Prefeito de Manaus promete medidas duras contra empresas de transporte coletivo

Publicado em: 2 de agosto de 2019

Foto – Mário Oliveira / Semcom

Na posse do novo diretor-presidente do IMMU, Arthur Virgílio disse não acreditar que os empresários estão operando com prejuízo na cidade

ALEXANDRE PELEGI

O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, garantiu que o pagamento em dia do salário dos trabalhadores do sistema de transporte coletivo está entre as prioridades no processo de intervenção das empresas de ônibus da cidade.

A declaração foi feita na tarde desta quinta-feira, 01 de agosto de 2019, na solenidade de posse do novo diretor-presidente do Instituto Municipal de Mobilidade Urbana (IMMU), o engenheiro Manoel Paiva.

Segundo comunicado da prefeitura da capital amazonense, o prefeito destacou ainda que os primeiros dias de intervenção no transporte já lhe forneceram valiosas informações sobre o funcionamento do sistema. Arthur Virgílio prometeu que “medidas duras, por meio de atos e decretos, serão apresentadas em breve para que o transporte coletivo possa de fato funcionar por meio de sua arrecadação”.

As medidas destacadas pelo prefeito seguem as ações de controle anunciadas no último dia 22 de julho, quando foi decretada a intervenção no sistema financeiro das empresas de transporte coletivo da capital pelo prazo de 90 dias, podendo ser prorrogada pelo mesmo período. Relembre: Prefeitura de Manaus anuncia intervenção financeira nas empresas de ônibus por 90 dias

Ao decretar a intervenção financeira do sistema, o prefeito prometeu fazer “uma devassa nas empresas de transporte para saber a real situação financeira”.

Na solenidade desta quinta-feira, 01, Arthur Virgílio reforçou que será necessário endurecer a ação interventora, retirando cada vez mais o poder dos empresários em relação ao financeiro do sistema.

Vamos lançar um arsenal de medidas jurídicas para tomarmos conta de todas as informações desse sistema. Inclusive, entendo que os empresários não devem ter direito à retirada nenhuma de dinheiro. Porque se não pagam seus trabalhadores, precisam ter a dignidade de não pagar a eles próprios. Isso é fundamental e é uma questão de dignidade. Não podem meter a mão no dinheiro se vocês sabem que está havendo fome na casa do seu empregado”, garantiu o prefeito.

Arthur Virgílio ressaltou ainda que é preciso dar fim às constantes ameaças de greve, originadas por atrasos e falta de pagamentos dos rodoviários, por parte dos empresários do transporte: “a conta não bate, e se as empresas estão operando, é porque têm lucro”, disse. Para o prefeito, não é possível acreditar na alegação dos empresários de que estão operando com prejuízo na cidade.

O novo diretor-presidente do IMMU, o engenheiro Manoel Paiva, garantiu que o compromisso é buscar reerguer o sistema de transporte público, tendo a valorização do usuário como foco.

Nós temos que ser o gerenciamento do sistema do transporte e trânsito. A intervenção mostra que o sistema está doente e, por isso, precisa ser tratado. Então, estamos fazendo um diagnóstico e vamos trabalhar a engenharia de trânsito e transporte, juntamente com o planejamento urbano.  Vamos trabalhar com a prioridade no usuário. Temos que trabalhar para melhorar a mobilidade das pessoas”, disse Paiva.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Comentários

  1. a doença do empresário BJS, estaá la na norte….se dizem que ele também possui empresas por lá. É fato até, ja que aqui no ABC, Santo André, já constatei veiculos vindos de lá, em suas linhas

Deixe uma resposta