Buser terá viagem de São Paulo a Belo Horizonte no fim de semana de Dia das Mães

Para viajar, o usuário precisa baixar um aplicativo pelo site da empresa. Foto meramente ilustrativa.

Saída está prevista para essa sexta-feira, às 21h e retorno, para domingo, 20h

JESSICA SILVA PARA O DIÁRIO DO TRANSPORTE

Uma alternativa para viajar no feriado de Dia das Mães é o compartilhamento de viagens rodoviárias. A Buser fará uma viagem de São Paulo a Belo Horizonte neste fim de semana. A saída está prevista para sexta-feira, 11 de maio, às 21h, com retorno programado para domingo, 13 de maio, 20h.

O embarque será nas proximidades da Rodoviária do Tietê, com um ônibus leito. A volta está marcada para o domingo, partindo do Terminal Turístico JK, em Belo Horizonte.

A Buser também oferece outra opção, criada por outros viajantes para fazer o itinerário em acomodação executiva. Segundo informações da empresa de compartilhamento de viagens rodoviárias, o preço pode ser até 48% mais baixo do que no transporte rodoviário comum.

“O processo de fretamento é simples, o passageiro baixa o aplicativo ou entra no site da Buser, procura um grupo já existente, o que lhe dará mais chances de sucesso, ou cria seu próprio grupo de viagem, faz o rateio do frete e, após o ônibus atingir uma lotação mínima, terá seu passeio garantido” – informou a Buser, em nota.

Segundo a empresa, além das rotas entre a capital paulista e a capital mineira, também estão formados grupos para viajar entre São José do Rio Preto – São Paulo e Belo Horizonte – Ipatinga. “As viagens ocorrem com empresas de fretamento devidamente legalizadas, nas opções de ônibus leito e executivo”.

SAIBA COMO FUNCIONA A BUSER

Em nota, a Buser explicou ao Diário do Transporte como o sistema funciona:

Para viajar, o usuário precisa baixar o app pelo site da empresa (www.buser.com.br), cadastrar seus dados e definir parâmetros da viagem, como origem, destino e data, e o aplicativo mostra quais são as opções mais baratas. Após atingir um número mínimo de passageiros, a viagem é “confirmada” e os horários de saída e chegada e ponto de encontro são definidos pela própria BUSER para garantir organização e segurança. Os primeiros a baixar o app ganham cupom de R$10 reais e, além disso, recebem outros R$ 10 toda vez que um amigo indicado passe a utilizar a ferramenta.

RESPALDO PARA O PASSAGEIRO:

Marelo Abritta, um dos fundadores do aplicativo, explica que como se trata de um serviço de fretamento, o passageiro terá o mesmo respaldo que se uma empresa contratar um ônibus fretado para transportar seus funcionários.

O seguro em caso de acidentes é o oferecido pela empresa de ônibus de fretamento.

Em caso de roubo ou furto de bagagem também valem as legislações de fretamento que obrigam as transportadoras a se responsabilizar pelos bens na parte inferior dos ônibus (bagageiro) e não, segundo o empresário, no porta-pacotes do salão dos passageiros.

A Buser diz, entretanto, que não vai deixar as responsabilidades apenas sobre a viação de fretamento e que vai seguir o Código de Defesa do Consumidor em caso de “concurso de responsabilidade”, já que intermediou a viagem.

“A Buser terá uma equipe de atendimento em tempo real para o passageiro da empresa que optou pela viagem no aplicativo” – explicou.

DESISTÊNCIA DE VIAGEM:

Marcelo Abritta também explicou como serão os procedimentos de desistência e cancelamento de viagem.

Segundo o empresário, haverá as seguintes situações:

– Quando o ônibus não teve ocupação que deixasse a passagem vantajosa e a viagem não for realizada: devolução integral do dinheiro em conta.

– Quando a viagem ocorreu, o passageiro desistiu, mas outro ocupou o lugar: Reembolso integral.

– Quando a viagem ocorreu e não teve ocupação do lugar do passageiro desistente: Não haverá reembolso, mas o passageiro que desistiu fica com crédito no mesmo valor para outra viagem.

“Devemos adotar este sistema como padrão” – disse.

PONTOS DE PARADA, EMBARQUE E DESEMBARQUE:

Marcelo Abritta explicou que os pontos de embarque e desembarque serão escolhidos pelos passageiros, mas o objetivo é que os locais selecionados tenham estrutura para receber os ônibus e a demanda.

“Podemos ter mais de um ponto para diferentes rotas, mas não mais de um ponto para a mesma rota, sempre seguindo determinações de trânsito e as regulamentações municipais. Por exemplo, em Belo Horizonte, mesmo sendo uma metrópole, não há restrições como ocorre em São Paulo. Tudo será respeitado. Numa cidade do interior, essa questão acaba sendo secundária” – declarou.

Para seguir a legislação trabalhista, que determina que a cada quatro horas o motorista de ônibus faça um descanso de 30 minutos, haverá paradas no meio do trajeto, como em postos de rodovia.

“Os passageiros devem escolher, a Buser não vai fazer parceira e ganhar dinheiro de posto de estrada” – disse.

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta