Pesquisa da Confederação Nacional dos Transportes mostra que 57% das rodovias brasileiras apresentam problemas

Rodovias de São Paulo foram as mais bem avaliadas do país. Foto: Divulgação.

CNT também divulgou ranking das melhores e piores vias do país

JESSICA MARQUES

A CNT (Confederação Nacional dos Transportes) divulgou nesta quarta-feira, 17 de outubro de 2018, uma pesquisa que avalia a situação das rodovias brasileiras. Segundo o levantamento, 57% das estradas avaliadas apresentam problemas.

A Pesquisa CNT de Rodovias está na 22ª edição da Pesquisa CNT de Rodovias e analisou 107.161 quilômetros de rodovias no país. A avaliação considera as condições do pavimento, da sinalização e da geometria da via. Em 2017, o percentual era de 61,8%, portanto, houve uma ligeira melhora.

O estudo da CNT, feito em parceria com o SEST SENAT, abrange toda a extensão da malha pavimentada federal e as principais rodovias estaduais pavimentadas.

“Em relação ao pavimento, 50,9% dos trechos avaliados receberam classificação regular, ruim ou péssima. Na sinalização, 44,7% da extensão das rodovias apresentaram algum tipo de deficiência. Quando o aspecto é a geometria da via, 75,7% da extensão das rodovias brasileiras foram classificadas com regular, ruim ou péssima”, diz trecho da pesquisa.

Apesar da melhoria no panorama das rodovias, de 2017 para 2018, o número de pontos críticos subiu de 363 para 454, um aumento de 25,1%. São assim consideradas aquelas situações críticas que ocorrem ao longo da via e que podem trazer graves riscos à segurança dos usuários, conforme explicado pela CNT.

Confira a avaliação das rodovias por categoria:

rodovias.jpg

geral.jpg

PIORES LIGAÇÕES RODOVIÁRIAS

A CNT também divulgou um ranking com as 10 piores ligações rodoviárias. As rodovias estão localizadas no Paraná, Alagoas, Bahia, Goiás, Roraima, Acre, Pará, Tocantins, Distrito Federal e Minas Gerais.

Confira a lista das piores ligações rodoviárias:

piores.jpg

MELHORES LIGAÇÕES RODOVIÁRIAS

O estudo divulgou ainda a lista com as melhores rodovias do país. Todas passam pelo estado de São Paulo.

Confira:

melhores.jpg

“O levantamento da CNT é de extrema importância não apenas porque qualifica o trabalho diário que fazemos junto às concessionárias, mas também porque aponta onde ainda é possível atuarmos para melhorar ainda mais as rodovias paulistas”, avaliou Giovanni Pengue Filho, diretor geral da Artesp (Agência de Transporte do Estado de São Paulo), sobre o resultado do estudo.

INVESTIMENTOS E PREJUÍZOS

De acordo com a pesquisa, somente os problemas no pavimento geram um aumento médio de 26,7% no custo operacional do transporte. As rodovias com irregularidades também reduzem a segurança viária, aumentam o custo de manutenção dos veículos, além do consumo de combustível, lubrificantes, pneus e freios.

custo.jpg

“A falta de investimentos é a principal causa das péssimas condições das rodovias brasileiras. Para corrigir os problemas mais urgentes, reconstrução, restauração e readequação das vias desgastadas, são necessários R$ 48,08 bilhões. Isso é sete vezes mais do que o orçado pelo governo federal para todas obras em transporte rodoviário este ano”, avalia o presidente da CNT, Clésio Andrade.

O orçamento de 2018 para infraestrutura rodoviária é R$ 6,92 bilhões. Confira os investimentos ao longo dos últimos anos:

invest.jpg

TIPO DE GESTÃO

Os resultados são apresentados ainda por tipo de gestão, se pública ou concessionada.

Segundo o estudo, em 2018 foram avaliados 87.563 km (81,7%) de rodovias sob gestão pública e 19.598 km (18,3%) de rodovias concedidas. As rodovias sob gestão concedida apresentam 16.071 km avaliados classificados como Ótimo ou Bom no Estado Geral (81,9%).

Sob gestão pública, o percentual de rodovias classificadas como Ótimo ou Bom no Estado Geral é de apenas 34,2% (30.010 km).

Em 65,8% (57.553 km) das rodovias sob gestão pública avaliadas, foram identificados problemas, sendo classificadas como Regular, Ruim ou Péssimo no Estado Geral.

Por sua vez, nas rodovias sob gestão concedida, o percentual é de 18,1% (3.527 km).

Confira o gráfico com a avaliação por gestão:

gestão.jpg

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: