações de horários e linhas também são outras funções do aplicativo.

As viações dizem que gastaram R$ 500 mil para o desenvolvimento da nova ferramenta, que já pode ser baixada gratuitamente em lojas virtuais para celulares com os sistemas Android e iOS.

A criação de códigos bidimensionais do tipo QR Code, que podem substituir os cartões físicos, deve ser o próximo passo do aplicativo.

A retirada de cobradores de ônibus pelas empresas de ônibus de Belo Horizonte tem sido polêmica.

De acordo com o mais recente dado da gerenciadora pública da cidade, a BHTrans, no primeiro semestre de 2019 foram aplicadas 5.098 multas às empresas de ônibus por circularem sem cobradores mesmo tendo de manter estes profissionais. Em todo o ano de 2018, foram 3.473 multas.

Uma lei municipal obriga a presença de agentes de bordo de segunda a sábado das 20h30 às 05h59. No horário noturno, domingos e feriados, os ônibus podem circular apenas com o motorista.

Também estão dispensados da presença dos agentes de bordo os ônibus executivos, de City Tour, os micro-ônibus e os do BRT.

E é justamente na questão do BRT que as empresas de ônibus querem encontrar uma brecha para se livrarem das multas e da obrigatoriedade de manter os cobradores. As viações entendem que a possibilidade de não ter cobrador deve envolver todo o sistema Move, não apenas os ônibus que trafegam nos corredores, mas também os de linhas alimentadoras que servem os terminais do sistema.

Com esse entendimento das empresas, não só as atuais 25 linhas dos corredores estariam dispensadas de cobradores como também as 72 linhas alimentadoras, passando para 97 linhas sem a necessidade dos profissionais.

Na apresentação do aplicativo, as viações negaram que as novas funcionalidades de comprar de crédito de passagens tenham relação direta com a discussão sobre a redução do número de cobradores.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta