Doria vai a Brasília pedir por Ferroanel e Trem Intercidades

Ministro da Infraestrutura promete viabilizar projetos com recursos da iniciativa privada

ALEXANDRE PELEGI

O governador paulista João Doria foi recebido na manhã desta quinta-feira, 10 de janeiro de 2019, pelo ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas.

No encontro, três projetos importantes que há tempos estão no plano das intenções: Ferroanel, Trem Intercidades e concessão da rodovia Rio-Santos.

Os dois primeiros são fundamentais por sua importância para o transporte da Macrometrópole paulista.

O Ministro afirmou que os projetos serão conduzidos “a quatro mãos”, mas não falou em recursos do Tesouro. Tarcísio Gomes de Freitas disse o investimento será do setor privado, como no caso do Ferroanel (Contorno Ferroviário da Região Metropolitana de São Paulo), orçado em R$ 5 bilhões, cujo implementação será viabilizada como resultado da renovação do contrato com a concessionária MRS Logística, que opera no Estado de São Paulo.

As duas linhas do Trem Intercidades – região metropolitana de Campinas e Vale do Paraíba – serão possíveis mediante uma “licitação privada, onde vai haver compartilhamento das linhas que já existem“, segundo o ministro.

FERROANEL:

O projeto do Ferroanel Norte, conforme descrito no site da Dersa, órgão do Governo de São Paulo, “será um ramal ferroviário de 53 quilômetros de extensão que interligará as estações de Perus, em São Paulo, e de Manoel Feio, em Itaquaquecetuba, em área contígua ao traçado do Rodoanel”.

Com sua implantação será possível eliminar o conflito hoje existente entre os trens de carga e os de passageiros da CPTM, que compartilham os mesmos trilhos.

Com o novo ramal será possível a movimentação de cargas do interior do Estado para o Porto de Santos, bem como a passagem de comboios entre o interior e o Vale do Paraíba.

Outro fator importante será a transposição das cargas, hoje rodoviárias, para o modo ferroviário. Projeções indicam que com isso será possível retirar, a médio prazo, 2,8 mil caminhões/dia das estradas. Há possibilidade desse número superar 7,3 mil caminhões/dia ao longo do tempo.

A implantação do Trem Intercidades constava do programa do candidato João Doria, “ligando São Paulo, Campinas e Americana, sob um Plano Estadual de Trens Regionais a ser consolidado na gestão”.

FERROVIAS SERÃO PRIORIDADE EM PROJETOS DE CONCESSÃO

Ao mesmo tempo em que trabalha para fechar a estatal Valec, que cuida do setor de trilhos, o governo Bolsonaro já definiu os projetos de concessão de ferrovias e rodovias como prioritários em 2019.

A informação é do site G1, que atribui a afirmação ao secretário especial da Secretaria do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), Adalberto Vasconcelos.

Em entrevista a G1, Adalberto afirmou: “A prioridade agora é ferrovias e rodovias. E estaremos com o BNDES como parceiro do PPI para estruturar projetos”. Ele adiantou também que estão sendo selecionados novos projetos para entrarem no programa.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Laurindo Junqueira disse:

    Por que o Ferroanel Norte e não o Sul? Porque o Norte interessa ao mesmo grupo (de mineiros de Minas) que tentou empreender o porto e o retroporto de Sepetiba (Itamar Franco, Clesio Andrade, Eike Batista e Lula). Seu objetivo é viabilizar esse porto com cargas hoje destinadas a Santos. Se se estivesse querendo aliviar Sampa e potencializar Santos, o arco ferroviário prioritário deveria ser o Sul e não o Norte. Na verdade, os três arcos seriam necessários, em sequência: o S, o N e o Oeste (q os interligaria).

  2. ROBERTO ANDRADE DA SILVA disse:

    BOM DIA ELE TEM DE DE ABAIXAR SÃO AS CONTAS DE LUZ QUE ESTA UM PREÇO ABSURDO
    E A SABESP TAMBÉM TEM MUITAS GENTE AQUI EM SÃO BERNARDO DO CAMPO SP QUE NÃO TEM ESGOTO E VEM NAS CONTAS ISTO E ERRADO PAGAR UMA COISA QUE NÃO TEM SENDO QUE SBC NÃO FALTA AGUA VAMOS VER ISTO NE SEU JOÃO DORIA ESPERO QUE VC VAI MELHOR PARA O POVO NÃO AUMENTAS AS COISAS

  3. Muda para o Rio, Roberto!

Deixe uma resposta para Donaldo Dagnone Cancelar resposta