Dia dos namorados: casais que se encontraram no transporte coletivo

Tatiana e Ian se conheceram em um ônibus municipal de São Paulo. Foto: Divulgação / SPUrbanuss.

SPUrbanuss destacou histórias de amor que começaram em ônibus da capital paulista

JESSICA MARQUES

Neste dia dos namorados, 12 de junho de 2019, o SPUrbanuss (Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de São Paulo) reuniu histórias de amor que tiveram início nos ônibus da capital paulista.

A cidade de São Paulo possui quase seis milhões de passageiros, andando em mais de 14 mil ônibus municipais. Em muitas dessas viagens, a paixão entra no coração de alguém.

Em alguns casos, o sentimento passa quando a pessoa dá sinal e desce do ônibus, para nunca mais ser encontrada. Entretanto, quando o cupido também embarca, o encontro pode render uma linda história de amor.

Confira histórias de casais que se conheceram no transporte coletivo da capital paulista:

Ian e Tatiana – A linha do amor

Terça-feira, fim de 2014. Ian Carvalho, cientista da computação, foi avisado de um problema no trabalho e desviou seu caminho, que o levaria até à faculdade, para tomar o ônibus 917H-10 Terminal Pirituba – Metrô Vila Mariana. O ano já vinha sendo difícil para ele, então sua animação não estava das melhores.

Mesmo sem assentos livres, o ônibus não estava lotado. Menos mal! Decidiu ficar encostado na porta. Quando olhou para a catraca, ele viu apenas “a mulher mais linda do mundo”. Ele sorriu para ela e ela sorriu de volta.

Seu primeiro pensamento foi “preciso conhecê-la”. Ela se sentou no fundo do ônibus. Na altura do bairro Vila Madalena, quando muitos passageiros desembarcaram, ele encontrou um assento vazio perto dela. Decidiu arriscar.

Ian estava muito nervoso. Mesmo acostumado a falar em público e interagir bastante com pessoas, aquela abordagem em especial foi complicada. “Tentei falar e as palavras não saiam”. Felizmente, Tatiana Bertolucci, comunicóloga, quebrou o gelo com um simples “oi, tudo bem?”.

Sem perder tempo, Ian lhe disse que, ao vê-la, ele sentiu algo muito positivo. O “xaveco espiritual”, segundo ele, foi crucial para a conquista. Eles trocaram telefones, desceram em pontos separados e combinaram de se encontrar outra vez.

Hoje, faz quase cinco anos que eles estão juntos. Para eternizar o poder da “linha do amor”, Ian entrou em contato com a empresa Santa Brígida, que opera a linha 917H-10 e perguntou se não podia ficar com a placa que mostra seu itinerário. Até hoje ela decora o apartamento dos dois.

Leila e Cícero – O que o destino une, o ônibus ajuda a combinar

Final de 2006. Todos os dias, no mesmo horário, Leila Cristina Louzada, coordenadora de atendimento, tomava o ônibus 6358-10 Jardim Luso – Terminal Bandeira, operada pela empresa MobiBrasil, para ir ao trabalho.

Ao entrar, ela sempre cumprimentava o motorista, Cícero Correia de Lima. Um dia, o cobrador que viajava com Cícero perguntou a Leila se ela não poderia passar seu telefone, porque seu amigo motorista estava interessado nela.  Ela disse que sim e eles começaram a conversar.

Naquela época, uma obra acontecendo no corredor que o 6358-10 utilizava passou a atrapalhar a rotina de Leila. Assim, para resolver esse problema, seu horário de serviço foi alterado. Como o que o destino une ninguém separa, o horário de Cícero também mudou, e eles passaram a se ver não só na parte da manhã, mas também no período da tarde. “Foi coisa de Deus”, ela disse.

Eles marcaram o primeiro encontro para 8 de junho de 2007. Daí veio o primeiro Dia dos Namorados e, hoje, são 12 anos juntos.

CLIMA ROMÂNTICO NO METRÔ

O clima também está romântico para quem passou ou vai passar pela estação Brás, da Linha 3-Vermelha do Metrô de São Paulo nesta quarta-feira. Das 7h às 8h e das 12 às 13h, um grupo de funcionários do Metrô canta músicas que lembram o amor.

A atração foi preparada especialmente pelo Metrô de São Paulo para comemorar o Dia dos Namorados.

Estão sendo interpretadas canções consagradas no cenário nacional e internacional, como: É o amor (Zezé di Camargo e Luciano), Pra você guardei o amor (Nando Reis), Shallow (Lady Gaga e Bradley Cooper) e A thousand years (Christina Perri), que prometem fazer bater mais forte os corações apaixonados ou não.

O grupo de vozes é composto por 14 empregados, entre eles agentes de segurança, agentes de estação, uma operadora de trem e uma funcionária administrativa. No término de cada apresentação será declamado o poema “Soneto da Fidelidade”, de autoria do poeta Vinicius Moraes, com tradução simultânea em Libras.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

1 comentário em Dia dos namorados: casais que se encontraram no transporte coletivo

  1. Rafael Ramirez Mora // 14 de junho de 2019 às 08:50 // Responder

    A minha história com minha esposa também começou em um transporte coletivo.

Deixe uma resposta