Câmara aprova projeto que prevê criação de “Bilhete Único” para policiais e agentes da GCM

Publicado em: 23 de maio de 2019

Ônibus na capital paulista. Sistema tem o custo de R$ 8 bilhões ao ano. Foto: Adamo Bazani (Diário do Transporte) -Clique para Ampliar

Atualmente, profissionais de segurança não passam pelas catracas. Com registro pelos validadores, conta de subsídios pode crescer

ADAMO BAZANI

A Câmara Municipal de São Paulo aprovou no dia 15 de maio de 2019, um projeto de lei de 2017 (PL 132/17) de autoria dos vereadores Reis (PT) e Edir Sales (PDT) que institui o passe-livre a Guardas Civis Metropolitanos e Policiais Civis e Militares que residam na cidade.

O projeto, que segue para o prefeito Bruno Covas, prevê a possibilidade da criação de um “bilhete único” para estes agentes. Com isso, pela proposta, estes profissionais de segurança passarão a “girar as catracas” dos ônibus.

Atualmente, o transporte gratuito de agentes de segurança pública fardados ou identificados por documento oficial não exige que os policiais passem pelas roletas dos coletivos.

Com o registro nos validadores, este tipo de gratuidade pode parar na conta dos subsídios ao sistema de ônibus, que atualmente, por ano, necessita de R$ 3 bilhões, isso porque, os coletivos arrecadam R$ 5 bilhões, mas os custos de prestação de serviços são de R$ 8 bilhões.

Procurada pelo Diário do Transporte, a Prefeitura de São Paulo informou que analisa o projeto de lei aprovado pela Câmara.

SUBSÍDIOS:

Nos últimos anos, a prefeitura precisou utilizar dinheiro de outras áreas e transferir para o sistema de ônibus.

Os subsídios englobam as gratuidades e as complementações para as integrações.

Mesmo com as transferências de recursos, a prefeitura ainda fica devendo para as empresas de ônibus de São Paulo.

No final do ano passado, a prefeitura ficou com um débito de R$ 174 milhões, valor que está sendo pago de forma parcelada até o fim do ano: R$ 100 milhões em duas vezes de R$ 50 milhões e os outros R$ 74 milhões em dez vezes sem correção.

Ocorre que este dinheiro referente à operação de dias de dezembro do ano passado está saindo da conta dos subsídios deste ano e, mesmo prevendo gastar em torno de R$ 3 bilhões em 2019, a Câmara Municipal, ao aprovar o orçamento, liberou R$ 2,69 bilhões para as compensações tarifárias do sistema de ônibus.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Comentários

  1. Marcos disse:

    Tirando o fator dinheiro de lado, não acho boa ideia um policial armado passando pelo meio do corredor do ônibus, ele vai ser obrigado a passar de costas pra muita gente, alguém pode pensar em lhe tomar a arma, acho melhor eles continuarem a se comportar como já se comportam ficando nas portas sempre de frente para os demais passageiros!

  2. ADEMAR BATISTA NOGUEIRA JUNIOR disse:

    Em contra partida se apresenta a funcional se expõe e corre um certo risco.

    Na verdade policial, seja PM ou GCM em regra não utiliza ônibus, pelo horário diferenciado, por questões de segurança e etc, eles deveriam receber de fato uma ajuda de custo com o fim de utilizar em coletivos ou, com gasolina.

  3. Marcio disse:

    Um policial fardado e armado certamente não irá na condução de um transporte público no meio dos usuários como um cidadão comum, é claro que ele sabe se comportar e irá tomar uma postura segura. Esse benefício certamente irá beneficiar aquele que se desloca em trajes civis, onde a arma fica em locar não visível, estes mesmos muitas vezes se descolar em trajes civis por conta de morarem em comunidades onde se deslocar sozinho e fardado pode ser um grande risco.

  4. André disse:

    Acho que isso e uma péssima ideia ! Um polícial , seja da PM ou GCM , fardado ou não. Dificilmente utilizará um transporte público. Pois muitas vezes tem de entrar no serviço as 4 ou 5 da manhã.
    Agora vc imagina esse polícial tendo de entrar no serviço esse horário. Há que horas vai precisar sair de sua residência?? E os ônibus não circulam 24 hrs por dia.
    Melhor deixar como está ou ajudarem com auxílio combustível. Mais segurança para o policial e para os cidadãos que utilizam ônibus…

    1. Diego disse:

      Descordo de você meu caro … utilizo transporte público…..quando estou em escala diferenciada ou me desloco para
      a base na última condução e durmo por lá…..ou pego o primeiro transporte público…acordando as 03:00 horas da manhã….esse é o trabalho do fardado .. não se escolhe a missão é nem o horário…apenas cabe cumprir ..

  5. Daniel disse:

    É possivel um policial civil passar pela lateral do metrô de sp, sem girar a roleta, apresentando apenas a funcional, pois informaram que é apenas fardado. Obrigado

Deixe uma resposta