Costa Rica quer ser primeiro país do mundo a proibir combustíveis fósseis; setor de transporte é o maior desafio

Foto: Divulgação

Setor de transporte no país é dependente de combustíveis fósseis, e será o grande desafio para o novo presidente Carlos Alvarado

ALEXANDRE PELEGI

A depender do novo presidente costa-riquenho, Carlos Alvarado, Costa Rica pode ser a pioneira mundial na extinção da matriz de combustíveis fósseis.

O país mais rico da América Central é rico também em diversidade, a ponto de hoje 99% de sua eletricidade ser gerada por meio de energias renováveis.

Em sua cerimônia de posse, no início deste mês de maio, Alvarado afirmou: “A descarbonização é a grande tarefa de nossa geração e a Costa Rica deve ser um dos primeiros países do mundo a realizá-la, se não o primeiro”.

O plano abrange o sistema de transporte público, e inclui ainda outras mudanças como também a promoção de pesquisas sobre novas fontes de combustível sustentáveis e a proibição da exploração de combustíveis fósseis no país.

Mas se as progressões da Costa Rica no âmbito ecológico são surpreendentes, abolir os combustíveis fósseis no setor de transporte em apenas três anos não será tão fácil quanto o presidente almeja.

Segundo o jornal britânico “Independent”, onde o projeto revolucionário de Alvarado mereceu destaque, a demanda por carros está aumentando no país de apenas 5 milhões de habitantes, assim como o uso de outros sistemas de transporte, o que pode ser um dos maiores desafios para atingir a meta de banir os combustíveis fósseis. Segundo dados do Registro Nacional do país, citados pelo jornal, havia duas vezes mais carros registrados do que bebês nascidos em 2016. No ano anterior, a indústria automobilística da Costa Rica cresceu 25%, tornando-se um dos mercados de automóveis que mais crescem na América Latina.

O presidente do Equador, em seu discurso, fez questão de afirmar: “Nós temos a grandiosa e bela tarefa de abolir o uso de combustíveis fósseis em nossa economia para abrir caminho para o uso de energias limpas e renováveis”.  E sua meta é concretizar a promessa até o ano de 2021.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. SDTConsultoria em Transportes disse:

    Bom dia ! Um belo desafio, espero que o novo presidente apresente um plano de ações para que isto se torne realidade , e que os outros países sigam o exemplo.

Deixe uma resposta