Volvo e Nvidia se unem para desenvolver ônibus, caminhões, carros e tratores  autônomos

Publicado em: 22 de junho de 2019

Volvo já começou a testar tecnologia sem motorista antes mesmo da parceria. Foto: Volvo Group (Clique para Ampliar)

Nvidia deve criar sensores de processamento, de percepção, localização de mapas e planejamento de rotas para os veículos

ADAMO BAZANI

As multinacionais Volvo e Nvidia anunciaram nesta semana uma parceira para o desenvolvimento de carros, caminhões , ônibus, tratores e máquinas autônomos.

A Nvidia deve criar os sensores de processamento, de percepção, localização de mapas e planejamento de rotas para os veículos da fabricante Sueca.

Os trabalhos começam imediatamente, mas ainda não há previsão de quando o primeiro veículo fruto da parceria estará em testes.

As equipes das duas empresas vão compartilhar os mesmos espaços de trabalho, em Gotemburgo (sede da Volvo, na Suécia) e Santa Clara (onde fica a Nvidia, nos Estados Unidos).

Em nota, a Volvo diz que o objetivo é criar modelos de condução sem motorista para diversas aplicações, como no transporte público e na agricultura.

“A solução será construída sobre a base completa de software da NVIDIA para processamento de sensores, percepção, localização de mapas e planejamento de caminhos, possibilitando uma ampla gama de possíveis aplicações de condução autônoma, como transporte de carga, coleta de lixo e reciclagem, transporte público, construção, mineração e silvicultura” – diz o comunicado.

A união é estratégica para a Volvo que vê seus principais concorrentes no mundo, como o Grupo Daimler (que engloba a Mercedes-Benz), também investindo em condução autônoma.

“A automação é uma área de tecnologia fundamental para o Grupo Volvo. Com essa parceria, aumentaremos ainda mais nossa velocidade de desenvolvimento e fortaleceremos nossos recursos e ativos de longo prazo na automação, para o benefício de nossos clientes em diferentes segmentos e mercados ”, disse no comunicado o diretor de tecnologia do Grupo Volvo, Lars Stenqvist .

A tendência é de que a automação se amplie de forma gradual, processo que já teve início.

A primeira etapa é de softwares que reduzem o trabalho e auxiliam na direção.

Pelo volume necessário de investimentos, a automação deve ser ter início mais em maior número no transporte por ônibus e em operações de agricultura e mineração.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta