Greve de ônibus na Grande Vitória continua, mas com frota maior nas ruas

Publicado em: 13 de agosto de 2019

TRT/ES, MPT/SP e representantes de empresas de ônibus e trabalhadores em audiência de conciliação. Foto: Divulgação TRT. Clique para Ampliar

Tribunal Regional do Trabalho fez propostas que serão discutidas em assembleia na tarde desta terça-feira. Movimento é contra a retirada de cobradores

ADAMO BAZANI

A greve de ônibus do sistema Transcol, na Grande Vitória, continua na manhã desta terça-feira, 13 de agosto de 2019, mas a frota nas ruas é maior.

Os trabalhadores protestam contra a inclusão de ônibus sem cobradores nas linhas troncais e a extinção gradativa da função.

Nesta segunda-feira, poucos ônibus circularam. A juíza Sayonara Couto Bittencourt, da 4ª Vara da Fazenda Pública de Vitória, ampliou o valor da multa ao Sindirodoviários, de R$ 100 mil por dia para R$ 200 mil em caso de descumprimento do percentual mínimo de 75% de ônibus em operação estipulado no último sábado, 10.  A greve teve início na segunda-feira, 12.

Na noite de ontem, uma audiência no Tribunal Regional do Trabalho tentou dar um encaminhamento para o final da greve.

Em nota, a assessoria de imprensa do tribunal informou que a desembargadora Ana Paula Tauceda Branco apresentou uma proposta, elaborada em conjunto pelo TRT-ES e MPT-ES, para que o sistema de bilhetagem eletrônica seja implantando observando um projeto piloto, contemplando os seguintes itens:

  1. Os cobradores atuarão durante 90 dias como orientadores, para auxiliar o cidadão que tenha dúvidas, bem como assistir deficientes físicos, idosos, gestantes e crianças;
  2. Serão oportunizados, no mínimo, três cursos de qualificação para o aproveitamento dos cobradores, a fim de que possam ser efetivamente requalificados dentro das atividades do próprio sistema;
  3. O sistema de bilhetagem eletrônica terá acompanhamento de uma comissão tripartite, formada por representantes do Governo do Estado, dos rodoviários e dos empregadores, que deverão se reunir mensalmente para a necessária avaliação e aperfeiçoamento do próprio sistema;
  4. Reconhecimento do direito à garantia provisória no emprego de quatro anos;
  5. As partes analisarão a conveniência de adoção de programa de dispensa voluntária para os cobradores interessados em não aderir à nova realidade.

Nesta tarde, o Sindicato vai realizar uma assembleia para debater as propostas. Uma nova audiência de conciliação será realizada às 17h, no Plenário do TRT-ES.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Comentários

  1. Alfredo disse:

    Mais desemprego, mais evasão de receita, mais atritos entre o motorista e passageiro, mesmo salário pro operador do ônibus e mais lucro para os empresários, esta é a receita da tal modernidade nos transportes

Deixe uma resposta