ANTT anuncia recuperação de ferrovias da região de Barretos

Foto: Portogente

Melhorias nos ramais estão previstas para 2023/2024, mas dependem da renovação antecipada dos contratos da malha ferroviária com a Rumo Logística

ALEXANDRE PELEGI

A ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) informou que fará investimentos na malha ferroviária da região de Barretos. A programação foi feita para o biênio 2023/2024.

A recuperação dos ramais ficará a cargo da Rumo Logística, que responde pelos traçados ferroviários no Estado de São Paulo.

O anúncio foi feito pelo ministro dos transportes, Valter Casimiro Silveira, em reunião com políticos da região e com o coordenador de orçamento da ANTT, Daniel de Oliveira Santos.

O ministro Valter Casimiro Silveira informou ainda que tem como meta concluir até o final de 2018 o processo de renovação antecipada dos contratos da malha ferroviária, com investimentos estimados em R$ 6 bilhões.

A ANTT deverá encaminhar as análises dos contratos de antecipação até o mês de junho, cabendo ao Tribunal de Contas da União validar as assinaturas.

PLANO DE INVESTIMENTOS DA RUMO LOGÍSTICA

A ANTT apresentou em audiência pública em Brasília, no último dia 26 de abril, o plano de investimentos de R$ 4,7 bilhões propostos para a Malha Paulista. Junto com a Malha Norte, os trechos respondem pelo escoamento de grande parte da produção agrícola de Mato Grosso até o Porto de Santos.

Esta foi a segunda sessão promovida pela Agência para debater a extensão por mais 30 anos do contrato de concessão da malha firmado com a Rumo – o contrato em vigência vai até 2028.

Os investimentos de R$ 4,7 bilhões previstos para os próximos anos almejam propiciar ganhos em termos de capacidade de transporte da Malha Paulista, passando dos atuais 35 milhões de toneladas para cerca de 75 milhões de toneladas ao ano. A proposta apresentada pela ANTT prevê, para os quase 2.000 quilômetros de extensão da malha, realizar duplicações de trechos, ampliação de pátios, modernização de via e obras para mitigar os conflitos urbanos entre a ferrovia e os municípios atravessados pela ferrovia.

A ideia é aumentar não apenas a capacidade de transporte da via, mas também a segurança nas operações. Também está prevista a aquisição de 196 locomotivas e 2.575 vagões.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

3 comentários em ANTT anuncia recuperação de ferrovias da região de Barretos

  1. LUIZ CARLOS DIRENZI // 15 de maio de 2018 às 21:45 // Responder

    Sabe qual é o grande problema. Eles fazem muita audiência e a recuperação que é bom não acontece. O Governo Paulista a muito tempo atras prometeu a implantação dos trens Intercidades para as regiões de Campinas, Sorocaba, Vale do Paraíba e Baixada Santista que só ficou na promessa. Já a ANTT também pretendia implantar um trem de passageiros de Brasilia-DF para Luziânia-GO que até agora nem audiência marcaram. E assim é com os trens de cargas falam e nada fazem.

  2. ”Trens regionais pendulares de passageiros “double decker” de médio e longo percurso São Paulo-Minas-Brasília.”

    Para que possamos ter definido um trajeto para trens regionais de passageiros de médio e longo percurso São Paulo – Brasília, utilizando o canteiro central da Rodovia dos Bandeirantes-SP (2ª etapa) passando por muitas das cidades citadas abaixo entre outras, além de um trajeto coerente para cargas, (dupla função) com o fator de sazonalidade igual a zero, deveremos tomar as seguintes providências;

    1ª fase Interligar a ferrovia Norte / Sul com ramal para Brasília-DF com a Ferrovia Centro Atlântica FCA existente passando pelas cidades de Anápolis-GO, Araguari, Uberlândia, Uberaba-MG que hoje se encontram operando somente em bitola métrica, com a implantação de bitola mista ( 1,0 + 1,6 m ), passando por Ribeirão Preto, até o ponto que se encontram com a bitola larga em Campinas, aí já seguindo para Jundiaí e a capital-SP.

    2ª fase Interligar em linha paralela com a ferrovia Norte / Sul passando por Goiânia, Anápolis, Itumbiara-GO, Monte Alegre de Minas, Prata e Frutal-MG e adentrando pelo centro norte de SP na cidade de Colômbia, e a partir daí seguindo por ferrovias existentes por Barretos, Bebedouro, Jaboticabal, até Araraquara no centro de São Paulo, com bifurcação para Panorama ou para a estação Júlio Prestes na capital-SP, ambos os trajetos como função de linhas troncos.

    A maior parte destas propostas é a de se utilizar ao máximo os trechos ferroviários existentes que se estejam desativados ou subutilizados, mas que se encontram-se em regiões de grande potencial, que no passado já possuíram ferrovias a fazer parte de seu desenvolvimento, e que inexplicavelmente se encontram abandonadas, principalmente no estado de São Paulo, e o trecho novo complementar se limita a, ligação ferroviária Norte / Sul, Anápolis, Itumbiara-GO Barretos-SP ~380 km, a maior parte em Minas Gerais. (Esta ligação tem a função de interligar na menor distância em bitola larga os pontos onde se encontram paralisadas ao Norte Anápolis-GO com a ao Sul Barretos-SP), que hoje não existe, em um tempo, distância e custo de implantação muito inferior à proposta original, além que poderá ser utilizada como trens de passageiros.

    Notas:
    1ª Fica definida a cidade de Panorama-SP de onde deve partir rumo ao Rio Grande do Sul a continuidade da ferrovia Norte / Sul.
    2ª Alguns trechos entre Barretos e Panorama-SP se encontram em estado precário, ou erradicados, portanto devem ser refeitos.
    3ª A utilização do canteiro central da Rodovia dos Bandeirantes entre São Paulo e Campinas (Viracopos) em uma segunda etapa se faz necessário, pois o trecho existente se encontra saturado.

  3. Caminhoneiro Grevista // 3 de junho de 2018 às 23:51 // Responder

    Só vendo para crer !!!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: