Tecnologia auxilia na melhoria de vida do fiscal de ônibus

Publicado em: 22 de agosto de 2019

Aplicativo facilita a comunicação dentro das operadoras de transporte coletivo, focando em benefícios para ajudar diariamente o trabalho dos fiscais

Um dos principais problemas enfrentados hoje pelas empresas que operam os sistemas de transporte coletivo é a comunicação entre os fiscais de linha e a garagem. A lentidão na entrega e no recebimento de documentos físicos dificulta a operação que necessita de informações para tomada de decisões em tempo real, seja para identificar um ônibus quebrado ou atraso do veículo.

Pensando em como otimizar o processo, a Cittati desenvolveu o CittaSuper, aplicativo para a comunicação das empresas com os fiscais e supervisores de linha. Através do celular ou tablet é possível enviar informações em tempo real sobre avarias, sinistros e outras ocorrências diretamente ao CCO.

Uma das empresas a adotar o aplicativo foi a Viação Atalaia, empresa de ônibus localizada em Aracaju, Sergipe. Com o objetivo de reduzir o tempo e a parte burocrática que existia no meio das comunicações, a empresa teve também uma redução de repasses, que agora são feitos pelos despachantes. “Isso acabou dando uma folga para o pessoal fazer um melhor acompanhamento do GPS”, explica Leonardo Ferreira, Coordenador do CCO.

Um dos diferenciais do aplicativo é o envio de comunicados direto para fiscais e supervisores. Processo muito mais rápido, que digitaliza as atividades e deixa todas as informações registradas no dispositivo.

Benefícios que a tecnologia pode oferecer

  • Redução das atividades operacionais do CCO;
  • Comunicação mais fácil e eficiente entre fiscais, CCO, supervisores e gerência;
  • Redução do número de fiscais na operação da linha;
  • Melhoria nos processos operacionais;
  • Redução de arquivo físico;
  • Redução de custo.

Além das novas melhorias, o CittaSuper foi uma ferramenta primordial na vistoria de catracas. “Até então a gente não tinha uma ferramenta que mostrasse a demanda que estava sendo transportada diariamente e a cada viagem. Hoje o fiscal fazendo esse lançamento, conseguimos ter uma quantidade específica por viagem e por linha”, conta Henrique Souza, Coordenador de Operações.

Comentários

  1. Paulo Gil disse:

    Amigos, bom dia.

    Hoje vivemos a síndrome dos dados.

    Há mais de meio século os fiscais preenchem suas planilhas na Bic (a caneta do Presidente).

    Claro que via on line os dados circulam mais rápido; mas o problema não está no levantamento dos dados; seja na Bic ou on line.

    O problema maior é que ninguém usa os dados na solução dos problemas e na operação do dia a dia.

    Hoje para informar sobre um buzão quebrado, já existe o zap zap, em Sampa tem a rádio trânsito, tem o 156 (mas este não funciona), então várias formas de comunicação existem.

    O que falta é a FAZEDORIA, mandar o furgão da manutenção em tempo real, seja um buzão manutenção, carro oficina, uma Sprinter, ou uma Saveiro,

    Então ai está o problema.

    A informação chega na garagem ou nos CCO´s rapidamente, mas dai pra frente é que a coisa não roda.

    Simplesmente porque não temos a FAZEDORIA.

    O mesmo ocorrer com a operação do buzão no Barsil; todo mundo sabe que não funciona e onde está o problema; mas a operação continua a mesma de meio século atras.

    Att,

    Paullo Gil

Deixe uma resposta