Metrô de São Paulo é nota 6 e linha 12 é a que mais recebe reclamações na CPTM

Linha 12 Safira é que registrou em 2017, maior índice de insatisfação nos passageiros. CPTM atribui resultado aos impactos de obras. Foto: Adamo Bazani

Resultados dos índices oficiais de satisfação e insatisfação estão em balanço da STM. Empresas dizem que investem em melhorias e modernização. Metrô considera índice positivo e CPTM diz que impactos de obras e modernização influenciaram a avaliação dos passageiros

ADAMO BAZANI

Enquanto os moradores da capital paulista e região metropolitana de São Paulo sentiram mais ainda na pele, durante a greve dos caminhoneiros com os ônibus sem diesel, a falta de uma rede ampla de trilhos, os atuais serviços de trem e metrô não têm agradado plenamente os passageiros.

Os resultados dos índices oficiais de satisfação e insatisfação dos passageiros de 2017 (último ano consolidado) da STM – Secretaria de Transportes Metropolitanos mostram que o ideal ainda está longe.

A rede de Metrô de São Paulo só conseguiu, em média 60% de aprovação, em suas linhas de comando estatal: 1 Azul (Jabaquara/Tucuruvi),  2 Verde (Vila Prudente/Vila Madalena), 3 Vermelha (Itaquera/Barra Funda) e 5 Lilás (Capão Redondo/Moema), esta última que passa para a operação da iniciativa privada neste ano.

O índice está no balanço de administração da STM publicado na edição de 23 de maio de 2018 do Diário Oficial do Estado de São Paulo.

Isoladamente, por linha, a 3 Vermelha é a que recebeu pior avaliação, sendo aprovada por 52% dos passageiros.  A Linha 1- Azul, a mais antiga do sistema, conseguiu índice de satisfação de 61%.  A linha 5 Lilás, que passa neste ano para operação da iniciativa privada, ficou com 68% de satisfação. A linha com melhor avaliação é a 2-Verde, com 70% de satisfação.

Segundo a publicação oficial, foram avaliados aspectos como conforto, rapidez, segurança contra acidentes, confiabilidade, segurança pública, utilidade, preço, integração, acessibilidade, atendimento e informação ao usuário.

Em nota-resposta ao Diário do Transporte, o Metrô considerou o resultado como positivo e destacou que, segundo uma pesquisa do Datafolha, o modal foi eleito pelo quarto ano consecutivo o melhor sistema de transporte pelo paulistano e citou investimentos.

“O índice de satisfação revela boa avaliação por parte daqueles que usam um transporte que leva 4 milhões de usuários por dia com conforto, rapidez e segurança a seus destinos – e traz de volta. – diz a companhia em nota (Confira abaixo a nota na íntegra).

CPTM:

Já quanto à CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, o relatório da secretaria traz o índice de insatisfação e reclamações dos passageiros, com os problemas que mais incomodam quem usa as seis linhas da rede.

A linha com maior índice de reclamações por número de usuários transportados é a 12 Safira (Brás/Calmon Viana), com 69,6 de indicador de insatisfação em número de reclamações a cada mil usuários. Em seguida, aparece a linha 7 Rubi (Jundiaí/Francisco Morato/Luz), com 60,6 de índice. Em terceiro lugar na insatisfação do passageiro, aparece a linha 10 – Turquesa (Rio Grande da Serra/Brás), com índice 37,3 reclamações a cada mil pessoas transportadas. Em quarto, está a linha 8-Diamante (Amador Bueno/Júlio Prestes) com índice de 24, em quinto figura a linha 11-Coral (Luz/Estudantes), com 21,9. A linha com menor média de reclamações é a 9 – Esmeralda (Osasco/Grajaú), com índice de insatisfação de 16,6.

Em relação aos problemas que mais incomodam os passageiros, lidera lista o tempo de viagem, com 34,8% das reclamações. As condições do trem figuraram em segundo lugar entre as maiores reclamações dos passageiros, com 10,4%.  Falta de informação ao usuário é o motivo de 9,5% das reclamações e a postura dos empregados da CPTM corresponde a 9% das reclamações.

Em nota resposta ao Diário do Transporte, a CPTM diz que os impactos das obras de modernização e expansão da rede de trilhos influenciaram nas avaliações, em especial das linhas com maior índice de insatisfação.

“… a CPTM considera que o impacto dessas obras na programação operacional pode ter contribuído para a insatisfação dos usuários, apesar dos esforços da empresa em comunicar as alterações com antecedência.” – veja a nota na íntegra abaixo.

A companhia também destacou que são feitos investimentos em modernização da rede e das estações e têm sido comprados trens novos.

RESPOSTAS NAS ÍNTEGRAS:

RESPOSTA METRÔ:

O índice de satisfação revela boa avaliação por parte daqueles que usam um transporte que leva 4 milhões de usuários por dia com conforto, rapidez e segurança a seus destinos – e traz de volta.

 Os números reforçam a percepção positiva da maioria dos usuários quanto ao Metrô, também vista na pesquisa do Datafolha. Em 2018, pelo quarta vez consecutiva, pesquisa Datafolha colocou o Metrô de São Paulo como melhor meio de transporte da cidade e melhor serviço público em geral (em empate técnico com o Poupatempo). O levantamento é feito anualmente com a população usuária dos transportes públicos e dos demais serviços públicos de São Paulo.

Inclusive a linha 3-Vermelha, a mais movimentada do mundo – com mais de 1,5 milhão de usuários transportados diariamente – a maioria a avalia positivamente. 

Nos últimos anos, o Metrô reformou 98 trens, além da compra de centenas de novos carros, todos equipados com ar-condicionado, portas mais largas, novos sistemas de freio e atualização nos softwares de controle das composições, iluminação e câmeras de segurança. A Companhia investe em wi-fi nas estações, instalação de 150 máquinas de vendas de bilhetes e comercialização de créditos do Bilhete Único. Nos últimos 8 meses, foram 11 as estações inauguradas em três linhas: 4-Amarela, 5- Lilás e 15-Prata. Com elas, a malha metroviária da cidade alcançou 89,7 km, com 79 estações distribuídas em seis ramais. Para este ano, outras 9 inaugurações são esperadas, o que elevará o número de paradas para 88 em uma rede de mais de 100km de extensão.

Assessoria de Imprensa

Metrô SP

RESPOSTA CPTM:

Em primeiro lugar, cabe esclarecer que esse índice é sobre a Insatisfação do Usuário, a qual varia de acordo com os fatores que impactam no transporte. No caso da CPTM, as obras de modernização realizadas em todas as linhas, aos finais de semana e fora dos horários de pico, sem a interrupção da prestação dos serviços, exigem interferências na operação. Por isso, a CPTM considera que o impacto dessas obras na programação operacional pode ter contribuído para a insatisfação dos usuários, apesar dos esforços da empresa em comunicar as alterações com antecedência.

Por conta das obras de implantação da Linha 13-Jade foi necessário fechar a Estação Eng. Goulart da Linha 12-Safira, que atualmente atende as duas linhas, e transferir os usuários para o sistema de ônibus gratuitos que fazia o trajeto até a Estação USP Leste. A estratégia ampliou o tempo de viagem em cerca de 10 minutos. Além disso, o número de intervenções na Linha 12 foi intensificado no último semestre de 2017, especialmente, nos finais de semana, o que elevou as manifestações negativas de usuários dessa linha.

Já na Linha 7-Rubi, no ano passado, além das obras de remodelação da rede aérea, que exigiram a utilização de Paese em trechos da viagem às vezes durante todo o fim de semana, houve um deslizamento de terra que interrompeu a circulação dos trens entre as estações Perus e Caieiras entre os dias 20 e 26 de janeiro, período em que as viagens foram complementadas pelo serviço de ônibus.

A CPTM transporta cerca de 2,8 milhões de usuários por dia útil. Para atender a demanda, o Governo do Estado vem investindo na compra de novos trens, modernização dos sistemas para diminuição dos intervalos das viagens e reforma de estações.

 CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos

 

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Marcia Rodrigues disse:

    Na verdade a linha 12 safira sempre foi orivel e stressante por causa de ambulantes, que a cada dia tem mais espaço. Quanto aos horários a Cptm nao tem programação. Sempre atrasa e o tempo de espera e muito. CPTM.Está longe de pelo menos ficar bom.

  2. Rogério disse:

    Como está a linha doze a partir da linha 13 jade até o Brás?

  3. Henrique Rodrigues disse:

    A Linha 10 é a segunda pior da rede, só não é tão ruim porque a Linha 7 é pior, mais não tem uma modernização de frota, continua os trens da Serie 2100 na linha, uma linha que o novo é trens da Serie 3000 e 2 trens da Serie 8000, essa linha é uma vergonha, tudo que passa no Abc Paulista é uma vergonha os trens velhos, ônibus intermunicipais são um lixo (Eaosa e São Camilo)

  4. André Silva Pereira disse:

    Bom pego o trem todos os dias a ano, nunca vi melhoria na linha 12 ,eles não tem respeito aos usuários falam q o intervalo e de 30 minutos e mentira chega até 45 minutos,o engraçado q não vejo obras nas vias do vejo trens parados abandono só isso, obrigado CPTM pelo o mal serviço prestado aos usuários

  5. André Silva Pereira disse:

    Até na semana os trens ficamo ruins,vcs podiam ter pelo o menos o respeito pelo os usuários, colocar intervalo de 35 minutos fala sério,vc chega na estação passa um trem aí vc tem q fica lá esperando 45 minutos, acho q vcs pensam q final de semana ninguém trabalha,Samos ser humano ok

  6. Marco Diniz disse:

    Linha safira é uma das piores pego todos os dias agente vem com a cara porta, sempre super lotados e fora as tres ultimas estações que estão esquecidas….ITAQUAQUECETUBA-MANOEL FEIO E ARACARE QUE Coitada e a pior de todas, sendo pior que um ponto de onibus praticamente só tem a passarela, ate quando??? ate quando?? vamos continuar com estação ARACARE daquele jeito?

Deixe uma resposta