Empresa de ônibus do Espírito Santo é condenada a indenizar idosa por impedir gratuidade

Nome da empresa de Linhares não foi divulgado.

Passageira deve ser indenizada em R$ 2 mil, a título de danos morais

JESSICA MARQUES

Uma empresa de ônibus de Linhares, no Espírito Santo, foi condenada a indenizar uma idosa por impedir gratuidade no transporte público. Segundo informações do Tribunal de Justiça do Estado, a passageira teria sido destratada pelos funcionários e impedida de entrar pela porta da frente do coletivo.

Por conta do constrangimento que sofreu, a passageira deve ser indenizada em R$ 2 mil, a título de danos morais, conforme decisão do juiz responsável pelo caso.

A idosa alegou que apresentou a carteira de identidade como comprovante para ter direito à gratuidade, pela porta da frente. Mesmo assim, a passageira contou ter sido obrigada a pagar a passagem, após ter sido destratada pelos funcionários da empresa de transportes, passando por constrangimento na frente dos demais passageiros.

Segundo informações do processo, a idosa relatou que, quando deixou o ônibus e embarcou em outro, foi tratada normalmente.

A empresa, que não teve o nome divulgado, alegou que desconhece os fatos narrados pela mulher e que por isso não deveria ser responsabilizada pela insatisfação da passageira. “Diante do ocorrido, o juiz responsável julgou procedente o pedido e condenou a empresa ao pagamento de indenização por danos morais” — informou o Tribunal de Justiça do Estado, em nota.

Em Santo André, no ABC Paulista, o problema foi além do constrangimento. Uma idosa tentou embarcar em um ônibus municipal, não conseguiu passar pela catraca e, quando finalmente foi liberada, caiu e quebrou o fêmur.

Relembre: Idosa cai dentro do ônibus e fratura fêmur, em Santo André

Jessica Marques para o Diário do Transporte

 

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: