Protesto de motoristas e cobradores paralisa terminal de ônibus em Fortaleza

Categoria teme a demissão de 4.500 cobradores. Foto: Divulgação / Sintro

Categoria é contra o fim da função de cobrador em algumas linhas do transporte coletivo

JESSICA MARQUES

Um protesto de motoristas e cobradores paralisou o terminal de ônibus do Bairro Antônio Bezerra, em Fortaleza, no Ceará, na manhã desta quinta-feira, 29 de novembro de 2018.

A categoria é contra o fim da função de cobrador em algumas linhas do transporte coletivo. A instalação de um sistema que descarta a presença do cobrador em ônibus que operam na capital e na Região Metropolitana causaram preocupação, segundo o Sintro (Sindicato dos Rodoviários do Estado do Ceará).

“Vamos continuar com essas manifestações pontuais se o prefeito Roberto Cláudio não recuar de tirar os trocadores de suas funções”, afirmou o presidente do Sintro, Flávio Braz.

O Sintro também acusa a Prefeitura de não estabelecer diálogo com a categoria, que teme a demissão de 4.500 cobradores após a instalação do sistema, que aceita apenas crédito eletrônico como pagamento.

A Prefeitura de Fortaleza foi procurada pelo Diário do Transporte e ainda não se posicionou sobre o assunto.

TESTES

Em Fortaleza, a extinção do cobrador ainda não é objeto de lei, como em Curitiba, mas preocupa o sindicato da categoria diante de testes que começaram a ser realizados no fim de outubro na linha 150 (Siqueira/ Papicu/ Washington Soares) da capital cearense. A 150 faz o mesmo itinerário da linha 050-Siqueira/Papicu/Washington Soares.

Os veículos que rodam na linha escolhida como piloto aceitam apenas pagamento eletrônico – vale transporte, bilhete único ou carteirinha de estudante (com crédito).

O ônibus circula sem a figura do cobrador e, portanto, não aceita passageiros que desejam pagar a tarifa em dinheiro.

Agora mais duas linhas se juntam à 150 na fase de testes: a linha 129 – Parangaba Náutico (simultânea à linha 029) e a 145 – Conjunto Ceará Papicu via Montese (simultânea à linha 045).

A Etufor (Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza), que gerencia o sistema de transporte coletivo na capital do Ceará, esclareceu em nota que o objetivo das avaliações nas linhas é “testar a tecnologia como favorecimento para a agilidade no embarque e desembarque, aumentando a velocidade dos coletivos, tornando a viagem mais rápida e melhor conectando os terminais do Siqueira e do Papicu, além de reduzir o dinheiro a bordo”.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Deixe uma resposta