ENTREVISTA: Após cinco anos de operação e com 370 mil passageiros por dia, Metrô da Bahia deve dobrar demanda com expansão e mais integrações

Publicado em: 5 de julho de 2019

Composições possuem quatro carros (vagões), mas estações são dimensionadas para seis carros. Foto: CCR Metrô Bahia

De acordo com o gestor de atendimento e operação da CCR Metrô Bahia, Leonardo Balbino, previsão é de que total de pessoas transportadas por dia possa a chegar a cerca de 700 mil diariamente

ADAMO BAZANI

Conceito de rede de transportes: O que praticamente é um mantra entre especialistas em mobilidade e urbanistas, ainda não é tão comum em grandes e médias cidades brasileiras, muitas das quais, onde trilhos e ônibus até chegam a competir.

A história do crescimento da demanda do Metrô de Salvador e Lauro de Freitas, que completou cinco anos de operação em junho, mostra que quando as redes de trilhos passam a ter uma abrangência maior e quando ônibus e ferrovia se conversam melhor, os deslocamentos no transporte público começam a atender às necessidades das pessoas.

Na tarde desta sexta-feira, 05 de julho de 2019, o gestor de atendimento e operação da CCR Metrô Bahia, concessionária do sistema, Leonardo Balbino, conversou com o Diário do Transporte por telefone, fazendo um balanço de cinco anos de operação.

Atualmente, a demanda diária é de 370 mil passageiros e a rede já é a terceira maior do país, ficando apenas atrás de São Paulo e do Rio de Janeiro, respectivamente.

Segundo Balbino, estudos mostram que nos próximos anos, o Metrô da Bahia pode atender a quase o dobro da demanda diária.

“Chegamos a falar algo em torno de 550 mil passageiros [por dia] e isso pode ser ainda maior que isso. Alguns estudos mostraram que a gente pode chegar até 700 mil passageiros por dia. Estamos sempre olhando esta questão da demanda, como está no dia a dia, para a gente poder se adequar a ela” – disse o gestor.

Atualmente, a CCR possui 40 trens com quatro carros (vagões) cada. A primeira série ainda tem divisórias entre carros, mas os trens mais novos têm salão contínuo.

As estações, no entanto, possuem espaço para trens de seis carros, que poderão atender à demanda maior.

Balbino acredita que um conjunto de fatores deve contribuir para o crescimento, da demanda como expansão da rede, reorganização de linhas de ônibus e ações da própria concessionária para atrair os passageiros, que vão desde a operação em si como relacionamento com o cliente.

“Não queremos ser uma empresa que apenas presta serviços de transportes. A gente quer estar cada vez mais próximo do nosso cliente. [Um exemplo] é a banda dos agentes do metrô.  Quem imaginaria que na hora de entrar na estação aqui, ia ver os agentes de segurança tocando músicas muito alegres e divertindo a população. Queremos trazer experiências diferenciadas para quem for utilizar nosso sistema” – explica. O Metrô de São Paulo também tem um programa de banda de seguranças que faz apresentações ao público.

A cargo do Governo da Bahia, a rede de trilhos deve ser expandida e há estimativas de melhorias da comunicação com os ônibus, que também deve resultar neste acréscimo de demanda.

De acordo com a superintendente de Mobilidade da Secretaria de Desenvolvimento Urbano da Bahia (Sedur), Grace Gomes, ao jornal A Tarde, a primeira fase do estudo de viabilidade para extensão do metrô, por via subterrânea, da Lapa até a Barra, deve estar pronta ainda neste mês de julho. Já as obras de extensão da Linha 1 de Pirajá até Águas Claras devem ser iniciadas ainda neste ano, segundo a Sedur à reportagem.

O BRT de Salvador também deve estimular o crescimento da demanda pelo transporte público e, consequentemente, do Metrô. O projeto de corredores de ônibus de maior velocidade e capacidade prevê conexões com a rede de trilhos.

O primeiro trecho do BRT de Salvador deve ter 2,9 km de extensão, entre o loteamento Cidade Jardim, na região do Parque da Cidade, e o Shopping da Bahia (Estação de Integração BRT/Metrô).

O segundo trecho, com 5,5km de extensão, deve fazer a ligação entre o Parque da Cidade e a Estação da Lapa.

Haverá ainda um terceiro trecho de 1,8 km entre o Parque da Cidade e o bairro da Pituba, na região do Posto Namorado.

Do ponto de vista tarifário, o passageiro por usar ônibus metropolitanos, urbanos e o Metrô pagando apenas uma tarifa por meio dos cartões de integração da CCR Metrô Bahia, SalvadorCARD e Metropasse, dentro dos limites de tempo de cada modalidade.

CRESCIMENTO INTEGRADO:

O gestor de atendimento e operação da CCR Metrô Bahia, Leonardo Balbino, conta que o crescimento da demanda do sistema revelou a importância de rede com o ônibus e com a expansão do alcance dos trilhos que, no início da operação comercial só transportava 17 mil passageiros por dia.

“A gente iniciou com a operação assistida, sem cobrança de passagem, e tínhamos parte da linha 1 em operação. Depois a gente teve a linha 1 completa até Pirajá, com as obras que a gente fez, construindo as estações Retiro, Pirajá e Bonocô, que fica no meio onde a gente está em operação. Então, naquela época, na operação assistida, chegamos a um pico de 70 mil clientes por dia. Depois quando a gente iniciou a operação comercial, com a cobrança de tarifa, destes 70 mil, a demanda caiu para algo em torno de 17 mil clientes por dia. Quando a gente começou a implantação da linha 2, é que a gente começou ver o crescimento da demanda mais acentuado. A cada novo trecho que a gente inaugurava, a gente conseguia atrair mais clientes para o sistema.” – disse.

Trens mais novos possuem salão contínuo, sem divisória entre carros (vagões). Foto: CCR Metrô Bahia

Leonardo Balbino destacou a comunicação entre trilhos e pneus.

Dos oito terminais de ônibus integrados ao metrô, sete são operados pela CCR Metrô Bahia.

“O metrô normalmente é pensado de fato como transporte troncal. Com o sistema de metrô, não dá para permear todos os bairros da cidade. É necessário de fato que haja outros sistemas de transportes que vão alimentar esse sistema troncal e os grandes deslocamentos são pelo sistema de massa. A gente precisa pensar no sucesso do sistema de transportes de fato como uma rede totalmente integrada” – explicou.

A CCR Metrô Bahia também possui um serviço de ônibus que liga o aeroporto de Salvador à estação mais próxima.

A rede atual, de duas linhas, tem 33 km que somam 20 estações, sendo que apenas 1,5 km e duas estações são subterrâneos. O restante é em superfície e há vias elevadas.

O sistema é uma PPP – Parceria Público Privada entre o governo do Estado e a CCR.

Segundo a CCR, desde 11 de junho de 2014 , “foram transportados mais de 200 milhões de passageiros, o equivalente a quase toda a população brasileira atual. No total, mais de 700.000 viagens foram realizadas e mais de 8,5 milhões de quilômetros percorridos, que corresponde a, aproximadamente, 214 voltas no planeta Terra.”

Ouça a entrevista na íntegra:

CR Metrô Bahia em Números:

 – Projeto de R$ 5,8 bilhões

– 33 km de linha metroviária

–  20 estações

–  2 linhas

–  12 estações na linha 2: Acesso Norte – Aeroporto

–  8 estações na linha 1: Pirajá – Lapa

–  8 terminais de ônibus integrados – Lapa não é da CCR

– 35 trens em operação – Frota com 40 composições

–  370 mil clientes por dia útil

– Terceiro maior sistema metroviário do país

–  Intervalos em horários de pico da manhã (das 6h29 às 8h38) e da tarde (das 16h45 às 19h20), na Linha 1 é de: 2 minutos e 41 segundos; na Linha 2: 3 minutos e 10 segundos

–  5 anos de operação

–  Início da Operação: 11 de junho de 2014

–  Início das obras na Linha 2: fevereiro de 2015

–  Início da Operação Comercial Linha 1: 02 de janeiro de 2016

–  Chegada ao Aeroporto: 26 de abril de 2018

–  Mais de 200 milhões de passageiros

– Mais de 700.000 viagens

–  Mais de 8,5 milhões de quilômetros

–  A estação Lapa lidera o ranking das estações com o maior número de embarques diários, seguida de Pirajá, Aeroporto, Rodoviária, Acesso Norte, Mussurunga e Imbuí.

–  Mais de 2.000 câmeras das estações

–  Uma das maiores obras de mobilidade urbana do Brasil nos últimos anos e uma das obras de infraestrutura mais rápidas do mundo

–  O investimento atual no Metrô de Salvador é de R$ 5,8 bilhões no contrato de PPP

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. julio silva disse:

    Ohhh inveja boa dos baianos. Enquanto isso em terras mineiras o nosso TREM nao passa um centimetro de Venda Nova e do Eldorado. Linhas 2 e 3 nem em sonho. Ta ai um exemplo de PPP que poderia dar certo na RMBH.

  2. Natan F. Soares disse:

    Não tenham inveja, pois daqui algum tempo o governo vai concluir a linha e entregá-la pra CCR faturar. é assim em todo País, estradas e metrôs feitos com nosso dinheiro e entregues de mão beijada pra faturarem milhões, e depois já sabem né? financiamento de campanhas dos mesmos políticos ladrões, que se perpetuam no poder.

Deixe uma resposta