Brasília e capital do Cazaquistão anunciam acordo de tecnologia voltado à mobilidade urbana sustentável

Primeiro ônibus elétrico do Cazaquistão foi apresentado na Expo-2017, feira de tecnologia sediada na capital Astana

Acordo prevê o uso de carros elétricos e semáforos inteligentes

ALEXANDRE PELEGI

Brasília e Astana, capital da Cazaquistão, gigantesco país da Ásia Central, assinarão em breve um acordo para a implantação de ações de estímulo à mobilidade urbana sustentável com uso da tecnologia.

O Cazaquistão, ex-república soviética, conquistou sua independência há quase 27 anos, e desde então vem liderando o desenvolvimento econômico e financeiro da região.

Para o secretário adjunto de Ciência, Tecnologia e Inovação do Distrito Federal, Marcelo Borges Chubaci, isso significa que as duas cidades “vão se comprometer a atuar juntas em favor de uma mobilidade urbana baseada em carros elétricos, semáforos inteligentes, amplos espaços verdes, eliminação de gases poluentes e uma economia que privilegia a informatização e a colaboração com as universidades”.

As bases para a colaboração entre as duas capitais foram debatidas numa mesa redonda nessa quinta-feira, dia 26 de julho, no Parque Tecnológico de Brasília (Biotic), conforme descreve matéria da Agência Brasil de Comunicação.

A ideia central do acordo é levar as duas cidades inteligentes a fazerem uso da tecnologia para o desenvolvimento urbano.

O encontro reuniu, além de Chubaci e o embaixador do Cazaquistão, Kairat Sarzhanov, o presidente do Biotic, Mário Lima; o presidente da Câmara de Comércio Brasil-Cazaquistão, Cassiano Pereira Viana; e representantes da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Luiz Recena, e da Universidade de Brasília, Claudia Amorim.

Em entrevista à EBC o embaixador cazaque, Kairat Sarzhanov, citou o progresso da capital Astana, cidade que foi construída há apenas 20 anos, tornando-se um centro urbano moderno e atraente para turistas e investidores.

Capital mais jovem do mundo, Astana é hoje anfitriã de eventos de escala global.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta