Neobus desenvolve ônibus urbano com cinco portas para Auto Viação Santo Angelo, de Curitiba

Os New MEGA da Auto Viação Santo Angelo têm chassi Mercedes-Benz OF-1721L. Foto: Gelson Mello da Costa / Divulgação Neobus.

New Mega com configuração padron e motor dianteiro foi adaptado para o sistema da cidade

JESSICA MARQUES

A encarroçadora Neobus, de Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul, informou nesta terça-feira, 19 de março de 2019, que desenvolveu um ônibus urbano com cinco portas para a Auto Viação Santo Angelo, de Curitiba, no Paraná.

O modelo é o New Mega, com configuração padron para chassi de motor dianteiro, que foi adaptado para o sistema da cidade. As cinco portas estão distribuídas de acordo a utilização em Curitiba, sendo três do lado direito e duas do lado esquerdo.

Os New MEGA da Auto Viação Santo Angelo têm chassi Mercedes-Benz OF-1721L, altura externa de 3.475 mm, altura interna de 2.120 mm e 13.345 mm de comprimento.

O ônibus pode transportar 76 passageiros, sendo 27 sentados em poltronas City e 49 em pé. As três portas do lado direito possuem embarque por escada e as duas do lado esquerdo, embarque a nível com rampas automáticas, além de elevador e escada na porta central do lado direito.

A fabricante forneceu, em fevereiro, nove veículos que foram os primeiros com essa configuração a operarem no sistema metropolitano da capital paranaense, transportando passageiros de bairros afastados até as plataformas.

Atualmente, segundo a Neobus, o mesmo ônibus na configuração padron só existe no sistema de transporte de Curitiba com motorização traseira, o que limita a sua utilização nos três tipos de aplicação, devido ao comprimento total e à capacidade de passageiros.

De acordo com João Paulo Ledur, diretor da Neobus, a empresa é pioneira no desenvolvimento dessa nova versão do New Mega e quebra um importante paradigma, pois até então, nenhum modelo com configuração Padron e motor dianteiro havia sido utilizado no sistema de transporte de Curitiba.

“Projetamos um ônibus que cria uma nova tendência e que pode se adequar à demanda variável de usuários ao longo do dia no transporte urbano. Em momentos de menor demanda, o operador opta por colocar em operação usando somente as portas do lado direito, com embarque por escada. Havendo necessidade de utilizar somente as plataformas, o embarque e desembarque são feitos pelas portas em nível do lado esquerdo. Em momentos de maior demanda, utiliza as cinco portas”, disse o executivo.

A encarroçadora informou ainda, em nota, que os New Mega da Auto Viação Santo Angelo dispõem de 20% dos assentos preferenciais, catraca de três braços na porta dianteira, anunciador de voz nas portas e itinerários eletrônicos dianteiro e lateral, entre as portas do lado esquerdo.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Denilson Costa disse:

    Quem encomendou e projeitou isso aí com certeza não anda de ônibus e muito menos mora em Colombo. O layout interno já deixava os passageiros desconfortável por ter poltronas duplas só de um lado do ônibus e esse carro venho com este monte de portas, sendo que nosso serviço até então opera só na direita (alimentadores, convencionais, troncais e diametrais e expresso) e lado esquerdo (linha direta).
    A única linha metropolitana que opera em ambos os lados é só a F01-Fazenda Rio Grande-Curitiba e agora dizem que a linha B41-Maracanã-Linha Verde fará isso também.
    Tudo bem, quer encher o ônibus de porta, beleza, mas então ampliassem a quantidade de assentos duplos para melhor aproveitamento do veículo para passageiros sentados. Chega de só beneficiar o operador do sistema, as empresas e as encarroçadoras precisam olhar para o passageiro e para o motorista.
    Fica a dica para Neobus, Marcopolo, Caio, Comil e outras encarroçadoras que virão!!!

  2. Marcos disse:

    Cada vez menos assentos…e os que tem 30% sao para idosos..depois reclamam porque as pessoas abandonam o onibus…..

  3. MARCOS NASCIMENTO disse:

    Que LIXO!!! Ônibus urbano de 12 e 13 metros com CINCO PORTAS!!! PQP!! Agora CURITIBA e REGIÃO METROPOLITANA DE CTBA estão copiando o que a cidade de SÃO PAULO fazia no ano de 1991 quando surgiram os primeiros 125 onibus de CINCO PORTAS para operarem no corredor Vila Nova-Cachoeirinha. Na época, todos da estatal CMTC que acabou sendo privatizada em 1994 pelo ex-prefeito Maluf. Infelizmente esta idéia petralha ficou e foi aproveitada pelos prefeitos seguintes tanto é que Maluf, na época o inimigo número 1 do PT com sua equipe dentro da SPTrans que estava sendo fundada MANTEVE essa loucura de onibus de 5 Portas tanto é que em 1996 centenas de onibus O KM surgiam nas ruas com as 5 portas e outros tantos passavam por pequenas reformas para a adaptação de 2 portas á esquerda!!!
    Por volta de 2006 pouco antes do ex-prefeito Serra abandonar a prefeitura da cidade de São Paulo para concorrer e infelizmente ganhar o Governo de SP, finalmente dentro da SPTrans alguém teve a idéia de reduzir as 5 portas para “apenas” 4 portas e então surgiam nas ruas os primeiros onibus ano 2007 com 4 portas – 2 do lado direito e 2 do lado esquerdo sendo a porta central do lado direito eliminada nos onibus mais novos que passavam por uma nova readaptação. E ao longo dos anos seguintes NUNCA MAIS seriam incorporados onibus de 12 e 13 metros de comprimento com 5 portas e depois de mais de uma década, a CIDADE DE CURITIBA através da URBS e da COMEC resolvem ressuscitar esta PÉSSIMA IDÉIA com os famigerados onibus com CINCO PORTAS quando mais conveniente teria sido terem se inspirado na adaptação que São Paulo fez embora tanto onibus com 5 ou 4 portas seja a coisa mais bizarra da história dos transportes coletivos em todo o Planeta Terra!!!
    Um onibus com 13 metros de comprimento e com apenas 27 assentos e mesmo assim 20% deles destinados a idosos e gestantes + o espaço reservado para cadeirantes sobram apenas 21 assentos ou até menos considerando que existem cidades pelo Brasil onde já existe lei com 30% de assentos para gestantes, idosos etc… e o caso na cidade do RIO DE JANEIRO onde o prefeito determinou que 100% dos assentos sejam preferenciais ou seja não existirá mais esses assentos especiais. Se bem que lá no RIO dificilmente existe um onibus urbano com menos de 30 assentos como é o caso de Curitiba. Agora dá para entender um dos motivos da fuga de passageiros para outros modos de transporte e todas as leis e regras vem das secretarias de transportes ou órgãos específicos que legislam a respeito de vários temas e determinam o que as empresas podem ou não fazer. Geralmente estas iniciativas não partem das próprias empresas pois elas não irão querer dar tiro no próprio pé. Se dependesse da vontade das empresas prá começar, todas desejariam operar com pintura livre embora a maioria delas manteria o uso de onibus com motores dianteiros que continuam sendo a melhor opção para transporte coletivo em cidades que ao longo dos anos sempre tiveram prefeituras que somente faziam a operação tapa buraco ou o asfalto casca de ovo no ano dos pleitos eleitorais.

  4. Daniel Duarte disse:

    Me parece que está tudo pronto para as empresas colocarem veículos super confortáveis sob demanda e o que for mais simples e barato possível nos serviços comuns para lucrar e concorrer com os aplicativos. Se brincar vão ter somente bancos preferenciais.

  5. Rogerio Belda disse:

    Sintético e hermético, parecendo-me que o autor do comentário mergulhou fundo na problemática, inovando até no uso reflexivo. Por via das minhas dúvidas faço o pedido
    mineiro: Envolva-me fora disso. Dizia o Millôr: Livre pensar é só pensar. Rogerio Belda

Deixe uma resposta