Motoristas e cobradores de Florianópolis decretam estado de greve

Foto: Bruno Alexandre

Com decisão aprovada em assembleias realizadas nesta quinta-feira, 6, trabalhadores podem paralisar atividades a partir de segunda-feira, 10 de junho

ALEXANDRE PELEGI

O Sindicato dos Trabalhadores no Transporte Urbano de Passageiros da Região Metropolitana de Florianópolis (Sintraturb) decretou estado de greve da categoria na manhã desta sexta-feira, 7 de junho de 2019.

Motoristas e cobradores estão em negociação na data-base da categoria com o Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Florianópolis (Setuf), e alertam que o impasse pode levar a uma paralisação geral do transporte coletivo na cidade.

Com a aprovação do estado de greve aprovada em assembleias realizadas em três turnos na quinta-feira, 6, o Sintraturb cumpriu o requisito legal, que determina comunicar a paralisação no prazo de 72 horas às empresas, à prefeitura e ao Ministério Público do Trabalho (MPT).

O Sindicato dos Trabalhadores, no entanto, adiantou que a população da capital catarinense será avisada com antecedência em caso de greve.

De qualquer forma, o movimento paredista não deverá começar nesta segunda, 10, data em que acontecerá uma reunião de conciliação no MPT com a presença do Sintraturb e do Setuf, última chance para um acordo entre patrões e empregados.

Em nota divulgada nesta sexta-feira, o sindicato que representa motoristas e cobradores explica que seguiu os ritos da Lei de Greve, que determina que o comunicado da paralisação deve ser feito com no mínimo 72 horas de antecedência.

Esclarecemos que a Lei de Greve determina que o comunicado seja realizado com esse prazo mínimo e o movimento não pode começar antes que ele acabe. Passado esse prazo e as negociações não evoluindo com uma proposta satisfatória o movimento pode ser deflagrado a qualquer momento”, conclui a nota.

Segundo publicação em sua página oficial no Facebook, o Sintraturb afirma que “a posição dos empresários em três rodadas de negociação se resumiu a ‘oferecerem’ zero de reajuste em todas as cláusulas econômicas e cortes de postos de trabalho como único caminho para a campanha salarial deste ano. Isso mobilizou toda a categoria, uma vez que o corte dos cobradores representa dentre outras coisas, a sobrecarga dos motoristas que já vivem uma rotina tensa e estressante. Sem contar com uma precarização da qualidade na prestação de serviços tal como: O aumento do tempo de percurso, no assédio e na segurança”.

Além da extinção da função dos cobradores, o Setuf teria ofertado aumento com base na inflação e R$ 30 a mais no vale-alimentação. Segundo o sindicato patronal afirma, o contrato de concessão assinado em 2014 já previa a redução dos cobradores no interior dos ônibus.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

3 comentários em Motoristas e cobradores de Florianópolis decretam estado de greve

  1. Quem define greve não é o sindicato, são os trabalhadores 🤪

  2. Os ucuários perguntam. Quem define a troca dos “Pau de arara” que circulam em Palhoça?

  3. A paralisação amanhã não tem nada haver com o aumento salarial e etc,

Deixe uma resposta