Prefeitura de São Paulo diz que corredores de ônibus contarão com R$ 240 milhões neste ano, dos quais R$ 35 milhões já foram empenhados

Segundo Iema e Pesquisa Origem/Destino do Metrô, ônibus transportam 40% dos cidadãos e ocupam 3% das vias, enquanto carros transportam 30% e ocupam 88% das ruas e avenidas. Carros e motos são os “vilões” da poluição na cidade, mostra estudo.

Gestão Doria tem transferido recursos dos espaços que seriam destinados ao transporte coletivo para o Programa Asfalto Novo

ADAMO BAZANI

A SPTrans – São Paulo Transporte informou ao Diário do Transporte que neste ano, a Prefeitura utilizou até o momento, R$ 35,77 milhões  (R$ 35.776.074,00) para qualificação e construção de corredores de ônibus, do total de R$ 240 milhões (R$ 240.083.123,83) reservados no Orçamento para todo o ano de 2018.

Ainda segundo a gestão, “estão em obras mais 14 quilômetros de extensão do corredor Itaquera, trechos 1 e 2. A previsão do plano de metas é implantar 72 km até 2020.” Em fevereiro, de acordo com a SPTrans, “foi concluído o último trecho do corredor Berrini, com extensão de 3,3 km.”

A informação foi uma resposta da gerenciadora de transportes ao pedido feito pela reportagem que, com base em decretos de João Doria, no Diário Oficial da Cidade, mostrou que somente neste ano, a gestão fez duas transferências milionárias de recursos que seriam destinados aos corredores de transporte coletivo para o programa Asfalto Novo, considerada uma das atuais bandeiras do prefeito que, em abril, se afasta do cargo para disputar a vaga ao Governo do Estado de São Paulo.

A primeira transferência foi de R$ 192 milhões (R$ 192.227.832,59), em decreto de 22 de fevereiro e, por meio de decreto de 23 de março, foram transferidos mais R$ 110 milhões (R$ 110.202.414,58).

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2018/03/26/mais-uma-vez-doria-retira-recursos-milionarios-de-corredores-de-onibus-para-asfalto-novo/

Apesar de ônibus circularem nas vias que devem ser contempladas com o Asfalto Novo, na prática, o maior beneficiado com as transferências deve ser do transporte individual, já que os carros ocupam mais o espaço na cidade, apesar de transportarem menos passageiros, segundo o Inventário de Emissões Atmosféricas do Transporte Rodoviário de Passageiros no Município de São Paulo, lançado em 23 de maio do ano passado, pelo Instituto de Energia e Meio Ambiente – Iema.

Com base na Pesquisa Origem – Destino do Metrô o estudo mostra que os carros transportam apenas 30% das pessoas na cidade, mas ocupam 88% do espaço das vias. Os ônibus municipais, por sua vez, transportam 40% dos cidadãos, mas só ocupam 3% das vias.

Em relação à poluição, os carros e as motos prejudicam muito mais a cidade que os ônibus.

Ainda de acordo com o estudo do Iema, os carros de passeio transportam apenas 30% das pessoas em São Paulo, mas são responsáveis por 72,6% das emissões de gases de efeito estufa do setor de transportes.

Já os ônibus municipais, de acordo com a pesquisa de Origem e Destino, transportam em média 40% das pessoas que se deslocam pela cidade, mas são responsáveis apenas por 3,1% das emissões na capital paulista (isso com a tecnologia Euro III de motores predominante, cerca da metade da frota atual de ônibus é Euro V, que polui menos).

Levando em consideração as emissões por passageiro por quilômetro, os carros e motos continuam sendo os campeões de poluição. Os carros emitem 65,8% de dióxido de carbono, as motocicletas são responsáveis por 35,6% e os ônibus municipais lançam no ar 17%.

A reportagem questionou o fato de com quase 1 ano e quatro meses, a gestão Doria ainda implantou nenhuma faixa de ônibus na cidade.

A SPTrans diz que juntamente com a CET – Companhia de Engenharia de Tráfego estuda a possibilidade de novos espaços deste tipo, mas não informou nenhuma previsão.

Na nota, a gerenciadora ainda acrescentou que o Programa Asfalto Novo contempla corredores de ônibus, o que vai resultar em melhor fluidez ao transporte coletivo.

Confira a nota na íntegra:

A Prefeitura informa que o remanejamento orçamentário é permitido por lei, no limite de 9% do seu total. O Programa Asfalto Novo prevê, como o nome diz, melhorias no asfalto das ruas e avenidas da cidade e também dos corredores de ônibus, o que garante melhor fluidez aos ônibus e veículos.

Em 2017, foram empenhados em corredores de ônibus R$ 88.151.503,52. Para 2018, foram orçados para corredores R$ 240.083.123,83 e o valor empenhado até o momento é de R$ 35.776.074,00.

A cidade de São Paulo conta com 12 corredores de ônibus que totalizam 128,7 km de extensão. Em fevereiro de 2018, foi concluído o último trecho do corredor Berrini, com extensão de 3,3 km. Atualmente, estão em obras mais 14 quilômetros de extensão do corredor Itaquera, trechos 1 e 2. A previsão do plano de metas é implantar 72 km até 2020.

As equipes de planejamento da SPTrans e da CET realizam constantemente estudos de implantação de novas faixas de ônibus em todas as regiões da cidade.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Elvis disse:

    Quero ver ele se eleger para governados com esse governo elitista.

Deixe uma resposta