Linha 18-Bronze do ABC será implementada, mas governo do Estado estuda o “melhor formato”, diz Doria em São Bernardo do Campo

Ilustração de monotrilho. Linhas estão ficando cada vez mais cara. Imagem: Abifer – Clique para ampliar

Segundo governador, existem alternativas para a ligação que ainda serão anunciadas

ADAMO BAZANI

Em agenda pública nesta terça-feira, 15 de janeiro de 2019, durante a inauguração de uma unidade da rede “Bom Prato”, de alimentação popular, em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, o governador de São Paulo, João Doria, garantiu que a linha 18-Bronze vai ser implementada ainda em sua gestão.

Projetada como monotrilho, a linha 18 deve ligar São Bernardo do Campo, Santo André, São Caetano do Sul até a estação Tamanduateí, da linha 2-Verde do Metrô e 10-Turquesa da CPTM, na capital. As obras deveriam ter sido concluídas entre 2014 e 2015. O modal foi apontado, em 2009, como alternativa de baixo custo em comparação ao metrô.

Entretanto, depois de atrasos e pelas complexidades técnicas para a implantação, os monotrilhos estão ficando cada vez mais caros e os custos por quilômetro têm se aproximado de uma linha de metrô, apesar de a capacidade ser bem menor.

Segundo Doria, o governo do Estado realiza estudos para definir o melhor formato e aí sim, retomar os planos para a ligação prevista. O governador não descarta um novo projeto.

“Essa linha 18 será implementada. Estamos estudando qual o melhor formato, mas obra parada não vai existir em nosso governo. O próprio projeto pode mudar para uma viabilização com recursos privados”. – disse Doria.

Ouça:

O governador disse que não haverá dinheiro público para obras de transporte coletivo e insistiu nos modelos de PPPs  – Parcerias Público Privadas.

A linha 18 é uma PPP, mas a falta de recursos para o governo estadual financiar as desapropriações necessárias para a instalação das estações e das vigas dos elevados do sistema de trens com pneus atualmente é o maior entrave para o monotrilho.

O cálculo do Governo do Estado é que sejam necessários para desapropriação, US$ 182,7 milhões – o equivalente a R$ 680 milhões pela cotação da tarde desta terça-feira, 15 de janeiro de 2019.

Doria disse ainda que em breve serão anunciadas alternativas para a implantação da ligação da linha 18.

“Quero deixar claro que não haverá dinheiro público para o transporte coletivo. Todas as nossas ações serão feitas através de PPP – Parcerias Público Privadas. Nós estamos estudando qual a melhor das alternativas, mas há alternativas. Estamos cientes de que há e oportunamente vamos anunciar.”

Desde 2015, o Governo do Estado tenta, mas não consegue aval da Comissão de Financiamentos Externos (Cofiex), órgão colegiado do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, para obter dinheiro no exterior. O aval é necessário porque em caso de operações externas, o Governo Federal atuaria como uma espécie de fiador do negócio. Se São Paulo não pagasse, a conta iria para a União. Mas o Estado, na ocasião tinha um índice de risco de inadimplência, na visão da Cofiex, alto e a classificação de crédito era C-.

Em 2014, o monotrilho da linha 18-Bronze tinha uma previsão de consumir R$ 4,69 bilhões (R$ 4.699.274.000,00) para ficar pronto. Agora, os 15,7 km devem custar mais de R$ 5,5 bilhões, de acordo com atualização do governo do Estado.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Paulo Gil disse:

    Amigos, boa tarde.

    Este itinerário (São Bernardo do Campo, Santo André, São Caetano do Sul até a estação Tamanduateí) é questionável, afinal já existe a CPTM e a Metra, mas …

    Porém, antes de inciar a linha 18, é prioridade eliminar os problemas da CPTM já existentes (Luz-Rio Grande da Serra) e terminar os 2 aerotrens parados em Sampa mais o metro laranja.

    Não é razoável inciar uma nova obra com outras 3 “inacabadas e paradas”.

    Att,

    Paulo Gil

  2. Orlando disse:

    Isso aí Paulo Gil. ..terminar primeiro o que está em curso. Pra depois pensar em novas obras

  3. Orlando disse:

    Existe sim avenidas largas no ABC.sem precisar desapropriação

  4. Luiz Carlos Direnzi disse:

    Não sei, não consigo aceitar essa ideia de monotrilho. Façam igual os americanos onde os trens suburbanos correm sob estruturas metálicas ou de concreto e pronto.

  5. Gerson Carvalho disse:

    Prezados, boa noite!

    Grande Paulo Gil! Há quanto tempo não nos falamos, mesmo que virtualmente! Satisgacão em reencontrá-lo!

    Por estes dias, eu estava lendo um de nossos comentários aqui no Diário e o assunto era justamente este, onde eu discordei em partes de seus comentários, sobre a linha 18… Pois bem meu amigo, desta vez, concordo plenamente contigo!

    O Metrô que deveria ter existido (digo no passado, pois não vai acontecer), seria o traçado no atual corredor da Metra, excetuando o trecho SÃO MATEUS X JABAQUARA, pois já teria a Extensão da Linha 2 – Verde ou 15 – Prata passando por São Mateus, até a Vila Prudente.

    Realmente, melhorem e ampliem o atendimento da Linha 10 e da Metra.

    Querem uma nova opção no trecho SBC X SP-TAMANDUATEI? Criem uma nova linha da Metra, porém com o padrão dela de veículos, paradas e exclusividade.

    Abracos Gil e aos demais leitores!

    Gerson Carvalho

    1. Paulo Gil disse:

      Gerson Carvalho, boa tarde.

      Obrigado por suas palavras e também estou contente em reencontrá-lo.

      Pena que os assuntos continuam os mesmos, pois nada muda e nem avança.

      Rssssssssss

      Abraços,

      Paulo Gil

  6. Luis Nunez disse:

    Deixe-me discordar de opiniões postadas nos comentários:
    1) A Metra não faz o percurso entre Tamanduateí e o Centro de São Bernardo.
    2) O serviço da Metra é apenas razoável. Quem pega a linha 288/289 no metro Jabaquara com destino ao ABC ou mesmo em Santo André com destino a São Mateus em dia de semana as 18:30 horas, sabe do que eu estou falando.
    3) Se utilizar outro tipo de transporte que não seja do metro, teremos que pagar outra tarifa, exemplo de que acontece nas “integrações” da Metra com o Metro, CPTM e transporte municipal de Diadema (que foi remodelado pensado na integração com as linhas de troleibus).
    4) O traçado do monotrilho não tem nada a ver com a linha 10 da CPTM. Ela vai atender a bairros, que não são atendidos por transporte de massa como o Rudge Ramos e Vila Vivaldi, e vai aproximar o transporte de massa a outros bairros de São Bernardo e Santo André.
    5) A população do ABC, é tão mal servida de transporte (vide a EMTU que até hoje não fez a licitação das linhas intermunicipais da região), que não dá e não deve ficar esperando outras regiões da grande São Paulo, serem atendidas primeiro, para depois o ABC ser contemplado. Ao contrário, devemos lutar, exigir, protestar por um transporte de massa digno, pois com ele, trazemos qualidade de vida e desenvolvimento econômico. Já abrimos mão de muitas coisas, como a linha 10 que deixou de atender a estação Brás. Voces já tentaram ir do Brás a Barra Funda no horário de pico da manhã? Ou já esqueceram da tarifa de integração que foi imposta nos terminais Diadema e Piraporinha em Diadema?
    Luis Nunez

    1. Paulo Gil disse:

      Luiz Nunes, boa tarde.

      Suas considerações são perfeitas; e eu não sou contra a Linha 18 Bronze do ABC, já morei no ABC e por mim ela já estaria pronta; mas penso que diante das pendências existentes, este não é o momento.

      Lembrando que o alagamento da linha da CPTM na Mooca existe há mais de 50 anos, bem como o vão e a altura entre o trem e a plataforma também.

      Abçs,

      Paulo Gil

    2. ericisco22Eric disse:

      Exatamente Luis, a prioridade máxima uma linha que ligue São bernardo com o resto do ABC e SP. Depender da metra não ajuda em nada. Hoje, um morador de são bernardo que quiser chegar a uma linha de metro, precisa pegar umas 3 conduções antes, isso é desumano. O governo pode muito bem continuar as outras obras e iniciar a implantação da linha 18. Procurem escutar os próprios moradores de são bernardo, antes de dizer o que é ou não prioridade.

  7. andre disse:

    nao haverá dinheiro publico investido … entao nao haverá investimento do BNDES? nao haverá contraprestaçao pecuniaria? não haverá risco zero para a concessionaria? isso é tudo balela

  8. ANDRE FERNANDES disse:

    ESSA OBRA SO SAI QUANDO AS OUTRAS OBRAS DO MONOTRILHO JA ESTIVEREM IMPLANDADAS A ANOS AI E SO TRAZER TRENS USADOS DELAS POIS O ABC SO PEGA SOBRA TANTO NOS TRENS COMO NOS ONIBUS JA A METRA E MUITO OBA OBA MAS QUEM UTILIZA SABE BEM COMO ELA FUNCIONA

  9. Clara Lucia disse:

    Moro perto da linha Prata ZL . Antes de especular novas linhas PRECISAM Terminar o que está começado não é?
    E tem mais, a ligação do metrô para a Moóca ninguém fala nada?
    Transporte público é uma NECESSIDADE.

  10. Rafael disse:

    Já passou da hora da linha Bronze estar pronta.

    Os serviços da Metra são muito ruins, vide quem utiliza o percurso Ferrazópolis, Diadema, Berrine ou qualquer outra estação da Metra.

    Em horários de pico com muitas filas e PESSIMOS funcionários que – na maioria das vezes não consegue nem passar informações para os usuários.

    Uma PPP deverá ser bem vinda para a população do ABC

  11. Élio J. B. Camargo disse:

    Em lugar do monotrilho, (altos investimentos e baixa capacidade) deveriam investir na melhoria da Linha 10 da CPTM (linha expressa, melhor integração) para S. Caetano e S. André. Para S. Bernardo deveriam investir num BRT na Via Anchieta, que não precisa de desapropriação.

  12. João Campos disse:

    Problema contraditório: as cidades que abrigam grandes montadoras, fabrincando e proporcionando conforto àqueles que usufruem de transporte privado (muitos de nossos governantes), não tem como retorno um transporte publico de qualidade.

    A linha 10 não atende os bairros próximos ao centro de São Bernardo e diversos outros bairros que a linha 18 atenderia, e a linha 10 também já é uma linha saturada. Eu já testei ir para a linha verde do metrô pegando a Metra em SBC até Sto. André, acaba dando no mesmo tempo (considerando que vou pegar o expresso da linha 10). Não vejo como alternativa ampliar o trólebus em substituição a linha 18, pois essa alternativa já nasceria comprometida não suportando a capacidade de usuários, pelo meu entendimento de passageiro.

    No entanto o entrave do monotrilho 18 agrava ainda mais a oferta de transporte da região, com as frotas dos intermunicipais se degradando com o tempo (uma das frotas mais antigas da Grande São Paulo). Espero que o próximo prazo que provavelmente será anunciado esse ano seja plausível com a necessidade da população que há anos sofre.

Deixe uma resposta