Metrô de São Paulo demite funcionários “sem justificativa”, diz sindicato

Publicado em: 28 de junho de 2019

Em resposta ao Diário do Transporte, companhia diz empregados que não atendem às necessidades de operação e gestão “podem e devem” ser desligados

ADAMO BAZANI

Pouco antes do feriado de Corpus Christi, em 20 de junho, o Metrô de São Paulo realizou demissões de empregados que, segundo o Sindicato dos Metroviários, ocorreram sem justificativa “causando indignação”  entre os demais funcionários.

De acordo com o sindicato, foram demitidos em torno de 20 metroviários.

O Diário do Transporte procurou no final da manhã desta sexta-feira o Sindicato dos Metroviários que não liga as demissões à paralisação contra a Reforma da Previdência que ocorreu em 14 de junho.

De acordo com a entidade, grande parte dos trabalhadores desligados não aderiu à paralisação, com alguns empregados, inclusive, tendo atuado no plano de contingência que fez o Metrô operar em apenas alguns trechos das linhas 1-Azul, 2-Verde e 3-Vermelha. O monotrilho da linha 15-Prata não operou em toda a extensão, mas o trecho é coberto por linhas da Via Sudeste, que opera o sistema de ônibus na cidade.

Em assembleia realizada na última quarta-feira, 26 de junho, a entidade trabalhista diz ter decidido realizar algumas ações para tentar reverter as demissões, como orientar os metroviários demitidos que “procurem o Departamento Jurídico do Sindicato”. 

O sindicato dos metroviários também considera a possibilidade de fazer manifestações no dia 2 de julho contra as demissões em “local e horário a confirmar”.

Também em nota ao Diário do Transporte, a Companhia do Metrô diz que é prerrogativa de qualquer empresa realizar demissões de funcionários que não correspondam com as expectativas e que desde 2016, mantém um programa de demissões voluntárias.

Em nome da boa gestão e do bom uso dos recursos públicos, empregados que não atendem às necessidades das empresas podem e devem ser desligados. Além disso, está em andamento desde 2016 um Programa de Demissão Voluntária que já resultou no desligamento de 1110 funcionários por solicitação dos mesmos.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Fabio disse:

    Tem que mandar todos embora

  2. Rodrigo Zika! disse:

    Foi a greve obviamente.

  3. Jair Vital disse:

    Sucatearam esta grandiosa empresa chamada metrô , políticos ladrões foram destruindo para entregar a preço de banana aos parasitas/pairas, quantos vivem em extrema pobreza pelas falcatruas destes insetos, operários além de analfabetos ovacionando este ser fascista, este ogro vai acabar com esta República das bananas.

    👹👺👺🤡🤡🦂

  4. rogerio sbeghem disse:

    Qdo ele contratou teve de dar justificativa?

    1. Caetano disse:

      Sim, houve concurso público. Trata-se de mais uma vilania

  5. Lucas disse:

    Tem que ser assim, vapi vupit olhem os da linha 4 e outras linhas, eles não tem preparo físico para tal função, e outra que o trem é automático

  6. Celio disse:

    Se realmente foram por aderir a greve, parabéns ao governo.

  7. Andrew Santos Maia disse:

    O serviço anda pessimo. Cerca de 3 a 4 problemas por mes na linha azul. Por favor tragam pessoas com vontade para manter esse serviço fundamenal para SP

  8. Claudio disse:

    Pra volta a contrata mais gente deveria aumenta o horario de funcionamento do mêtro.

Deixe uma resposta