Prefeitura do Rio de Janeiro lança projeto para incentivar deslocamento a pé

Segundo informações da Prefeitura, o teste vai durar dois dias, no entorno da estação São Francisco Xavier do metrô. Foto: Divulgação / Prefeitura do Rio de Janeiro.

Rio + Pedestre consiste em intervenção urbanística temporária de dois dias

JESSICA MARQUES

A Prefeitura do Rio de Janeiro lançou nesta sexta-feira, 16 de novembro de 2018, um projeto para incentivar o deslocamento a pé pelo bairro da Tijuca, na Zona Norte. O Rio + Pedestre consiste em intervenção urbanística temporária de dois dias.

Segundo informações da Prefeitura, o teste vai durar dois dias, no entorno da estação São Francisco Xavier do metrô. As mudanças serão colocadas em prática no domingo, 18 de novembro, e na segunda-feira, 19.

A intervenção vai alterar locais de estacionamento e pontos de ônibus da região, durante os dias em que o projeto será executado.

“As modificações, porém, começaram nesta sexta, 16, com proibições de estacionamento, e no sábado, quando começará a operação para pintar o chão e preparar a intervenção temporária. O objetivo do programa é tornar as ruas da cidade mais amigáveis a quem caminha por elas e incentivar a ocupação do espaço público pelo pedestre”, informou a Prefeitura, em nota.

A extensão da área que será pintada é de 1.200 m². Será feita também a ampliação das calçadas da Praça Carlos Paolera, da Rua São Francisco Xavier, em frente à igreja e nas esquinas com a Rua Heitor Beltrão e Doutor Satamini. As novas calçadas serão protegidas por 200 cones e 80 vasos de plantas, segundo a Prefeitura.

Além disso, o projeto prevê a criação de seis faixas de pedestres novas, e as já existentes serão aumentadas. A operação, que envolve pintura e instalação dos cones e vasos, começa às 8h de sábado. As faixas de pedestre serão pintadas na madrugada de sábado para domingo. A previsão é que de que o projeto fique pronto às 8h de domingo.

“Agentes da CET-Rio e da Guarda Municipal darão apoio, com orientação a motoristas e pedestres. Os dois dias de experiência ajudarão a mostrar na prática se as mudanças propostas vão funcionar a contento. Moradores e frequentadores das ruas São Francisco Xavier e Heitor Beltrão, onde ocorrerão as intervenções, foram ouvidos sobre as alterações. Depois, também darão suas opiniões sobre os resultados. O processo de informação da população envolveu reuniões com representantes de moradores e distribuição de folhetos nas ruas. Ao fim dos testes, as ruas voltarão às suas demarcações normais”, garantiu a Prefeitura, em nota.

CARROS X PEDESTRES

Pelo entorno da estação São Francisco Xavier do metrô passam aproximadamente 1.500 pessoas por hora e horário de pico. Entretanto, O fluxo de veículos chega a 60 mil por dia.

Segundo a Prefeitura, estudos da Secretaria Municipal de Urbanismo e do ITDP Brasil, ONG voltada para mobilidade urbana e parceira no projeto, apontaram faixa de rolamento para veículos ociosa (com baixo fluxo), enquanto em muitos pontos a circulação de pedestres é dificultada.

O ônibus também é apontado pela Prefeitura como um elemento que interfere na paisagem turística da região.

“Outro aspecto destacado no levantamento: a Igreja de São Francisco Xavier, que detém o título de patrimônio cultural da cidade, fica praticamente escondida por ônibus parados em frente e não pode ser apreciada pelo cidadão.”

“As ações de urbanismo tático, como as intervenções temporárias, permitem que os gestores públicos se aproximem dos anseios da população, assim como permitem que a população compreenda melhor os propósitos das mudanças que deverão ser implementadas. Isso é saudável para ambos os lados e reduz resistências e distorções. É um passo importante dado pela Prefeitura do Rio”, explica Clarisse Cunha Linke, diretora executiva do ITDP Brasil, organização internacional sem fins lucrativos que atua em países em desenvolvimento para promover transporte sustentável e acesso às cidades, com redução de emissões de carbono.

ALTERAÇÃO EM ESTACIONAMENTO DE CARROS E PONTO DE ÔNIBUS

Os pontos de parada de quatro linhas de ônibus serão alterados durante a intervenção urbanística temporária. Os 160 motoristas que trabalham nessas linhas receberam treinamento para que conheçam as mudanças, segundo a Prefeitura.

“Foram orientados também sobre comportamento no trânsito, com aulas de segurança viária, já que o novo desenho das calçadas e a colocação de novas faixas de pedestres exigirá atenção maior. As modificações estarão sinalizadas, para orientação dos passageiros.”

Áreas públicas de estacionamento serão temporariamente removidas. O estacionamento em três locais está proibido a partir desde 01h de sexta-feira, 16/11, até 17h de terça, dia 20. Os locais de proibição são os seguintes:

·         Junto ao lado direito da Rua São Francisco Xavier, trecho entre a Rua Pereira de Siqueira e a Avenida Heitor Beltrão;

·         Avenida Heitor Beltrão, lado oposto ao Metro São Francisco Xavier, no trecho junto à Praça Carlos Paolera;

·         Rua São Francisco Xavier, em frente ao número 68.

“Durante a madrugada de sábado, equipes da prefeitura já estarão nas ruas preparando a região e instalando a sinalização viária.  Não estão previstos desvios de tráfego. Mesmo assim, a CET-Rio recomenda que sejam respeitadas as orientações dos controladores de trânsito e também toda a sinalização implantada na área.”

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Tá de brincadeira esta administração do Rio , ao invés de se criar projetos de urbanização e melhor transporte para a população eles querem fazer a população andar a pé ? E que esqueci eles ) poliricos) andam com seus carrao importados . ( Lamentável).

  2. Marc disse:

    Maquiagem pra inglês ver. Enquanto isso andar pelas ruas do centro é quase uma prova olimpica. Tem que desviar dos buracos e dos camelôs que ocupam 90% das calçadas. Sr. Prefeito por que não vai dar um passeio a pé pelas ruas Uruguaiana e Gonçalves Dias num dia comum?

  3. JOSE MANOEL DE OLIVEIRA disse:

    PARABENIZO COM VEEMENCIA PARA A MUDANÇA DE QUADRO DE NOSSAS REALIDADES, POREM CADE AS CALÇADAS.
    QUE PUDESSEMOS OLHAR NAO SO EM VOLTA DE NOSSOS PES, CONVIDANDO PARA ENTRAR EM CENA A PROJEÇAO JUNTO AO MINISTERIO DAS CIDADES EXIGINDO A PARTIR DA DATA DE HOJE TODO E QUALQUER APRESENTAÇAO DE MAPAS E PROJETOS EM TODO TERRIRORIO HAJA EXIGENCIA MINIMA DE CINCO OU TRES METROS DE CALÇADA COM VISAO TERRITORIAL HUMANISTICA, SOCIAL E MOBILIDADE ONDE O TRANSITO DE PESSOAS SEJA PRIORIDADE. PORQUE BECOS E VIELAS.
    DESCARACTERIZANDO JA AQUI A FALACIA DE QUE ISTO NAO E CONOSCO TAL COMO TEMOS OUVIDO ATE AGORA.
    PROPONDO TAMBEM 90 POR CENTO DE MULTAS DE TRANSITO RECOLHIDA SEJA APLICADO NO LOCAL DA INFRAÇAO E MUNICIPIO ONDE ARRECADAM MUITISSIMO NAO SABEMOS PARAONDE VAI. UMA COISA SABEMOS ILUMINAÇAO E SINALIZAÇAO, ONDE NAO TEM FAIXAS NO CHAO E NEM ILUMINAÇAO BASTA POSSAR HOJE MESMO POR ESTA VIA.
    PARA VIAS SAO VALORES DE VIDAS ONDE NO RIO DE JANEIRO NA ESTRADA PIRANEMA LIGANDO ITAGUAI E SEROPEDICA TEMOS OTIMO EXEMPLO DE COMO PODERIA SER GASTO OS VALORES CONFIADO NAS MAOS DE NOSSAS AUTORIDADES, CALÇADAS JA ILUMINAÇAO E SINALIZAÇAO DE VIAS TAMBEM.

Deixe uma resposta