Vida de Magnata: Um verdadeiro passeio de Diplomata

Grupo de entusiastas faz uma viagem na história em um dos o ônibus mais emblemáticos da rota Rio – São Paulo a partir dos anos 1980

ADAMO BAZANI

Colaborou Alexandre Pelegi

Requinte, bom gosto, conforto e desempenho.

Quando se fala nestes atributos em alusão a um veículo, logo pode vir à cabeça a imagem de carrões modernos de luxo.

Mas neste caso, o modelo é de um ônibus: o Diplomata 380, fabricado pela Nielson, nome original da encarroçadora Busscar em alusão à família fundadora.

Fabricado na década dos anos 1980, o Diplomata 380 foi um dos primeiros modelos no qual o passageiro fica num nível bem mais elevado que do motorista.  O ônibus pode ter até 3,91 m de altura.

Dependendo da configuração, poltronas leito, com campainhas para chamar a rodomoça (isso mesmo) e revestimento interno das paredes como carpete eram itens que tornavam a viagem uma experiência.

Esta configuração podia ser encontrada no “Magnata”, nome dado pela Expresso Brasileiro Viação Ltda para o modelo no serviço leito de alto padrão da linha Rio-São Paulo a partir de 1984/1985.

Desde os anos 1950, a rota é uma das mais disputadas e mais lucrativas do setor rodoviário do País, o que fazia com que as empresas de ônibus buscassem oferecer diferenciais para conquistar clientes.

E nesta disputa quem ganhava era o passageiro.

Na segunda metade dos anos 1980, brilhavam pela rodovia Presidente Dutra neta ligação, o Flecha Azul (pela Viação Cometa), o Tribus (pela Viação Itapemirim) e o Diplomata 380 (pela Expresso Brasileiro).

E um pouco desta história pode ser revivida neste domingo, 02 de setembro de 2018.

Grupo Ônibus & Raridades na parada em Roseiro

O Grupo Ônibus & Raridades, de entusiastas da história dos transportes, realizou uma viagem especial ida e volta entre a Capital Paulista e a Basílica de Aparecida num autêntico Magnata que foi da Expresso Brasileiro e marcou a linha Rio-São Paulo. Os “Magnatas” operaram entre 1984 e 2012 na ligação.

Os veículos que tinham o prefixo da série 4000 eram de 1984. Em seguida, em 1985, vieram os ônibus da série 5000.

O ônibus utilizado no passeio foi o 5002.

Comprado pelo colecionador Osni Antônio, o Diplomata 380 está original e logo deve receber placas pretas.

Osni é motorista de ônibus de profissão e, para ele, comprar o veículo e cuidar com carinho é a realização de um sonho.

O profissional apaixonado conta que o exemplar que adquiriu foi exatamente o último Magnata a fazer a rota saindo de São Paulo com destino ao Rio.

“Fiquei sabendo que o grupo Santa Cruz, que adquiriu a Expresso Brasileiro, estava pondo os carros à venda. Fui fazer uma visita à garagem deles em Mogi Mirim e acabei ficando com o carro 5002, que tem inclusive uma história de ter feito a última viagem, que aconteceu em o dia 24 de junho de 2012, às 23h50. O 5002 saindo de São Paulo para o Rio, e o 5008 no sentido oposto, Rio-São Paulo. Foi a última viagem dos Magnatas na rodovia presidente Dutra pela Expresso Brasileiro” – contou.

 

Osni Antônio mostra a última ficha de viagens do ônibus, anida pela Expresso Brasileiro.

Osni se recorda também que o antigo proprietário da Expresso Brasileiro, Laurindo Romano (que queria ser chamado de Lauro Romano), conseguiu que os Diplomatas operassem nos últimos anos por meio de liminar judicial, isso porque já tinham entre 27 e 28 anos.

“A vida útil do carro dentro da linha rodoviária era de 15 anos e isso veio baixando depois. Como o Magnata era um carro muito requisitado e tinha passageiros fiéis, o senhor Lauro conseguiu através de liminar fazer com que ele rodasse 28 anos.” – relembra.

Mas o colecionador garante: pela qualidade estrutural da carroceria e conservação da Expresso Brasileiro, os Magnatas no fim de sua trajetória não deviam nada para os ônibus mais novos.

Foi o que a reportagem constatou durante o passeio.

O Diplomata 380 preservado por Osni, a exemplo de outros veículos da série 5000 da Expresso Brasileiro, tem mecânica Scania K112.

Por fora, o ronco é forte, o que realça o ar de imponência da carroceria.

Mas por dentro, o ruído é mínimo para o passageiro. Além das poltronas largas, o acabamento com carpete parece envolver o viajante, como se fosse uma manta. Não há vibrações como de porta-pacotes, comuns em diversos modelos, inclusive dos dias atuais.

O instrutor Adilson Matos, que já atuou em diversas empresas do País, também trabalhou na Expresso Brasileiro na época dos Magnatas.

Matos conta que os passageiros faziam questão de escolher os horários atendidos pelo modelo.

“Esse ônibus era muito requisitado, não fazia viagem de turismo, particular, nada.  Esse modelo era exclusivamente da Linha São Paulo-Rio de Janeiro. E eram  horários noturnos durante a semana, tanto saindo de São Paulo, como Rio de Janeiro, e aos finais da semana, entre sexta e domingo, eram utilizadas  oito unidades de propriedade do Expresso.” – disse.

O profissional chegou a classificar o ônibus como ícone. Na Expresso Brasileiro, os Magnatas rodaram, segundo Matos, mais de três milhões de quilômetros

“Esse carro aqui é um ícone, a construção dele é imponente. Você pode ver que pela idade dele não tem nenhum ponto de corrosão, uma frota que comprovadamente percorreu três milhões de quilômetros, sem nenhum problema de acidente grave, nada”

David Vieira, Alberto Gomes, instrutor Adilson Matos e José Luiz Dal Medico

Muito mais que reviver a experiência numa máquina, o passeio com o Diplomata foi a oportunidade de reviver histórias, lembrar de fatos pessoais e os que marcaram época, além de reforçar a amizade e fazer novas.

Ouças as entrevistas

– proprietário do Diplomata 380, Osni Antônio

– instrutor Adilson Matos, que trabalhou com o Diplomata 380

Viaje um pouco com o Magnata:

Muitos dos entusiastas se conheciam apenas virtualmente até o encontro.

Outros, amigos de velha data, colocaram o papo em dia.

Histórias, “causos” e troca de conhecimentos deram o tom do encontro.

O Diplomata 380 em detalhes:

Pneus ainda têm marca da Expresso Brasileiro.

Requinte logo na entrada

Sobre todas as poltronas, havia um interruptor para chamar a rodomoça

 

 

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes.

 Colaborou Alexandre Pelegi

6 comentários em Vida de Magnata: Um verdadeiro passeio de Diplomata

  1. Que ônibus maravilhoso. Sortudos os passageiros que tiveram oportunidade de viajar num desses.
    Saudosos anos 80/90

  2. Parabéns!! Está lindo! Que Deus lhe dê saúde para conservá-lo! Tive a oportunidade de viajar em um desses. Eram fantásticos!!

  3. Excelente reportagem. Pura nostalgia.

  4. Excelente reportagem .Pura nostalgia

  5. Esse dia vai ficar na memoria de todos nós , “Nielson Diplomata 380 Magnata” um Ícone do transporte brasileiro , parabéns pela matéria Adamo e a todos que prestigiaram esse nostálgico passeio !

  6. Diplomata 380 foi o melhor da Era Nelson. Design de Nilo Laschuk e Osvaldo Hedler. Eu era o Gerente de Engenharia e Desenvolvimento na época.
    Bela matéria e obrigado Seu Osni pelo carinho e preservação dessa JÓIA!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: