Frota de veículos no Brasil: Em 45% dos municípios brasileiros, número de motos supera o de carros

Rua da zona Sul de São Paulo tomada por motos em um dia de semana comum. Foto: Adamo Bazani/Clique para ampliar

Estudo da Confederação Nacional de Municípios –CNM ainda revela que Brasil tem uma média de um carro para cada 3,89 habitantes e uma moto para cada 7,86 pessoas. Segundo levantamento, ônibus está entre as principais soluções de mobilidade urbana

 ADAMO BAZANI

Antigamente, as motos eram sinônimos de rebeldia e liberdade, com imagens clássicas em cinemas e comerciais de TV.

Agora, em grande parte das cidades brasileiras, as motos representam soluções para muita gente no curto prazo, mas também atuais e futuros problemas de mobilidade, poluição e até mesmo saúde pública e perda da força de trabalho.

Um estudo realizado pela Confederação Nacional de Municípios – CNM, divulgado nesta segunda-feira, 02 de julho de 2018, mostra o crescimento do número de motos em todo o país.

De acordo com o levantamento, com base nos dados do Denatran – Departamento Nacional de Trânsito, em 44,6% das cidades de todo o País, a frota de motos já supera o total de carros, como diz em nota, o presidente da CNM, Glademir Aroldi.

“As regiões brasileiras viram uma mudança do perfil de sua frota nos últimos anos e em 44,6% dos municípios há mais motos do que carros circulando nas ruas. No Acre, por exemplo, todos os Municípios possuem mais motos que automóveis”

Os dados mostram que o Brasil possui 53,4 milhões de carros, 26,4 milhões de motos, 616 mil ônibus e 13,2 milhões de caminhões. O número de veículos cresceu 3,30% em relação a abril de 2017.

Proporcionalmente, o Brasil tem um carro para cada 3,89 habitantes e uma moto para cada 7,86 pessoas, número em expansão contínua.

São vários fatores que, em conjunto, podem explicar o aumento de motos nas ruas: este tipo de veículo está cada vez mais barato; a compra desde 2013 tem sido estimulada com financiamentos mais fáceis; o consumo de combustível pelas motos tende a ser mais baixo; a moto é mais ágil no trânsito cada vez mais congestionado das cidades; muitos desempregados encontraram nos serviços de motoboy uma ocupação e, sem investimentos, como em corredores para deixar os ônibus mais rápidos e em redes de trilhos, o transporte coletivo não está sendo atrativo.

Entretanto, o que é uma solução temporária tem virado um problema crônico.

De acordo com o Boletim Estatístico da Seguradora Líder, empresa privada responsável pela administração do seguro obrigatório no país, os acidentes com motos representaram 75% ou 87.648 das 116.085 indenizações do DPVAT entre janeiro e abril deste ano.

Os acidentes de moto também prejudicam a força de trabalho brasileira.

Ainda de acordo com a Seguradora Líder, as vítimas de acidentes com motocicletas são em sua maioria jovens em idade economicamente ativa. No período citado, as vítimas entre 18 e 34 anos concentraram 50% dos acidentes fatais e 53% dos acidentes com sequelas permanentes.

Segundo os dados, 76% dos acidentados com moto que recorreram ao DPVAT, ficaram com invalidez permanente.

Estudos do Instituto de Energia e Meio Ambiente – IEMA e da Cetesb, a companhia ambiental do estado de São Paulo, mostram que uma moto de 125 cilindradas, proporcionalmente ao número de passageiros transportados, pode poluir 17 vezes mais que um carro e até 34 vezes mais que um ônibus comum.

ÔNIBUS:

O estudo da Confederação Nacional de Municípios –CNM classifica o ônibus como uma das principais alternativas para a mobilidade urbana, juntamente com redes de trilhos bem planejadas e estruturadas.

Segundo a CNM, a principal característica do ônibus é aproveitar melhor o espaço urbano:

“O transporte coletivo permite a utilização eficiente do espaço, uma vez que

ocupa um espaço menor na malha viária e transporta 70% da população.

A frota brasileira de ônibus se concentra em Municípios acima de 60 mil

habitantes, totalizando 616 mil veículos. O Estado com maior frota de ônibus é São Paulo, representando 25,6% do total, seguido por Minas Gerais e Rio de Janeiro com, respectivamente, 12,3% e 7,3%”

Confira as 50 cidades do Brasil com as maiores frotas de ônibus (entre urbanos, metropolitanos, escolares, fretamentos, rodoviários e particulares)

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. MARCOS NASCIMENTO disse:

    Tem algo errado nestas estatísticas!!! CURITIBA não aparece na lista das 50 maiores!!!! E nem JOINVILLE entrou no 50o.lugar pelo menos. E aparecem cidades pequenas como CURVELO e uma cidade média chamada PORTO VELHO que ainda não tem nem 200 onibus urbanos na frota total da capital. JOINVILLE tem mais de 300 onibus para uma população de quase 700 mil habitantes quando deveria ter 1 onibus para cada 1000 habitantes. A questão é que na cidade industrial de JOINVILLE existe muito fretamento com vans e onibus e além disso muito transporte escolar e ainda é uma cidade de ricos pois a grande maioria da população tem carro e o usa sem racionalidade alguma e isso sem falar é claro na questão do UBER que virou uma praga com quase 5.000 UBER registrados, 20 vezes mais do que a frota de táxis de pouco mais de 250 carros. Sei que esses dados não são muito diferentes em outras cidades. CURITIBA tem quase 2000 urbanos e os onibus do tipo METROPOLITANO são pouco mais de 1000. Para a grandiosidade que é CURITIBA E RMC era para existirem pelo menos 5000 onibus urbanos no total. NO ENTANTO, a extrema racionalidade proporcionada pelo transporte integrado que faz reduzir a frota circulante faz de CURITIBA uma cidade com poucos onibus quando comparada com outras cidades de mesmo porte sem o STI. NO ENTANTO mesmo assim CURITIBA deveria estar entre as 50 maiores frotas de onibus. CURVELO e PORTO VELHO é estranho estarem entre as 50. Creio que nesses locais devem haver muitos ferro velhos de onibus e eles acabam ficando nesta cidade como ultima referencia e não são baixados nos registros. De qualquer forma NÃO ACREDITO que existam 616.000 onibus e microonibus circulantes no BRASIL. Tem bem menos. ALGUÉM SABERIA ENTENDER como estas estatísticas funcionam considerando que a maior frota de onibus de uma cidade como SAO PAULO não chega nem a 60 mil coletivos ???

    1. blogpontodeonibus disse:

      Frotas de ônibus (entre urbanos, metropolitanos, escolares, fretamentos, rodoviários e particulares)

      1. Jose Carlos disse:

        São cidades que tem empresas grandes de onibus, numero de onibus emplacados na cidade….a viação itapemirim tem mais de 1500 onibus…..

Deixe uma resposta