Investimentos em transportes menos poluentes devem ser multiplicados por cinco para limitar aquecimento global, diz IPCC

Redes de ônibus elétricos, à bateria ou trólebus, estão entre as alternativas para evitar aquecimento global. Foto: Adamo Bazani/Clique para Ampliar

Relatório do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas foi divulgado neste domingo e sugere a necessidade de esforços sem precedentes

ADAMO BAZANI

O mundo vai precisar multiplicar por cinco os investimentos em transportes menos poluentes contando com redes de metrô e frotas de ônibus elétricos, trólebus e a GNV, para limitar o aquecimento global em 1,5º C.

É o que mostra relatório do IPCC, sigla em inglês para Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, o mais importante fórum sobre o tema, divulgado neste domingo, 07 de outubro de 2018, na cidade sul-coreana de Incheon, que deverá ser detalhado hoje.

O relatório conta com seis mil referências científicas e foi assinado por 91 especialistas de mais de 40 países, de acordo com agências internacionais.

Também devem ser ampliados por cinco os investimentos para que edifícios e indústrias sejam menos poluentes.

O relatório é conclusivo em sugerir ações imediatas e “medidas sem precedentes”. Caso as emissões globais continuem no mesmo ritmo, o planeta pode ficar 1,5º C entre 2030 e 2052.

A meta é mais rigorosa que a estipulada pelo Acordo de Paris, assinado em 2016 por 195 países, inclusive o Brasil, que propõe que o aquecimento global seja limitado a 2ºC.

Fortes chuvas descontroladas em algumas regiões, secas severas em outras, ampliação das mortes prematuras por câncer e problemas respiratórios, grandes recursos usados em saúde pública, extinção de espécies de animais, a começar por marítimas e aves, fim dos corais estão entre as consequências relacionadas pelo fórum caso a temperatura se eleve em patamares superiores a 1,5º C.

O relatório mostra que se o aquecimento for limitado a 1,5º C será possível evitar aumento do nível do mar em 10 centímetros até 2100, o que salvaria zonas litorâneas e litorais.

O planejamento urbano também é destacado no relatório. O item inclui ações de saneamento básico, saúde pública, mobilidade urbana e oferta de emprego e renda mais próxima de onde as pessoas moram para reduzir as necessidades de deslocamentos.

Não somente o transporte coletivo deve ser incentivado, mas o transporte individual deve ser desestimulado.

E uma das formas de conciliar estas duas necessidades é fazer com que o transporte individual financie o transporte público coletivo.

Uma das propostas neste sentido é debatida há mais de cinco anos no congresso brasileiro; a Cide municipal ou Cide verde, que consiste na criação de um imposto sobre o litro da gasolina e etanol dos carros e motos cuja arrecadação seria destinada a redução dos valores de tarifas de ônibus, trens e metrô.

Apesar das legítimas queixas quanto ao aumento da carga tributária brasileira, os defensores da Cide Verde dizem para cada R$ 0,10 a mais nos combustíveis pode haver queda de R$ 0,30 nos valores das passagens, o que poderia reduzir a inflação.

Além disso, argumentam que seria uma espécie de justiça no financiamento do uso do espaço urbano, isso porque quem está no carro ou na moto proporcionalmente ocupa mais espaço e emite mais poluentes de forma individual em relação a quem se desloca de forma coletiva.

O relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas mostra ainda que em relação à mobilidade urbana e saúde pública, as nações da África e América Latina são as mais vulneráveis e onde os investimentos estão mais atrasados.

Nestes locais, o poder público ainda não assumiu o papel de protagonismo.

Agricultura mais sustentável e menos extensiva, além da necessidade de maior destinação de terrenos ao cultivo de recursos energéticos também estão entre as medidas consideradas essenciais pelos especialistas.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

 

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: