Renovação da frota de ônibus de Curitiba alcança a marca de 262 novos veículos

Publicado em: 31 de maio de 2019

Presidente do Setransp, Mauricio Gulin, garante que cronograma de entrega de 450 ônibus até 2020 será cumprido.

Segundo o prefeito Rafael Greca, até 2020 a capital paranaense terá 450 novos ônibus

ALEXANDRE PELEGI

Anunciado na véspera pelo prefeito Rafael Greca, as empresas de ônibus de Curitiba entregaram nesta sexta-feira, 31 de maio de 2019, mais 14 veículos novos dentro do programa de renovação de frota.

Com isso, já são 262 novos ônibus desde a assinatura do termo aditivo de contrato, em novembro de 2017.

Ao anunciar nesta quinta-feira a chegada dos novos veículos, o prefeito de Curitiba declarou em apresentação na 7ª Reunião do Fórum de Secretários e Dirigentes de Mobilidade Urbana do Paraná que ao chegar à prefeitura encontrou uma frota sucateada. “Amanhã chegaremos a 262 novos veículos e serão 450 até 2020”, afirmou Greca (foto abaixo).

Desses 14 ônibus, 11 são Padron Linha Direta (empresa Araucária Transporte Coletivo), 1 articulado Linha Direta (Araucária), 1 articulado Linha Direta (Transporte Coletivo Glória) e 1 Padron Intercambiável (Sorriso de Curitiba).

O investimento total nos 14 veículos foi de cerca de R$ 8 milhões. Levando-se em conta o total (262 veículos), o investimento já ultrapassa R$ 185 milhões.

Para o presidente do Setransp (Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana), Mauricio Gulin, “esse era o compromisso assumido e ele está sendo honrado“. Gulin afirmou ainda que o cronograma de entrega de 450 ônibus até o fim de 2020 será cumprido. “Curitiba volta aos poucos a ser referência nacional“, completou.

forum_paranaense_02

CURITIBA PROJETA TRANSPORTE COM NOVA BILHETAGEM, ÔNIBUS ELÉTRICOS E MULTIMODAL

Em sua participação no Fórum Paranaense de Secretários de Transporte nesta quinta-feira, o prefeito Rafael Greca afirmou que a eletromobilidade, a multimodalidade e um novo sistema de bilhetagem serão os próximos passos de Curitiba para a modernização da Rede Integrada de Transporte (RIT).

Greca destacou os planos da cidade em palestra no 7º Fórum Paranaense de Mobilidade Urbana, no Salão de Atos do Parque Barigui.

Discursando para uma plateia formada majoritariamente por técnicos em mobilidade de todo o Paraná, vereadores e secretários municipais, Greca destacou a aprovação, pela Comissão de Financiamentos Externos (Cofiex), de um crédito de R$ 739 milhões para projetos socioambientais e de transporte.

O prefeito também destacou o credenciamento, pela Urbs, de empresas para a venda de créditos do sistema de transporte coletivo de Curitiba para o novo sistema de bilhetagem.

Para Greca, as ações de mobilidade em Curitiba seguem o princípio da valorização do que é projetado e produzido pela cidade. Ele citou como exemplo o êxito do BRT e as possibilidades de avanços a partir da estrutura da Rede Integrada. “Sustentável dentro da nossa realidade é aquilo que a gente consegue pagar. O custo do quilômetro do BRT é mil vezes menor que o de um metrô e cem vezes menor que de um VLT”, observou.

Parte dos recursos externos garantidos pela capital paranaense irão para o financiamento do projeto Inter 2, de reestruturação viária, implantação de novos corredores para os ônibus e de um novo modelo de estações, climatizadas e auto-sustentáveis. A linha, que é a mais carregada entre as que circulam fora das canaletas exclusivas, deverá ser a primeira da cidade a contar com veículos movidos a energia limpa.

“Fixamos 2025 como o horizonte para a eletromobilidade e o Inter 2 integra este processo. São ações convergentes aos projetos de Curitiba contra o aquecimento global, que constam também nas prioridades do Grupo de Cidades do C40,  do qual fazemos parte.”

NOVA BILHETAGEM

A ampliação da rede de venda e carregamento de créditos em cartão-transporte para facilitar a vida dos usuários e reduzir significativamente a circulação de dinheiro nos ônibus, nas estações-tubo e nos terminais, foi outro ponto citado pelo prefeito em sua exposição.

As empresas Recarga Pay e Qiwi já apresentaram a documentação exigida no edital da Urbs. Outras empresas poderão se credenciar até 20 de junho de 2021 e ampliar ainda mais as opções de compra e recarga para quem utiliza o transporte público na cidade.

Com o início da operação das empresas credenciadas, os usuários poderão fazer o carregamento do cartão-transporte por meio de venda assistida (com operador), máquina de auto-atendimento, aplicativos móveis, websites, totens, garantindo mais praticidade, conforto e segurança ao sistema de transporte.

Ogeny Maia, presidente da Urbs, garante que a bilhetagem representa uma modernização da cobrança. “É uma medida com tripla finalidade: possibilitar o avanço tecnológico, aumentar a segurança de profissionais e passageiros com a retirada de dinheiro vivo de circulação e dar sustentabilidade financeira ao transporte público“.

Hoje, a venda de créditos ocorre na própria Urbs, que tem sede na Rodoferroviária, em Ruas da Cidadania e em locais credenciados, como bancas de jornal.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Deixe uma resposta