Sistemas integrados em produção seriada da ZF permitem eletrificar todos os tipos de veículos

Empresa fornece motores elétricos para uma ampla gama de veículos, de bicicletas a ônibus e caminhões de 40 toneladas

ALEXANDRE PELEGI

A ZF Friedrichshafen AG, líder mundial em driveline e tecnologia de chassis, investe anualmente mais de 6% de seu faturamento em pesquisa e desenvolvimento. Um dos focos da empresa está na produção de acionamentos eficientes e elétricos.

Uma das maiores fornecedoras do setor automotivo do mundo, a empresa está se dedicando cada vez mais na eletrificação de veículos, e disponibiliza agora sua maior linha de soluções híbridas e totalmente elétricas para quase todos os segmentos.

Em 2008, foi a primeira empresa na Europa a produzir em larga escala módulos híbridos, tecnologia que reduz a emissão de CO2 em até 70%, em comparação com os veículos com motores a combustão.

OPÇÕES PARA TRANSPORTE URBANO: ÔNIBUS E CAMINHÕES

Veículos comerciais também se beneficiam da eletrificação graças à ZF, garante comunicado da empresa distribuído à imprensa especializada.

No caso de ônibus rodoviários e caminhões de 40 toneladas, o sistema automatizado TraXon Hybrid permite uma economia de 7%, dependendo da aplicação. Um motor elétrico com uma relação de transmissão integrada – posicionada entre o motor a combustão e a transmissão – suporta no máximo 130 kW e 1.200 de torque de saída.

O TraXon Hybrid funciona em viagens de longa distância paralelamente ao motor a diesel, e pode operar também nos centros das cidades, segundo a ZF. O sistema permite ainda manobras em pátios ou docas com um motor autônomo silencioso e sem emissão de poluentes.

O eixo portal elétrico AxTrax AVE, já aprovado diversas vezes, está em produção em larga escala para ônibus urbanos de piso baixo. A ZF aposta no conceito do motor elétrico integrado próximo à roda. Os dois motores assíncronos refrigerados a líquido entregam 2 x 125 kW e 2 x 11.000 Nm, que auxiliam no domínio de topologias urbanas bastante desafiadoras.

Para a melhor eficiência possível, a ZF está oferecendo o AxTrax AVE em um sistema em rede, com inversores totalmente integrados e controle de tração. O eixo portal elétrico abrange séries híbridas assim como séries totalmente elétricas, sejam alimentadas por baterias, célula de combustível ou linhas aéreas de contato.

A ZF oferece ainda o sistema central de tração elétrica CeTrax, para ônibus de pisos baixos e altos. Gerando até 300 kW e 4.400 Nm, ele foi projetado para aplicações desafiadoras, tem como características seu peso e eficiência.

Graças à abordagem “Plug and Drive”, o CeTrax pode ser integrado em plataformas de veículos existentes sem precisar de grandes modificações nos chassis, eixos, no rebaixamento ou nos diferenciais.

O CeTrax lite é a variante mais compacta do sistema para vans e veículos comerciais leves de até 7,5 toneladas, considerando que ele gera 150 kW e 380 Nm, pesa somente 120 kg e inclui uma relação de transmissão de marcha única. O CeTrax mid está disponível para veículos de até 19 toneladas. Seus dois motores elétricos assíncronos instalados em posições paralelas fornecem 300 kW e 760 em transmissão de dois estágios.

DE BICICLETAS A CARROS DE CORRIDA

A ZF afirma estar preparada tanto para tração totalmente elétrica como para híbrida, e anuncia que vai o cobrir o setor de mini veículos por meio de uma joint-venture com a Sachs Micro Mobility GmbH.

Para tanto, lançou o motor compacto Sachs RS para bicicletas, com assistência ao pedal ou elétricas, por exemplo, que pode ser integrado em diferentes formatos de quadro.

Na outra ponta do campo de velocidades, a ZF atuará na série de corridas automobilísticas Fórmula E. A empresa fornecerá, para a temporada de 2018/2019, o sistema completo de tração do carro de corrida da equipe Venturi, que atinge 280 km/h. O sistema cobre o potente motor elétrico de 200 kW (potência limitada pelas regras), incluindo a unidade eletrônica, um novo diferencial de corrida assim como uma transmissão para competição.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta