Aeromóvel de Porto Alegre completa cinco anos de atividades

Foto: Divulgação

Nesse período o modal 100% brasileiro transportou quase 5 milhões de passageiros

ALEXANDRE PELEGI

Considerado um dos maiores investimentos em mobilidade urbana feitos em Porto Alegre, o Aeromóvel completou cinco anos nesta sexta-feira, dia 10 de agosto.

A linha, que liga a Estação Aeroporto da Trensurb ao Aeroporto Salgado Filho, foi inaugurada no ano de 2013, concebida como uma das obras para a Copa do Mundo de 2014.

Planejada para facilitar a transição dos passageiros aeroviários que usam o transporte público para se deslocar de trem pela região metropolitana da capital gaúcha, em cinco anos de funcionamento o Aeromóvel já foi utilizado por cerca de 5 milhões de pessoas.

Em declaração ao Diário de Canoas, o diretor da Aeromóvel Brasil, Marcus Coester, afirmou que o transporte já se incorporou à vida dos gaúchos. Para Coester, o transporte se comprovou nos últimos cinco anos como uma forma eficiente e segura de deslocamento até o Aeroporto Salgado Filho.

Nunca tivemos nenhum acidente nestes cinco anos. Isso demonstra a eficiência. Demonstramos na prática que, além de seguro, o Aeromóvel tem um baixo custo operacional“, disse Coester, lembrando que o aeromóvel é uma estrutura 100% brasileira.

PROJETO DE AEROMÓVEL PARA CANOAS ACABOU BARRADO

A cidade de Canoas, na grande Porto Alegre, chegou a assinar um contrato em 2015 pra implantação do sistema Aeromóvel Linha Guajuviras. Seria uma linha elevada de quatro quilômetros, ligando o bairro Guajuviras ao Trensurb.

A Caixa garantiu o financiamento para o projeto, no valor de R$ 272 milhões, e chegou a liberar R$ 64 milhões dessa verba.

Em 2018 a prefeitura de Canoas barrou por tempo indeterminado a implantação dos trens, tomando como base um ofício da Metroplan, que questionava a legalidade e a viabilidade do projeto.

A Metroplan, Fundação Estadual de Planejamento Metropolitano e Regional, é responsável pela elaboração e coordenação de planos, programas e projetos do desenvolvimento regional e urbano do Estado.

Em fevereiro de 2018, o ofício assinado pelo presidente da Metroplan, Pedro Bisch Neto, e pelo secretário de Obras do Estado, Fabiano Pereira, formalizou o “indeferimento da aprovação do projeto” em razão da “inadequação do modal aeromóvel” à realidade local. O projeto supostamente não seria apropriado para “transporte de grande massa de passageiros” e falta de “viabilidade tarifária”.

 

AEROMÓVEL DE CANOAS:

O projeto do aeromóvel de Canoas contempla três linhas em dois eixos e uma extensão.

“O Sistema Aeromóvel terá 18 km de linhas, com 26 estações e capacidade prevista para até 12 mil passageiros por hora no pico e de 82 mil por dia.” – diz a prefeitura.

Os eixos são os seguintes:

Leste-Oeste – ligará os bairros Mathias Velho e Guajuviras, integrada com o trensurb. Haverá 17 estações distribuídas em 12 km de extensão.

Norte-Centro – entre a Ulbra e o Centro da cidade, integrando com a linha Leste-Oeste na estação Farroupilha. Terá nove estações ao longo de seis km.

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Claudio disse:

    O apelo de “Maior investimento em mobilidade urbana em POA” da idéia de que os valores foram estratosfericos. A verdade é que foi praticamente o único com início e fim, no prazo.
    5 milhões de passageiros, nenhum acidente, nenhuma paralização, nenhum atraso e baixíssimo custo operacional. O que mais precisa para comprovar sua eficiência?
    Alguém tem dúvida que o projeto de Canoas está sendo boicotado pelo lobby das montadoras e Empresas que detém a concessão do transporte urbano na região?
    A “podridão ” do sistema transporte público no Brasil contaminou esse projeto.

    1. Celso Pereira dos Santos disse:

      Claudio, a verdade sobre o aeromóvel:
      1- O custo operacional, mensal, para o aeromóvel funcionar na Trensurb é de R$ 400 mil sem retorno financeiro.
      2- É o modal com menor MKBF entre todos os modais existentes.
      3- Já houveram várias paralisações e atrasos nestes cinco anos.
      4- Não é um sistema automático, como prometido e precisa de um operador internamente ao veículo para que seja possível atuar em alguma ocorrência.

      Se quiseres te envio provas.

  2. Celso Pereira dos Santos disse:

    O sistema aeromóvel é uma gambiarra tecnológica e para confirmar esta afirmação, basta visitar este modal implantado na Trensurb e tirem suas conclusões.

  3. WILLIAM HOWARD HOSSELL disse:

    Em 2010 participei do projeto vencedor para implantação do sistema sobre trilhos Aeromovel no município de Nova Iguaçu na baixada fluminense, através do PAC II Médias Cidades. No total seriam 2 Linhas com 26 kms de extensão, com estações integradas à Supervia, ao Aeródromo, ao Arco Metropolitano e, podendo num futuro próximo conectar – se a estação do metrô da Pavuna através da Via Light.
    Convém ressaltar que os carros a serem utilizados em NI seriam completamente diferentes dos que são utilizados hoje em dia em Porto Alegre.
    Infelizmente houve um boicote por parte do TCE, impedindo sem justificativa que o projeto fosse adiante, e, além disso, o Aeromovel era conflitante com os interesses da Fetransport, leia – se Sérgio Cabral, Pezão, Barata e etc.

Deixe uma resposta