Vendas de ônibus usados caem 5% no semestre devido à alta do mercado de novos

Usados têm diversas aplicações. Volume é três vezes maior que a vendas de novos. Foto: Google – meramente ilustrativa

Mesmo assim, volume é três vezes maior que a somatória dos ônibus 0 km

ADAMO BAZANI

Como o mercado já aguardava, as vendas de ônibus usados no primeiro semestre deste ano registou queda.

De acordo com o mais recente balanço da Fenabrave – Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores, entre janeiro e junho deste ano, foram comercializados 22.915 veículos de transporte coletivo usados, número que significa uma queda de 5,2% em relação ao mesmo período de 2017, quando foram vendidos 24.171 ônibus.

Como mostrou o Diário do Transporte, as vendas de ônibus 0 km no primeiro semestre deste ano somaram 7.108 unidades, alta de 9,96% na comparação com o primeiro semestre do ano passado, quando foram emplacadas 6.464 unidades.

Parte do mercado até aguardava uma queda maior nas comercializações de usados diante do aumento dos emplacamentos.

Se em percentuais, as vendas de usados registraram um resultado negativo, em volume, o mercado continua sendo significativo. No acumulado do semestre, o mercado de usado foi mais de três vezes maior que o de novos.

Em relação ao ranking de marcas entre os ônibus usados, as posições variam pouco na comparação com os novos, com Mercedes-Benz, MAN Volkswagen e Volare (Marcopolo) no topo:

Os ônibus usados têm destinos variados. Em grande parte dos casos, os veículos são transferidos de sistemas de transportes maiores para os menores ou com menos exigências contratuais, isso ocorre dentro de um mesmo grupo empresarial que opera em mais de um lugar ou entre empresas diferentes. Alguns veículos partem de linhas rodoviárias regulares para o fretamento, em especial feito por companhias de médio ou pequeno porte. Há também mercado de vendas para ônibus usados para o transporte rural, transporte escolar e uso particular, como bandas, igrejas, transformação em motor home, restauração por colecionadores e atualmente até mesmo para food trucks, por exemplo.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta