Contagem anuncia concorrência para implantação de dois terminais de ônibus

Projeção de como será um dos terminais em Contagem. Imagem – prefeitura. Clique para ampliar

“Sede” e “Darcy Ribeiro” fazem parte do Corredor Norte-Sul. Entrega de propostas será no dia 07 de outubro

ADAMO BAZANI

A prefeitura de Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, anunciou a abertura de licitação para implantação das obras de edificações dos terminais “Sede” e “Darcy Ribeiro”.

Ambos os terminais fazem parte do corredor de transporte coletivo Norte-Sul e estão inseridos no SIM – Sistema Integrado de Mobilidade do município de Contagem.

A entrega de propostas está marcada para 07 de outubro de 2019 e o principal critério para classificar o vencedor é o menor preço.

O edital já está no site da prefeitura.

A licitação é de responsabilidade da TransCon – Autarquia Municipal de Trânsito e Transporte de Contagem.

Na justificativa da licitação, a prefeitura diz que os terminais serão pontos de integração para os passageiros de todas as regiões da cidade e também darão acesso para outros municípios da Grande BH.

“O projeto de Implantação dos Terminais Sede e Darcy Ribeiro consiste na construção de toda a edificação do dispositivo responsável por realizar a integração dos usuários do transporte público em duas das mais importantes e populosas regionais do município de Contagem. Esta melhoria além de aprimorar a mobilidade urbana, irá promover maior integração entre as regiões do Município, beneficiando não só os moradores de Contagem/MG, mas também a Região Metropolitana de Belo Horizonte.”

Na introdução dos editais, a prefeitura relata ainda que a frota de veículos cresceu 83% entre 2007 e 2016, sendo necessários investimentos em transporte coletivo mais ágil, como os corredores de ônibus, para incentivar que as pessoas deixem o carro em casa.

“No Município de Contagem também foi observado um aumento significativo da frota, de acordo com os dados do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) de 2017, ao analisar a evolução de 2007 á 2016 percebe-se que a frota do Município cresceu 83%. Porém várias são as externalidades negativas, dos quais podem ser citados, sobretudo o aumento dos congestionamentos, redução das velocidades, aumento dos tempos de viagem, questões ambientais, pois o excesso de veículos nas ruas gera mais poluição, interferindo em problemas naturais e climáticos em larga escala e com consequente redução da qualidade de vida dos cidadãos.”

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta