Bolsonaro grava vídeo com promessas para caminhoneiros

Publicado em: 29 de março de 2019

Greve dos caminhoneiros parou o país em maio de 2018. Foto: Thomaz Silva/Agência Brasil

De olho na insatisfação da categoria, que prepara carreata para este sábado, o presidente prometeu novas medidas, e anunciou que não renovará os contratos de concessão das rodovias federais

ALEXANDRE PELEGI

De olho na insatisfação dos caminhoneiros, que em maio de 2018 paralisaram o país por dez dias, o presidente Jair Bolsonaro mandou ontem, 28 de março de 2019, um recado direto à categoria em uma transmissão no Facebook.

Além de destacar a nova política de preços do diesel da Petrobras, Bolsonaro afirmou que adotará novas medidas: “Caminhoneiros, parabéns a vocês. E, com certeza, novas medidas serão adotadas semana que vem”.

Nos grupos de WhatsApp da categoria têm havido recorrentes chamados para uma nova paralisação. Na pauta de reivindicações, além do piso mínimo da tabela de frete e do preço do óleo diesel, os caminhoneiros reivindicam a construção de mais estruturas para paradas de descanso ao longo das estradas.

Walace Landim, o Chorão, um dos líderes dos caminhoneiros e com entrada livre no Palácio do Planalto, relatou que ele e outros representantes têm se reunido com o governo.

No vídeo direcionado aos caminhoneiros, Bolsonaro lembrou que esteve ao lado da paralisação em 2018 quando ainda era pré-candidato

Bolsonaro lembrou ainda da nova política anunciada pela Petrobras nesta semana, estipulando prazo mínimo de quinze dias para reajustes do preço do diesel. Relembre: Petrobras congela preço do diesel por 15 dias

Com a escalada dos preços internacionais, o preço do diesel já subiu 18,5% em 2019, na comparação com o último valor de 2018. Nas bombas, que é o que importa aos caminhoneiros, o aumento foi menor, de 2,5%, o que tem contribuído para a insatisfação dos motoristas.

Bolsonaro adiantou ainda que será criado um cartão pré-pago para a compra de diesel: “O caminhoneiro reclamava que pegava o frete até Porto Alegre e, na volta, havendo a recomposição do preço do diesel, parte ou todo o dinheiro que tinha recebido era engolido pelo novo preço do combustível”.

O cartão começará a funcionar em até 90 dias.

Segundo o presidente, o caminhoneiro poderá carregar o cartão com um valor equivalente a 500 litros de diesel. Com este crédito, ele poderá abastecer ao longo da viagem usando o cartão. A alta no diesel, segundo ele explicou, não impactaria assim no valor negociado pelo frete. A Petrobras informou, no entanto, que o cartão valerá apenas para os postos BR.

CONTRA MULTAS

Bolsonaro anunciou ainda que negou o pedido de 8.000 novos radares eletrônicos.

Afirmando ser contra o que chama de “indústria da multa”, o presidente afirmou no vídeo que ela funciona “para meter a mão no seu bolso, nada além disso. Não vamos achar que meia dúzia de pessoas aqui em Brasília estavam preocupadas com você se acidentar”.

Ele acusou as concessionárias responsáveis pelas estradas com pedágios de burlarem a função dos radares e lombadas.

“Esse pessoal descobriu que poderia descontar nessas obras [pintura da estrada e melhoria nos acostamentos] o [valor] aplicado em monitoramento. E como o monitoramento ainda é feito? Via multagem eletrônica! Então você era duas vezes prejudicado: o dinheiro [do pedágio] não ia para a manutenção da estrada, mas ia para pagar as empresas que cobravam multa”, afirmou.

Por fim, ele afirmou que não renovará as concessões das rodovias federais quando os contratos vencerem.

Live completa:

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

Deixe uma resposta