Porto Alegre define hoje nova tarifa dos ônibus. Lotações não querem aumento

Foto: Jackson Ciceri/O Sul

Transporte seletivo terá aumento de 60 centavos caso passagem dos ônibus aumente para R$ 4,70

ALEXANDRE PELEGI

Nesta quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019, a partir das 10 h, o Conselho Municipal de Transportes Urbanos (Comtu) de Porto Alegre se reúne para avaliar e votar a proposta de cálculo apresentado pela prefeitura, que amplia a atual passagem de ônibus de R$ 4,30 para R$ 4,70 ou R$ 4,75.

Composto por 21 entidades e secretarias, o Conselho assistirá à apresentação do relatório da Empresa Pública de Transporte e Circulação de Porto Alegre (EPTC) com a justificativa do reajuste, e após uma rodada de esclarecimentos seguirá o processo de votação, definido por maioria simples.

Como determina a lei, a decisão do Conselho segue para o prefeito, a quem cabe decidir o valor final da tarifa.

LOTAÇÕES NÃO QUEREM AUMENTO

Na contramão das empresas de ônibus, que neste ano pediram que tarifa a R$ 4,78, as lotações não querem nenhum aumento. Chamado de transporte seletivo da capital, o serviço das lotações é realizado por veículos equipados com ar-condicionado em que os passageiros viajam sentados, e tem preço diferenciado.

Como determina a legislação municipal, a tarifa das lotações está atrelada ao valor da tarifa dos ônibus, sendo de 1,4 e 1,5 vezes maior que esta.

Ou seja, caso a proposta da EPTC seja aprovada, e a tarifa fique em R$ 4,70, o preço do transporte seletivo passaria automaticamente para R$ 6,58, ou R$ 6,60 em valor já arredondado.

Em assembleia realizada na terça-feira, 19 de fevereiro, um grupo de permissionários manifestou-se contra o reajuste. Eles querem que o preço da passagem seja mantido em R$ 6,00, sem reajuste, alegando que o novo valor seria impraticável para os passageiros, e ao mesmo tempo insustentável para os pequenos proprietários que tocam o negócio.

Clarimundo Flores, representante do grupo de pequenos proprietários de lotação que pede a manutenção do preço atual, informou ao site G1 que há linhas sendo desativadas, e permissionários sob risco de quebrar e ter que devolver suas permissões nos próximos seis meses. Um aumento de preço, segundo ele, causaria evasão no transporte seletivo, e reduziria a receita.

Além dos permissionários, a reunião deverá contar também com protestos do lado de fora, o que tradicionalmente já ocorre. A União Metropolitana dos Estudantes Secundários de Porto Alegre e a União Gaúcha dos Estudantes Secundaristas anunciaram que farão um movimento conjunto contra o provável aumento em frente à prefeitura.

O PSOL protocolou nesta quarta-feira, 20, uma ação popular na Justiça, pela qual tenta suspender ou anular o processo de reajuste. A alegação é que o prazo previsto em edital para reajuste, de 12 meses, não está sendo respeitado.

INTEGRANTES DO COMTU

Secretaria Municipal dos Transportes (SMT/EPTC)

Secretaria Municipal de Urbanismo (Smurb)

Secretaria Municipal de Infraestrutura e Mobilidade (Smov)

Procuradoria Geral do Município (PGM)

Companhia Carris Porto-Alegrense (Carris)

Secretaria Municipal do Meio Ambiente e Sustentabilidade (Smams)

Orçamento Participativo (OP)

Sindicato dos Taxistas de Porto Alegre (Sintáxi)

Fundação Metropolitana de Planejamento (Metroplan)

Central Única dos Trabalhadores (CUT)

Conselho Regional de Economia (CRE)

União Metropolitana de Estudantes Secundaristas (Umespa)

Federação dos Trabalhadores Aposentados Pensionistas do Estado do Rio Grande do Sul (Fetapergs)

União das Associações de Moradores de Porto Alegre (Uampa)

Associação dos Transportadores de Passageiros (ATP)

Associação dos Transportadores de Passageiros por Lotação de Porto Alegre (ATL)

Sindicato dos Transportadores Escolares de Porto Alegre (Sintepa)

Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Coletivos de Porto Alegre (STETCUPA)

Departamento Estadual de Trânsito (Detran)

Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Rio Grande do Sul (CREA)

Brigada Militar (BM)

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta