Alerta para cinto de segurança desafivelado será obrigatório no Brasil, inclusive para ônibus

Modelos novos de ônibus devem seguir as regras a partir de 2021 e os já em produção na ocasião, a partir de 2023 . Foto: Adamo Bazani (Diário do Transporte)/Clique para ampliar

Contran determina adoção gradual da tecnologia a partir de 2020

ADAMO BAZANI

Os veículos no Brasil terão de disponibilizar obrigatoriamente tecnologia de alerta para avisar que o cinto de segurança de motoristas está desafivelado.

É o que determina a resolução 760 do Contran – Conselho Nacional de Trânsito, publicada nesta segunda-feira, 31 de dezembro de 2018.

No caso dos assentos dos passageiros, o uso do dispositivo será opcional, mas se caso houver o equipamento, deve seguir as especificações técnicas impostas pelo Contran.

A implantação do equipamento será gradual e serve para carros, caminhonetes, vans, caminhões, caminhões-tratores, motor-casa, ônibus e micro-ônibus.

A partir de 2020, o dispositivo deve estar presente em todos os veículos leves lançados, sejam nacionais ou importados.

Já a partir de 2021, todos os veículos leves zero quilômetro, mesmo os modelos já em linha de produção antes desta data, deverão ter o equipamento de alerta.

No caso dos novos modelos de ônibus, micro-ônibus, motor-home e caminhões, a obrigatoriedade entra em vigor em 1º de janeiro de 2021.

Os modelos já em linha de produção destes veículos de grande porte terão de obrigatoriamente ter o alerta sonoro em 1º de janeiro de 2023.

Os veículos cujos assentos dos motoristas contam com sistema de suspensão terão de seguir a determinação a partir de 1º de janeiro de 2024.

Estão desobrigados a ter o dispositivo de alerta sonoro de cinto de segurança desafivelado veículos como de uso exclusivo fora-de-estrada; militares ou de uso bélico; veículos de salvamento; veículos de fabricação artesanal, réplicas e Buggy;  veículos para aplicações especiais mediante aprovação do DENATRAN; entre outros.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Em se tratando de onibus de linhas urbanas, os chamados pinga-pinga, acho totalmente desnecessario o uso do cinto de segurança para o condutor, por tratar-se de total egoismo do mesmo, pois justamente ele que está no comando e prevê tudo o que vai acontecer, é quem menos precisaria do cinto, em se comparando com os demais ocupantes do veiculo!

  2. Sinara disse:

    Discordo. Justamente por ser ele o principal responsável pela segurança de todos, é que precisa estar de cinto para ser arremessado e perder o controle por qualquer frenagem mais brusca ou impacto que ocorra.

Deixe uma resposta