Buenos Aires recebe novo ônibus a gás da Agrale

Publicado em: 23 de agosto de 2019

Agrale MT 17.0 LE, único ônibus a gás que opera em Buenos Aires, segundo a Agrale. Foto: Divulgação.

Veículo possui motor traseiro, piso baixo, suspensão pneumática e ar-condicionado

JESSICA MARQUES

A Agrale, fabricante nacional de caminhões e chassis de ônibus com fábrica na Argentina, informou em nota que Buenos Aires recebeu recentemente um novo ônibus a gás da marca.

Começou a circular na capital da Argentina o Agrale MT 17.0 LE, único ônibus a gás a operar naquela capital atendendo os padrões estabelecidos pelo Plano de Mobilidade Limpa da Secretará de Transportes da cidade de Buenos Aires, segundo a fabricante.

“O veículo possui características avançadas como motor traseiro a gás GNV, piso baixo (Low Entry), câmbio automático, suspensão pneumática e ar condicionado, que proporcionam um alto grau de conforto e segurança”, informou a Agrale, em nota.

Além disso, a fabricante informou ainda que o veículo já atende o futuro padrão de emissões Euro VI e apresenta uma sensível economia no consumo de combustível.

O ônibus Agrale a gás ainda permite o uso do gás biometano, produzido a partir de resíduos orgânicos, gerados diariamente em grande quantidade em centros urbanos e na criação de animais.

A Agrale atua com a motorização a gás em ônibus desde 2003. Confira os veículos já produzidos:

Linha do Tempo GNV Agrale.jpg

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Comentários

  1. Rodrigo Zika! disse:

    Que interessante hein gostei, enquanto o Brasil zzzzzzzzzzz.

  2. Paulo Gil disse:

    Amigos, boa noite.

    Por um lado orgulho.

    Mas pelo outro vergonha.

    Que país é esse?

    É o país que se preocupa com quem botou fogo no mato, só depois que já consumiu a mata ou com disse que disse.

    Enquanto isso vamos engolindo fumaça.

    Mas depois que aprendi aqui o Princípio do Poluidor Pagador, nada mais nos resta.

    Quem sabe na próxima explosão do planeta, não haverá o Princípio do Não Poluidor Recebedor.

    Att,

    Paulo Gil

Deixe uma resposta