Santo André abre chamamento público para projetos de corredores de ônibus e mobilidade urbana em geral

Programa de Mobilidade Urbana Sustentável terá aporte de 50 milhões de dólares, metade financiada pelo BID. Parte dos recursos será usada para elaboração de Projetos dos Corredores de Ônibus da Área Central da cidade

ALEXANDRE PELEGI

A Prefeitura de Santo André, cidade do Grande ABC em São Paulo, lançou nesta sexta-feira, 29 de março de 2019, dois chamamentos públicos relativos a projetos de Mobilidade Urbana.

O primeiro deles é referente à elaboração do Plano de Mobilidade Urbana do Município (PMU). O outro, está voltado à elaboração dos projetos dos corredores de ônibus da área central do município.

Os dois projetos fazem parte de empréstimo obtido pela prefeitura para o “Programa de Mobilidade Urbana Sustentável de Santo André (PMUS/SA)”, com aporte total de recursos da ordem de 50 milhões de dólares (cerca de 200 milhões de reais).

Conforme publicado no Diário Oficial do Estado, metade desse valor será financiada pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e a outra metade será de responsabilidade de aporte de recursos pela Prefeitura do Município.

A Prefeitura afirma que uma parcela desses recursos serão utilizadas para contratar uma empresa de serviços especializados de urbanismo e engenharia que irá elaborar o Plano de Mobilidade Urbana do Município (PMU).

A realização do PMU é uma exigência da Lei Federal da Mobilidade Urbana.

O outro chamamento público é da área de Transportes, e pede a manifestação de interesse de empresas de arquitetura e urbanismo e engenharia para a elaboração dos Projetos Básicos e Executivos dos Corredores de Ônibus da Área Central da cidade.

Os projetos visam a construção de aproximadamente 2,9 km de corredores de ônibus nas ruas General Glicério, Luís Pinto Fláquer e Siqueira Campos e a avenida Queirós dos Santos.

Conforme noticiado pelo Diário do Transporte em agosto de 2018, a prefeitura de Santo André definiu a empresa que vai gerenciar e monitorar as obras de mobilidade que serão realizadas com financiamento do BID. O gerenciamento, coordenação, apoio técnico e monitoramento do chamado Programa de Mobilidade Urbana Sustentável de Santo André, que engloba as obras, será feito pelo Consórcio Setec – Engecorps. Relembre: Santo André define empresa para gerenciar obras de mobilidade financiadas pelo BID

Em nota enviado ao Diário do Transporte, a prefeitura informou à época que a escolha da empresa seguiu diversos critérios. “O certame para a contratação de prestação de serviço de gerenciamento foi definido por meio do método de seleção baseada na qualidade, seguindo as diretrizes definidas pela Política para Seleção e Contratação de Consultores Financiados pelo BID. Esta metodologia de contratação segue normas, procedimentos e convenções adotados pelos países-membros do BID, no qual o Brasil faz parte”, informou a administração municipal.

Em relação à contratação das empresas que serão responsáveis pelas execuções das obras, a Prefeitura de Santo André informou em agosto passado que “haverá um processo de seleção para cada uma delas”.

PMI_Santo André_page-0001.jpg

De acordo com a publicação, os projetos dos corredores de ônibus da área central “deverão incluir possíveis recursos que melhorem o ambiente urbano, tais como: ampliação e melhoria de calçadas, iluminação pública, drenagem e plantio de árvores e entre outros elementos urbanos relevantes que inter-relaciona com os corredores. Os pontos e abrigos de ônibus terão acessibilidade universal, incluindo espaços adequados para carros de bebê e cadeiras de rodas. Os projetos dos recursos urbanos mencionados anteriormente deverão considerar e analisar: a via ao longo dos corredores; os blocos que permitem o acesso as estações de transporte coletivo; como também os pontos de concentração de pessoas (escolas, hospitais, etc.) nas proximidades do corredor”.

A escolha da empresa será realizada pelo método Seleção Baseada na Qualidade e Custo (SBQC), definido pelas Políticas para a Seleção e Contratação de Consultores Financiados pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento – BID.

Os interessados poderão obter maiores informações no endereço indicado ao final, no período das 9h às 12h e das 14h às 17h, do dia 28/03/2019 ao dia 22/04/2019.

As manifestações de interesse deverão ser recebidas, em mídia digital e impressa, o dia 23 de abril de 2019.

PLANO DE MOBILIDADE

A SNTMU (Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana), do Ministério das Cidades, realizou um levantamento com 3.341 municípios, mais o Distrito Federal, com informações sobre a situação do Plano de Mobilidade Urbana.

Destes municípios, apenas 193 possuem o plano elaborado, apesar de ser estabelecido por lei. O número corresponde a 9% das cidades que responderam aos ofícios da Pasta e a 25% da população brasileira.

Relembre: Apenas 193 municípios brasileiros possuem Plano de Mobilidade Urbana elaborado

DETALHES DO PROGRAMA DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL

Confira o detalhamento do projeto (chamado Programa de Mobilidade Sustentável) que será executado por meio do empréstimo do BID, conforme publicado no site da Prefeitura:

STA_-_Mapa_PMUS_US_50_milhões.jpg

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Olá Alexandre, os corredores já existem seja Siqueira Campos, Luiz Pinto Flaquer-Fernando Prestes, Queiróz dos Santos, Coronel Alfredo Fláquer, General Glicério. O que mais se necessita exatamente é um piso mais resistente, exclusivo de cor cinza como no corredor ABD, sem falhas e buracos , que existem atualmente fazendo os coletivos trepidarem, haja visto qeu as correções feitas pela secretaria de vias e obras mal corrigem, logo reabrindo as falhas. Basta rodar por lá e ver. Outra coisa, que a prefeitura deveria mudar, radicalmente, é processo de sinalização semafórica, principalmente na subida dos coletivos na Luiz Pinto Fláquer, abrindo sincronizado, evitando o anda e para dos coletivos…Já nas calçadas alguns pontos realmente precisam ser padronizados à altura minima para descida ou subida segura de idosos e com problemas de articulação. Abraços !

    1. blogpontodeonibus disse:

      Como está na publicação do chamamento público, os projetos dos recursos urbanos deverão considerar e analisar, dentre vários itens, “a via ao longo dos corredores”.

Deixe uma resposta