Expresso São Bento 70 anos: modernidade e tradição no Sul do País

Expresso São Bento investe em modernização de frota e adotou novo design, sem deixar, no entanto, as cores que são as marcas da empresa ao longo de décadas

Empresa é uma das mais antigas em circulação no Brasil. Com nova gestão, frota se modernizou e tecnologia chegou aos serviços, mas sem perder o DNA da paixão que os pioneiros já levavam no peito

ADAMO BAZANI

A Pesquisa Demografia de Empresas, realizada pelo IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, revelou, na sua versão mais recente de 2017, que a idade média das empresas ativas em todo o Brasil no ano de 2015 era de apenas 10,9 anos. Já o total de empresas com cinco anos era de apenas 37,8% entre todos os ramos registrados no País.

A pesquisa ainda revelou que está diminuindo o número de empresas tradicionais, com origens no século passado.

Assim, uma empresa que atravessa décadas de existência no Brasil pode ser considerada uma vencedora.

A Expresso São Bento, companhia de ônibus que faz rotas entre Santa Catarina e Paraná, é um destes exemplos de empresa.

A companhia foi fundada em 1948 por Lino Fortes Bouzan e Pasquale Palmieri, sendo a segunda empresa de ônibus no Brasil a conseguir registro do DNER – Departamento Nacional de Estradas de Rodagem. Nesta época, era o DNER que concedia as permissões para operação de linhas rodoviárias interestaduais. Hoje esta atribuição é da ANTT – Agência Nacional de Transportes Terrestres.

Desde 2015, a São Bento integra o mesmo grupo da Leblon Transporte de Passageiros, que atua em linhas urbanas e metropolitanas das cidades de Curitiba, Fazenda Rio Grande e Mandirituba. O Grupo coleciona certificações de qualidade, meio ambiente e segurança, além de premiações como várias edições do Prêmio de Qualidade da ANTP – Associação Nacional de Transportes Públicos.

Servir com excelência à Excelência é atender com cordialidade e respeito o cliente do transporte, segundo empresa

Servir com “excelência à Excelência” é a política do grupo que se estende para a Expresso São Bento.

Para isso, vários investimentos têm sido realizados, com a modernização da frota e do atendimento ao passageiro, sem deixar de lado a paixão e o DNA dos pioneiros dos transportes rodoviários do País.

Com diferentes tipos de serviços, São Bento preza pela manutenção da frota, o que garante segurança aos passageiros

A Expresso São Bento tem uma frota de 16 ônibus que tem sido renovada. Modernos ônibus com wi-fi, ar-condicionado, banheiro e com pacotes de entretenimento aos passageiros por meio de vídeos, realizam as ligações entre os dois estados, atendendo às seguintes linhas: Curitiba (PR) | São Bento do Sul (SC);  Curitiba (PR) | Jaraguá do Sul (SC);  São Bento do Sul (SC) | Jaraguá do Sul (SC);  Curitiba (PR) | Piên (PR) e Agudos do Sul (PR) | Fazenda Rio Grande (PR).

Os novos veículos já estão com a identidade visual da empresa renovada, que traz a imagem de uma águia estilizada, passando a mensagem de visão, agilidade e proteção (os principais atributos desta ave na natureza), mas sem deixar de lado as cores tradicionais da companhia: branco, amarelo e preto.

São Bento serve a uma das regiões mais bonitas do Sul do País, onde natureza faz parte do contexto das cidades

Outra inovação é que a São Bento passou a comercializar as passagens pela internet e realizar a emissão embarcada de passagens, oferecendo assim, maior praticidade aos passageiros, que agora podem se programar melhor antes de viajar. O site da empresa foi reformulado, oferecendo fácil navegação e acesso às informações para a compra e consulta de trajetos e horários. Mais uma vez a tradição não foi deixada de lado e o portal traz a história completa da empresa, com dados e fotos de diversas épocas.

A empresa reúne inovação e as características tradicionais do setor rodoviário.

No início, ônibus rústicos de madeira, as velhas jardineiras, além de transportarem passageiros, levavam encomendas paras as mais variadas regiões, inclusive para aquelas de mais difícil acesso, onde os trilhos das ferrovias não conseguiam chegar.

E a Expresso São Bento também voltou a atuar no segmento de entregas de encomendas, que são transportadas com toda a segurança e coberturas previstas em lei nos ônibus e nas vans à serviço da empresa. Há possibilidade de entrega e recebimento das encomendas nos guichês ou de porta em porta. Mas agora, tudo evoluiu, com coberturas de seguro, rastreamento e veículos modernos.

Ao longo de 70 anos, São Bento sempre trilhou os caminhos dos Sul interagindo com as belas paisagens do local e fazendo parte do contexto de crescimento da região.

A Expresso São Bento atende a regiões belíssimas do Sul do País, com grande potencial turístico de baixo custo.

Entre os exemplos estão o Passeio de Maria Fumaça, em São Bento do Sul; o Vale Perdido, que oferece aos turistas a oportunidade de curtir a natureza, contemplando, por exemplo, cachoeiras lindíssimas; Corupá, em Santa Catarina, que tem rota da cachoeira, um caminho paradisíaco com 14 cachoeiras, e o Morro da Boa Vista, em Jaraguá do Sul, com uma visão paradisíaca de tirar o fôlego.

Para a Expresso São Bento, experiência e inovação caminham juntas.

Confira a história da São Bento.

EXPRESSO SÃO BENTO: DESBRAVADORA DO SUL DO PAÍS

Os trajetos pelo Sul do País não eram fáceis e, muitas vezes, era necessário enfrentar lama e áreas de alagamento para seguir em frente, mas os esforços valeram a pena

Empresa foi a segunda no Brasil a conseguir registro oficial para o transporte de passageiros

A história do transporte de passageiros está intimamente relacionada com o desenvolvimento econômico das diferentes regiões do País e com o crescimento pessoal de milhões de cidadãos ao longo do tempo. Isso porque, o setor de transportes, especialmente por ônibus no caso do Brasil, foi o que conseguiu dar a resposta mais rápida às necessidades de deslocamento da população à medida que determinadas regiões se tornavam mais atrativas que as outras para moradia e trabalho. E, especificamente sobre os transportes por ônibus, o serviço de ligar pessoas à concretização do sonho de uma melhor qualidade de vida vinha muito antes da infraestrutura viária.

São Bento foi a segunda empresa do País a receber a autorização do DNER para operar, sendo pioneira na ligação entre São Bento do Sul e Curitiba

Não era rara a cena de os ônibus, ainda feitos de madeiras, enfrentarem estradas de terra, atoleiros e até fazer travessia de córregos. Tudo movido pelo sonho, pelo ideal.

Com a Expresso São Bento não foi diferente. A história da empresa faz parte das memórias de crescimento de parte da região Sul do País.

A começar pela tradição. A “ Expresso São Bento” foi fundada em 1948 por Lino Fortes Bouzan e Pasquale Palmieri, sendo a segunda empresa de ônibus no Brasil a conseguir registro do DNER – Departamento Nacional de Estradas de Rodagem. Nesta época, era o DNER que concedia as permissões para operação de linhas rodoviárias interestaduais. Hoje esta atribuição é da ANTT –Agência Nacional de Transportes Terrestres.

Em 1948, a cidade de Curitiba, no Paraná, estava em plena expansão já assumindo ares de metrópole para os padrões da época. Os demais municípios da região Sul do País também cresciam, mas ainda sem a mesma oferta de serviços e oportunidades profissionais. A necessidade das cidades terem ligações era cada vez maior.

São Bento do Sul, em Santa Catarina, município criado em 30 de janeiro de 1884, foi marcado pela forte presença de imigrantes na ocasião da Áustria, Bavária, Prússia, Polônia, Saxônia, Tchecoslováquia. Logo que eles desembarcaram nas terras perceberam o potencial madeireiro da região.

Na época da fundação da Expresso São Bento, o parque industrial moveleiro para os padrões fabris da época começava a se expandir.

O fluxo até Curitiba então se tornava necessário no deslocamento de mão de obra entre os dois pontos e também de representantes comerciais destas fábricas.

Foi neste momento que a Expresso São Bento supriu a necessidade.

Mas ligar Paraná e Santa Catarina não era nada fácil. Se havia desenvolvimento em cada cidade, era no caminho entre elas que estavam as grandes dificuldades. Os ônibus da Expresso São Bento enfrentavam estradas de terra, atolavam e seus fundadores, que também dirigiam os veículos, iam com ferramentas para abrir novos caminhos e retirar os ônibus do lamaçal. Levar correntes para colocar nos pneus e enfrentar a pista escorregadia era obrigatório.

As estradas perigosas de lama e cascalho exigiam muita perícia e paixão dos profissionais de transporte

Quando chovia e havia cheias, era necessário parar de três a cinco dias no meio do percurso.

Foi assumindo um papel de desbravador que o setor de transportes contribuía não só para a ligação entre cidades, mas também para a criação de infraestrutura. Por onde os ônibus passavam, algo tinha de ser feito pelo poder público, mesmo que tardiamente. Assim, a rota dos ônibus virou caminho de desenvolvimento.

Com a expansão regional, motivada pelo crescimento econômico e populacional, novas cidades começaram a ganhar importância. Exemplo é Jaraguá do Sul, em Santa Catarina, que se destacou pela indústria têxtil.

E a Expresso São Bento mais uma vez acompanhou este desenvolvimento criando linhas para mais cidades ao longo de sua trajetória.

A linha entre Curitiba e Jaraguá do Sul foi permitida pelo DNER em 1964. Interessante é que na época, a empresa que quisesse operar qualquer linha tinha de depositar um valor como “caução” ao DNER, como se fosse,  guardadas as devidas proporções, uma outorga onerosa. Era uma espécie de garantia que a linha seria cumprida e que a empresa teria uma segurança jurídica evitando que outro operador fizesse o trajeto sem autorização.

Com o passar do tempo, a São Bento já tinha diversas ligações entre urbana intermunicipal, rodoviárias intermunicipais e rodoviárias interestaduais:

Curitiba (PR) / São Bento do Sul (SC)

Curitiba (PR) / Jaraguá do Sul (SC)

São Bento do Sul (SC) / Jaraguá do Sul (SC)

Curitiba (PR) / Piên (PR)

Agudos do Sul (PR) / Fazenda Rio Grande (PR)

Após o falecimento de Pasquale Palmieri, um dos fundadores da São Bento, os herdeiros decidiram vender a metade que pertencia ao pai. Assim, em 1971 entra na sociedade Dorival Piccoli, empresário de família tradicional dos transportes no Sul do País com atuações em empresas como Nossa Senhora da Penha, Empresa Curitiba Cerro Azul, Viação do Sul e Expresso Estrela Azul, entre outras.

Dorival Piccoli era representante e sócio da fabricante de carrocerias de ônibus Eliziário, que tinha sido assumida pela Marcopolo, antiga carrocerias Nicola.

A entrada de Piccoli representou o início de uma gestão mais experiente e pela facilidade de contato com as encarroçadoras também marcou uma renovação de frota.

Quando o outro fundador da empresa, Lino Fortes, morreu, Dorival Piccoli arrematou mais uma parte ficando com 87% da companhia de ônibus.

Ônibus Marcopolo da Expresso São Bento nos anos 1970. Os sinais de urbanização começavam a ficar mais intensos

Em 2015, o mesmo grupo da Leblon Transporte de Passageiro, que atende linhas urbanas e metropolitanas na grande Curitiba, assumiu a Expresso São Bento e realizou modernização da frota e do atendimento. Ônibus com ar-condicionado, kit multimídia de entretenimento para os passageiros, wi-fi e sanitários entraram em circulação. A empresa também passou posteriormente a comercializar passagens pela internet.

A entrada da nova direção marcou também uma identidade visual renovada da companhia, que passou a trazer a imagem de uma águia estilizada, passando a mensagem de visão, agilidade e proteção (os principais atributos desta ave na natureza), mas sem deixar de lado as cores tradicionais da companhia: branco, amarelo e preto.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

1 comentário em Expresso São Bento 70 anos: modernidade e tradição no Sul do País

  1. Muito bom , ler uma excelente matéria sobre Expresso São Bento .

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: