Governo do Paraná e prefeitura de Curitiba firmam convênio para mais integrações entre linhas urbanas e metropolitanas

Ônibus articulado que faz a ligação entre Fazenda Rio Grande e Curitiba. Uso de canaletas vai deixar viagens mais rápidas.

Estudos envolvem 20 novas integrações. Serviço Expresso de Fazenda Rio Grande pela canaleta da Linha Verde e mais oferta entre Fazenda Rio Grande e Mandirituba estão entre os planos. São José dos Pinhais, onde fica o aeroporto, também deve ganhar linha expressa

ADAMO BAZANI

A prefeitura de Curitiba e o Governo do Paraná assinaram nesta quinta-feira, 05 de julho de 2018, um convênio de R$ 71 milhões para ampliar as integrações e a oferta de transportes entre as linhas municipais da capital paranaense, gerenciadas pela Urbs – Urbanização de Curitiba S.A., e as metropolitanas, de gestão da Comec – Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba.

O dinheiro é do Governo do Estado e vai servir para manter os valores das tarifas, além de melhorar a infraestrutura de circulação dos ônibus.

O recurso virá de forma parcelada até o fim do ano. Pelo convênio, serão realizados estudos para que os ônibus metropolitanos utilizem os corredores da capital e a Linha Verde em trechos onde somente circulam os veículos de linhas municipais.

Segundo notas em conjunto da prefeitura de Curitiba e do Governo do Paraná, serão feitos estudos de viabilidade de conexões viárias e novas linhas de integração com terminais nos municípios de Piraquara, São José dos Pinhais, Fazenda Rio Grande, Mandirituba, Quitandinha, Campo Largo, Colombo, Bocaiúva do Sul, Campina Grande do Sul e Araucária.

Por dia, as linhas metropolitanas atendem 205 mil pessoas em 19 municípios da Grande Curitiba, sendo que 73% dessa demanda utilizam o sistema da RIT – Rede Integrada de Transporte, que por sua vez, abrange 14 municípios. Entre ida e volta, por dia útil, são transportados cerca de 450 mil passageiros, considerando os pagantes e isentos.

Prefeitura de Curitiba e Governo do Estado não deram previsão de quando todas as integrações estão implantadas, mas o convênio é o primeiro passo para projetos saírem do papel.

Entre as possibilidades de integrações e utilização de canaletas e da Linha Verde pelos ônibus metropolitanos estão:

Linha Piraquara-Curitiba (já em operação): Com saída do Terminal Piraquara, via Rodovia João Leopoldo Jacomel e Avenida Victor Ferreira do Amaral operação com ônibus articulados com ponto final na Praça Santos Andrade.

Expresso São José via Boqueirão: Estudos de viabilidade financeira e operacional para uma linha com saída do Terminal Urbano de São José dos Pinhais que seguirá pela canaleta já existente naquele município e posteriormente pelo eixo da Avenida Marechal Floriano Peixoto. A linha poderá utilizar a infraestrutura dos Terminais Boqueirão, Hauer e Carmo, bem como estações-tubo ao longo do itinerário, já em funcionamento, com ponto final na Praça Carlos Gomes.

Expresso Fazenda via Pinheirinho: Estudos de viabilidade financeira e operacional para uma linha com saída do Terminal Fazenda Rio Grande com itinerário pela BR 116 e utilização da infraestrutura da canaleta Sul e dos Terminais Pinheirinho, Capão Raso e Portão com ponto final na Praça Rui Barbosa e/ou Terminal Central de Curitiba.

Expresso Fazenda via Linha Verde: Estudos de viabilidade financeira e operacional para uma linha com saída do Terminal Fazenda Rio Grande seguindo pela BR 116 utilizando a infraestrutura da Linha Verde e da canaleta da Avenida Marechal Floriano Peixoto com ponto final na Praça Carlos Gomes. Entre os Terminais Fazenda Rio Grande e CIC os usuários continuarão a ser atendidos pela linha alimentadora existente.

Linha Mandirituba – Fazenda Rio Grande: Estudos de viabilidade financeira e operacional para a ligação de Mandirituba e Fazenda Rio Grande por linhas locais, diretas e alimentadoras.

Linha Quitandinha – Fazenda Rio Grande: Estudos de viabilidade financeira e operacional para a ligação dos Municípios de Quitandinha e Fazenda Rio Grande por linhas locais, diretas e alimentadoras.

Expresso Campo Largo: Estudos de viabilidade financeira e operacional para uma linha com saída do Terminal Urbano de Campo Largo com itinerário pela BR 277 até Curitiba, utilizando as ruas Major Heitor Guimarães, Monsenhor Ivo Zanlorenzi, General Mário Tourinho para acessar o Terminal Campina do Siqueira e a partir deste, utilizar toda infraestrutura do eixo Oeste-Leste com ponto final na Praça Rui Barbosa.

Linha Guaraituba – Maracanã: Estudos de viabilidade financeira e operacional para a ligação dos terminais Guaraituba e Maracanã com linhas locais, diretas e alimentadoras.

Expresso Maracanã: Estudos de viabilidade financeira e operacional para uma linha com saída do Terminal Maracanã e itinerário pela Estrada da Ribeira e Linha Verde Norte (via Atuba) com a utilização da canaleta da Avenida Presidente Affonso Camargo eponto final na Praça Rui Barbosa.

Expresso Maracanã via Mascarenhas: Estudos de viabilidade financeira e operacional para a uma linha com saída do Terminal Maracanã e ligação via Avenida Marechal Mascarenhas de Moraes, utilizando faixas exclusivas para ônibus, passando pelo Terminal Santa Cândida com utilização da canaleta exclusiva da estrutural Norte (Av. Paraná e Av. João Gualberto) com ponto final na Praça Rui Barbosa.

Linha Bocaiúva – Maracanã: Estudos de viabilidade financeira e operacional para a ligação dos terminais de Bocaíuva do Sul e Maracanã por linhas diretas e/ou alimentadoras.

Linha Quatro Barras – Jardim Paulista: Estudos de viabilidade financeira e operacional para a ligação dos terminais Quatro Barras e Jardim Paulista por linhas locais, diretas e alimentadoras.

Linha Campina Grande – Jardim Paulista: Estudos de viabilidade financeira e operacional para a ligação do terminal de Campina Grande do Sul e o Jardim Paulista por linhas locais, diretas e alimentadoras.

Expresso Campina Grande via Linha Verde: Estudos de viabilidade financeira e operacional para uma linha com saída do Terminal Jardim Paulista com itinerário pela Rodovia Régis Bittencourt (BR 116), seguindo pela Linha Verde via Atuba e posterior utilização da canaleta da Avenida Presidente Affonso Camargo, com ponto final previsto na Praça Rui Barbosa.

Expresso Campina Grande via Mascarenhas: Estudos de viabilidade financeira e operacional para uma linha com saída do Terminal Quatro Barras (integrado por alimentadores a Campina Grande do Sul). A linha seguirá pela Avenida Marechal Mascarenhas de Moraes, utilizando faixas exclusivas para ônibus, com desembarque no Terminal Santa Cândida, no qual será feito novo transbordo de passageiros.

Expresso São José via Torres: Estudos de viabilidade financeira e operacional para uma linha com saída do Terminal Urbano de São José dos Pinhais, seguindo pela Avenida Comendador Franco (Avenida das Torres), utilizando faixas exclusivas para ônibus, com ponto final no Terminal Guadalupe. Com a retirada das torres será estudada a possibilidade de implantação de uma canaleta na Avenida das Torres.

Expresso São José via Centenário: Estudos de viabilidade financeira e operacional para uma linha com saída do Terminal Affonso Pena e itinerário pela BR 277, via Terminal Centenário com a utilização da infraestrutura da canaleta do eixo Leste da Rua Engenheiro Costa Barros e Avenida Presidente Affonso Camargo e dos Terminais Oficinas e Capão da Imbuia, com ponto final na Praça Rui Barbosa.

Expresso São José via BR 277: Estudos de viabilidade financeira e operacional para uma linha com saída do Terminal Affonso Pena seguindo pela BR 277 e itinerário pela Avenida Prefeito Lothário Meissner, Avenida Prefeito Omar Sabbag e ponto final no Terminal Guadalupe.

Linha Boqueirão – Affonso Pena: Estudos de viabilidade financeira e operacional para a integração dos serviços de transporte de passageiros entre os terminais Boqueirão e Affonso Pena (em São José dos Pinhais) por meio de linhas locais, diretas e alimentadoras.

Expresso Araucária: Estudos de viabilidade financeira e operacional para uma linha com saída do Terminal Central de Araucária com itinerário pelo Terminal Angélica seguindo à Rua João Bettega (Conectora 3) e utilizando a infraestrutura do Terminal Portão e a canaleta da Avenida República Argentina e Sete de Setembro com ponto final da Praça Rui Barbosa.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

4 comentários em Governo do Paraná e prefeitura de Curitiba firmam convênio para mais integrações entre linhas urbanas e metropolitanas

  1. Esse não foi o problema que há uns dois anos tinha gerado um conflito de interesses e que na verdade já existia integrações de linhas?

  2. MARCOS NASCIMENTO // 5 de julho de 2018 às 22:15 // Responder

    Este foi o problema que gerou conflito de interesses entre a Prefeitura e o Estado e que fez extinguir várias integrações ainda em 2015. Tudo começou do zero novamente com a assinatura desse novo convenio que não ficará completamente pronto em 2019. Como sempre, tudo estará pronto até o início das eleições municipais de 2020 na qual Greca (o mesmo prefeito de 20 anos atrás) tentará a reeleição e conseguindo tal feito será o primeiro prefeito de Curitiba a ficar 12 anos no poder.

    • Ontem entregou uma importante obra com 4 meses de antecedência do cronograma previsto. Resolvendo e concluindo obras da copa2014, além de várias pendências que o antigo prefeito deixou. Isso considerando apenas a excelente atual gestão, nem vou falar das anteriores.
      Vai ter que engolir o gordinho de novo.

  3. Eu acredito que com o Greca isso sairia fácil do papel, porém dependeria do governo do estado para subsidiar tudo isso. Seria outra revolução no transporte de Curitiba e região metropolitana, trazer os passageiros perdidos, afinal alguma coisa tem que ser feita para concorrer com o transporte individual e os aplicativos.

Deixe uma resposta